domingo, 15 de dezembro de 2019

PORQUE HOJE É DOMINGO



Viver é Perigoso

CANETA

Viver é Perigoso

O ESPÍRITO DE NATAL DAS AUTORIDADES


Não dá para não se revoltar.

Entre por um instante na chamada "rede social" e tome conhecimento do desespero, do sofrimento das pessoas que precisam de atendimento emergencial de saúde no Hospital de Itajubá. 

Fato que é um problema nacional, reconheçamos.

Mais aqui na cidade são claros os indícios de pouco caso e comprovação total do ultrapassado "aqui quem manda sou eu "

Um absurdo e uma burrice política sem precedentes foi a posição inexplicável tomada pela atual Administração  que levou o fechamento do Pronto Socorro da CENTENÁRIA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE ITAJUBÁ.

Obviamente, assistimos o sobrecarregamento no atendimento do ex - Hospital Escola, atual Hospital de Itajubá.

Por falta de recursos, absolutamente não foi. Milhões, repetimos, milhões estão sendo gastos em festas, com bandas, shows, luzes, foguetes e oba-obas.

Administrar é definir prioridades. Todo mundo sabe. Divertimento, ainda que bastante elitizado, é importante.

O gasto com Telló (não sei se é assim que escreve), Daniel e outros, seria mais do que suficiente para subsidiar o Pronto Socorro da Santa Casa por todo esse ano de 2019.

Jamais irá acontecer, mas que um dos políticos vereadores e executivos da atual Administração, ao olhar para uma árvore de natal, de frente de uma mesa farta, colorida e curtindo um som, mesmo destrambelhado, lembre- do que significa o espírito de natal. Afaste-se por alguns minutos e (seja a hora que for) dê uma passada (por segurança disfarçado) na sala de espera de atendimento no Hospital da cidade.

Impossível não ser tomado por uma tristeza e um peso num quartinho minúsculo do cérebro, onde deve estar recolhido um resquício da consciência.

Viver é Perigoso       

LIBEROU GERAL


Só de saber que foi a deputada Gleisi Hoffmann que apresentou a PEC já é suficiente para se preocupar.


Durante a semana, com Com 56 votos favoráveis e 2 contrários, o Senado aprovou, em 2º turno, proposta (PEC 48/19) que permite o repasse direto a estados e municípios de verbas indicadas por emendas parlamentares no Orçamento da União.

Quer dizer: o dinheiro seja enviado diretamente para o caixa de prefeituras, por exemplo, que terá mais liberdade para gastar o dinheiro.

Hoje, recursos do tipo são transferidos dentro de programas ou convênios do governo federal, por meio da Caixa, que controla a aplicação da verba de acordo com projetos que devem ser previamente aprovados.

Os defensores da PEC argumentam que ela desburocratiza o repasse dos recursos federais, por desvincular o dinheiro de acordos e convênios, que exigem projetos e prestação de contas.

Registram os antigos historiadores, que a verba das emendas parlamentares costuma ser acompanhada de "recomendações" para que os municípios deem uma especial atenção para determinadas empresas quando das licitações para as obras. E obras sem a "marcação em cima" da Caixa Econômica Federal poderá virar uma festa.

Em tempo, o relator da matéria, Antonio Anastasia (PSDB-MG) disse que há acordo para, no ano que vem, aprovar outro projeto de lei para garantir a fiscalização do TCU sobre os recursos.

A observação feita pelo Senador Anastasia é quase uma
confissão que o perigo de "rolos" é previsível.

Viver é Perigoso