domingo, 27 de outubro de 2019

POIS É...


Vez por outra é interessante olhar para trás e ver onde equívocos foram cometidos. É o caso da absurda interrupção do Projeto Tecnópolis, desenvolvido pelas forças vivas municipais no final dos anos 90, quando da primeira administração Chico Marques.

Foi um momento único, quando tudo o vemos agora em termos de desenvolvimento baseado na ciência e tecnologia. Itajubá se preparando para o grande salto e por razões políticas teve interrompida sua corrida.

O resultado aí está. Tentativas de buscar o tempo perdido. Impossível de acontecer. Resta-nos tentar amainar as inexoráveis perdas.

Escrevendo após ouvir (dica de um comentarista anônimo) a entrevista do Professor Dagoberto Almeida, Reitor Professor da nossa Escola no Programa Jovem Pan News, ao jornalista Augusto Nunes.

O tema não poderia ser outro (Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento). 

Duro ouvir o Senhor Reitor afirmar, e com toda a razão, que tecnologia é uma questão de Estado e não uma questão de Governo. Óbvio ululante, diria o Nelson Rodrigues.

Não podemos jamais deixar acontecer a tragédia ocorrida Itajubá, quando o extraordinário Projeto de Desenvolvimento Itajubá -  Tecnópolis, foi tratado como um projeto de governo, no caso, da administração Chico Marques, e não como um projeto de desenvolvimento do município e região.

Foi bruscamente interrompido pelo grupo que se encontra desde então à frente do governo local.

Impossível de se seguir adiante nesses tempos. Ainda bem que professores da nossa Escola e empresários da cidade convenceram os administradores públicos sobre a necessidade dramática de um retorno ao caminho abandonado. 

Resumindo: Todos caíram na real. Aí estão as iniciativas, recentemente, tomadas.

Seguem com dificuldade, por paradoxal que seja, por falta de forte apoio político externo. 

Não sei em que Fórum, mais um dia terão que prestar contas sobre o assassinato do Projeto de Desenvolvimento.  Com certeza, no interior de suas consciências.

É a vida...

Viver é Perigoso  

COMPROVEI !


A Startup, "Comprovei" - Foi fundada em 2015 pelos engenheiros Halley Takano e Ricardo Miura, graduados na Universidade de São Paulo,  os sócios decidiram levar sua ideia de negócio para um programa na Incubadora de Empresas e Base Tecnológica de Itajubá.
 
A incubação de três anos se iniciou em 2013. No processo, os engenheiros passaram de um modelo de negócio focado no motorista (como fazem as startups CargoX e TruckPad) para focado nas empresas que enviam ou recebem as encomendas (chamadas de “embarcadoras”). 

No último ano do programa, em 2015, Takano e Miura fundaram a Comprovei. O negócio recebeu um aporte de 350 mil reais por dois investidores anjos, os hoje sócios Gustavo Padial e Weber Oliveira.

A sede da empresa continua em Itajubá, com 20 funcionários. 

Desde Itajubá (MG), esta startup organiza 3 milhões de entregas por mês, por meio de 70 mil motoristas, em duas mil cidades em todos os estados brasileiros. São 60 embarcadores ativos de médio e grande porte, como a química BASF, a alimentícia Catupiry e a empresa de papel e celulose Suzano. 

A startup de logística recebe uma comissão que varia de acordo com o volume de entregas, mas costuma ir de 0,50 a 0,80 centavos por pedido. Tem um feito raro entre as startup: o equilíbrio entre receitas e despesas, ou break even, foi atingido em 2017. 

No último ano, a Comprovei viabilizou 28 milhões de entregas e faturou 2,7 milhão de reais. Para 2019, o empreendimento projeta um faturamento de 4 milhões de reais e 3,6 milhões de entregas mensais. Em 2020, o plano é faturar 6 milhões de reais e realizar 5 milhões de entregas mensais.

A Comprovei foi reconhecida como a startup de logística mais inovadora no ranking da rede 100 Open Startups sobre as startups brasileiras mais desejadas pelas empresas. No ranking geral, que selecionou as 100 startups de diversas áreas de atuação, ficou classificada na quinta posição.

A sede da empresa continua em Itajubá, com 20 funcionários. 

Dica de comentarista anônimo do Blog - Reportagem completas no endereço  https://exame.abril.com.br/pme/.

Viver é Perigoso

TEORIA QUÂNTICA



Ouvi a palavra "quântica"- vinda de Teoria Quântica, lá pelo início dos anos 70 na nossa Escola de Engenharia. Só ouvi e mesmo sem saber nada, guardei o nome pela sonoridade.

Fosse o professor o saudoso amigo José Milton Pinto - Mirtão, que precocemente tomou o barco, ele na certa diria, caminhando pela sala de aula caminhando por entre as carteiras, com as mãos cruzadas na costa a "la Georges Kallas" :

" Essa questão, face as complexidades de que reveste, foge ao escopo do nosso curso, razão pela qual passaremos apenas a enunciá-la:

Esta semana lemos pasmados pelo anúncio do Google do Projeto do Computador Quântico. Uma máquina que pode realizar em 200 segundos, uma operação que levaria 10.00 mil anos no supercomputador clássico mais potente do mundo.

Ah ! e tem um brasileiro entre os 76 pesquisadores do Google: o físico mineiro, de Belo Horizonte, Fernando Brandão, que também é guitarrista de jazz. Também, os pais são professores universitários, ele de literatura e língua grega e ela de filosofia.

Formado pela UFMG e doutor e pós-doutor pelo Imperial College de Londres, instituição com 15 vencedores do Prêmio Nobel. Hoje é professor da Divisão de Teoria Física, Física e Matemática e Astronomia da Caltech - California Institute of Technology .

Em tempo:

Teoria quântica é a teoria física baseada na utilização do conceito de unidade quântica para descrever as propriedades dinâmicas das partículas subatômicas e as interações entre a matéria e a radiação.

Viver é Perigoso

GRANDE GUZZO !

Viver é Perigoso

PANORAMA VISTO DA PONTE


Pesquisas realizadas para as eleições municipais do próximo ano, apresentando ao consultado uma listagem dos prováveis candidatos têm dado sempre o nome do Dr. Ricardo Mello na dianteira, com confortável vantagem.

Até então nenhuma surpresa. 

No cenário de hoje, possivelmente seria o nome do grupo oposicionista que anda conversando na cidade. Segundo consta, dessas entabulações também tem participado o ex-prefeito Dr. Jorge, que do mesmo modo que o ex-prefeito Chico, manifesta sua vontade de não participar do pleito como candidato.

O Dr. Jorge poderia ser importante personagem no grupo oposicionista. Possivelmente não o será pelas ligações afetivas que o ligam ao já lançado candidato Dr. Bob, exceto se o candidato se compor, de uma forma ou de outra, com o grupo atualmente no poder. 

Para a situação já há séculos no poder na terrinha, o ideal seria que o Dr. Ricardo, o Dr. Bob e possivelmente mais um terceiro participassem do pleito, fazendo jus a máxima seguida por eles, de "dividir para ganhar". 

Em tempo, os importantes nomes da Leandra e do deputado Ulysses Gomes, participarão, pelo visto, como importantíssimos influenciadores.

Voltando ao Dr. Ricardo, naturalmente, pela sua personalidade, seu carisma, seu preparo e sua abnegação em atender os mais necessitados, apresenta-se sempre como um candidato natural.

Carece apenas de poder ter e registrar desde já os nomes, que em caso de vitória, o acompanharão no Administração. Por exemplo, contar com nomes como Chico Marques na Secretaria de Governo, Leandra no Social, Eng. Santi em Obras, Cleber Davi na Indústria e Comércio, um profissional médico para a saúde e claro, uma mulher empresária para o cargo de uma Vice-Prefeita participante (um nome já corre nos bastidores), seria meio caminho andado.

Precisamos de dirigentes com visão social acentuada.

Admito ter o sonho de ver o Dr. Advogado Marcelo Krauss como prefeito de Itajubá. Mas, é inegável que seria um dos melhores presidentes da Câmara Municipal da história da Câmara Municipal.
Votei no Krauss para vereador me sinto excepcionalmente bem representado. Uma pena eu não votar em reeleição.

Muita água ainda por passar debaixo da ponte.   

Oremos.

Viver é Perigoso

PORQUE HOJE É DOMINGO



Viver é Perigoso