quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

NOSSOS HERÓIS


Assisti no Cine Paratodos, na Boa Vista, é claro, entre 1965 e 1966. Fiquei encantado com o personagem Joaquin Murieta (ou seria Murrieta). Depois de anos, passei a procurar informações e ler sobre a sua vida real e agitada.

Murieta nasceu em 1829, em Sonora - México. No Chile, dizem que ele nasceu ou viveu por lá.

Pouco se sabe da vida de Joaquín Murieta, transformada em lenda pela cultura popular mexicana e chilena. Foi enaltecida por versos, contos, livros, brochuras e canções. 

Ficou a lenda que Murieta foi um homem amante da paz, levado a buscar vingança quando ele e seu irmão foram falsamente acusados de roubar um cavalo. Seu irmão foi enforcado e Joaquin chicoteado. Sua jovem esposa foi estuprada por bandidos. 

Jurando vingar-se, Joaquin perseguiu todos os que haviam violado sua amada. Ele embarcou em uma curta mas violenta carreira (teria sido morto em 1853) que levou a morte a seus torturadores americanos. O Estado da Califórnia ofereceu então uma recompensa de até US$ 5.000,00 por Joaquin "morto ou vivo". 

Dependendo do ponto de vista, era um bandido ou um patriota mexicano. De qualquer maneira, para alguns ativistas políticos o seu nome tem simbolizado resistência latino-americana perante a dominação econômica e cultural americana.

'Fulgor e morte de Joaquín Murieta' é a única peça teatral escrita pelo poeta chileno Pablo Neruda. Surgido em forma de poesia na juventude do autor, foi posteriormente adaptado para os palcos. É a história trágica de Joaquín Murieta, visto como herói pelo Chile e pelo México, reivindicadores ambos de ser o local de seu nascimento.

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: