sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

CANTINHO DA SALA

Antonio Bandeira
Viver é Perigoso

MAIS ENROLAÇÃO

Viver é Perigoso

CULTURA NO MUNICÍPIO - SEGUNDO CADERNO


Tomei conhecimento (tardiamente) do www.segundocaderno.com e mesmo sem autorização republicamos um balanço interessante sobre o investimento na cultura itajubense no ano 2019.

Esses dias, contagiado pelo valioso ócio que nos acomete no recesso de fim de ano, visitei o Parque Municipal de Itajubá, o grande diamante de campanha da atual prefeitura. Chamou-me de cara a atenção a enorme estrutura que foi montada para “comemorar” o Natal na cidade. Já havia visto a praça central enfeitada (e que, confesso, achei bem cafona), mas o Papai Noel resolveu investir pra valer (e com as contas públicas) nos luxuosos enfeites do parque.

Consultando o Portal Transparência, levei um pequeno susto: R$350.000,00 gastos com enfeites e iluminações de Natal. Outros R$35.000,00 (ou seja, 10% do valor dos enfeites) foram investidos em shows para cobrir o período entre o Natal e o ano novo. Um Natal no valor de, no mínimo (vide observação colocada ao fim do texto), R$385.000,00 bancados pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (SECUT).

Não sou contra que esta quantia de dinheiro seja destinada à cultura. É dever do Poder Público promover espaços culturais, incentivar a arte, e garantir a todos acesso a entretenimento, cultura, diversão, momentos de convivência e trocas. O meu ponto é exclusivamente em relação à qualidade do gasto.

Itajubá é uma cidade universitária, localizada num relevante polo turístico de belezas naturais e peculiaridades culturais que certamente a tornam potencialmente um grande palco de arte e cultura. Mas a lógica dos investimentos da atual gestão da SECUT, ao menos pelos dados expostos no Portal Transparência, revela outra visão sobre o que é promover cultura.

Levantando os contratos fechados pela SECUT durante 2019, é possível observar que, dos R$1.044.000,00 contratados pela Prefeitura em cultura, os gastos se dividem na seguinte proporção:

1) Gastos com natal: R$385.000,00 – 37%
2) Gastos com aniversário da cidade: R$ 615.000,00 – 59%
3) Gastos com organização do Enduro da Independência: R$15.000,00 – 1,3%
4) Gastos com consultoria e assessoria cultural: R$29.000,00 – 2,7%

Representando graficamente, teríamos o seguinte panorama:

Além de me assustar com a (des)proporção dos gastos, a análise dos contratos celebrados em 2019 é gritante também pelo seu silêncio: não se vê qualquer iniciativa que dialogue com artistas e movimentos culturais locais, qualquer nova política pública de média e longa duração, e sequer o planejamento de políticas culturais além da mera organização de mega eventos em datas pontuais e com custos altíssimos. Em outras palavras, por durante todo um ano, basicamente tivemos contratos celebrados para a organização de 2 grandes eventos, somando um total de mais de um milhão de reais.

A questão que fica é: qual a prioridade e interesses que regem atualmente a promoção da cultura em Itajubá?

Observação: estranhamente, alguns processos licitatórios abertos pela SECUT durante o ano referentes a eventos já passados ainda aparecem como não encerrados no Portal Transparência, não sendo possível computar seus dados. É o caso dos shows realizados na Festa do Pastel de Milho, e outros gastos com banheiros, seguranças e estruturas de palco.

Se pegarmos, por exemplo, o analítico de empenhos da Secretaria referente aos meses de fevereiro e março, conseguimos ver outros muitos gastos com a realização das comemorações do aniversário da cidade, que totalizam mais de 1,3 milhões de reais:
Também se pegarmos o analítico de empenhos referentes aos meses de novembro e dezembro, outros vários gastos relacionados à manutenção dos eventos de fim de ano aparecem totalizando o valor de mais de R$520.000,00:

Aparentemente, também a transparência não tem sido um foco de muita atenção pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo em Itajubá.

Pedro Gama - www.segundocaderno.com

Viver é Perigoso

ANOTA AÍ, ZANIN !

Viver é Perigoso

NÃO NOS TENHA COMO ARROGANTES


"...No seu lado positivo, arrogância é sinônimo de altivez, coragem, de assumir suas próprias opiniões, identidade ou personalidade. Ser arrogante é assumir a responsabilidade sobre as coisas importantes. É defender ideias e opiniões.

Não seria essa a essência da democracia? Talvez a arrogância, pelo menos nesse sentido, seja um elemento importante na construção de uma sociedade justa e democrática.

Apatia é o contrario. É a falta de emoção, motivação ou entusiasmo. Representa o desinteresse, a indiferença, a insensibilidade aos acontecimentos. Apatia não constrói coisa alguma. Mas pode destruir. Pode destruir uma comunidade. Levar a grandes desastres. Levar à tolerância e à conivência com grandes injustiças.

Apatia é não reconhecer nossa responsabilidade com a comunidade em que vivemos.

Construir uma sociedade melhor é trabalho duro. É esforço diário e constante que requer a colaboração de todos. É necessário que cada um assuma a responsabilidade pela sua construção, defendendo ideias, ações, identidades e posições. A melhoria de todos depende de cada indivíduo.

Não existe espaço para apatia. Mas existe um lugar para a arrogância.

Frequentemente falamos de um tempo em que as coisas eram mais doces, as pessoas mais generosas, a sociedade mais justa e a vida melhor. Isto, muitas vezes, é apenas fantasia, travestida de realidade.

Por outro lado, se hoje nos tornarmos cidadãos mais arrogantes e menos apáticos, talvez possamos, no futuro, lembrar do nosso progresso e experimentar uma sociedade melhor. Viver a realidade, fantasiada de ideais."

Elton Simões

Viver é Perigoso