sábado, 2 de novembro de 2019

FOTOGRAFIA DO MUNICÍPIO


Divulgado ontem pela Federação das Indústria do Rio de Janeiro - FIRJAN o esperado levantamento IFGF - Índice Firjan de Gestão Fiscal 2019, que mapeia saúde financeira de municípios brasileiros.

O Índice é composto de quatro indicadores:
IFGF Autonomia, IFGF Gastos com Pessoal, IFGF Liquidez e IFGF Investimentos.

O estudo avaliou o desempenho econômico de 5.337 cidades brasileiras. A conclusão é que 73,9% desses municípios estão em situação fiscal difícil ou crítica. São 3.944 cidades nesta condição, incluindo nove capitais: Florianópolis, Maceió, Porto Velho, Belém, Campo Grande, Natal, Cuiabá, Rio de Janeiro e São Luís.

Os principais problemas identificados no Índice Firjan de Gestão Fiscal (IFGF) 2019, que tem como base os dados fiscais oficiais de 2018:

A falta de condições de financiar a estrutura administrativa com recursos da economia local; 
A elevada rigidez do orçamento das prefeituras, sobretudo, com gastos com pessoal; 
As dificuldades para o cumprimento das obrigações financeiras e de gerar bem-estar 
Competitividade por meio de investimentos.

Resumindo, considerando Excelência (superior a 0,8 pontos). 

Itajubá 0,6813 - 765ª posição nacional e 53ª posição estadual.

Para comparar:

Pouso Alegre - 0,8359 pontos -129ª posição nacional e 8ª posição estadual.

Extrema - 0,9631 pontos - 8ª posição nacional e 1ª posição estadual.

Santa Rita do Sapucaí - 0,6528 pontos - 972ª posição nacional e 68ª estadual.

Claro que a moçada da Administração Municipal, das entidades de classe e dos cursos superiores, irão debruçar sobre o estudo constante do site www.firjan.com.br

Vive é Perigoso