sexta-feira, 11 de outubro de 2019

CRIANÇA

Viver é Perigoso

MANCHETE DO JORNAL


Pensando bem, em 72 anos jamais fui convidado para, sequer, assistir a uma reunião de clubes de serviço e participar de alguma irmandade. Tenho respeito por todos, admiro e desfruto de grandes amizades no meio.

Sei que antes de alguém ser convidado, naturalmente o nome deve ser submetido a uma análise interna. Certo e normal.

Falando sério: na certa não devo ter características que pudessem dar origem a qualquer convite. Agora é tarde.

É a vida em sociedade.

Viver é Perigoso       

CANTINHO DA SALA

Paul Klee - 1917.
Viver é Perigoso

POIS É...


Notícias dão conta que tribunais de justiça no País já reconhecem as Varas de Família como competentes para julgar os casos que envolvem os animais. Nas separações de casais, quando existe "pet na família", pode ser discutida a guarda e a visita, bem como direito a pensão.

Aliás, recenseamento recente  (2018) estima que a população de pet brasileira tinha 139,3 milhões de animais, com a projeção de movimentar em 2019, R$ 36,2 milhões. Uma festa para clínicas, pet shops, creches, adestradores, passeadores, babás, nutricionistas, hotéis, padarias, confeitarias, buffet para bichos, spas, resorts e funerárias.

O brasileiro médio gasta de R$ 247 até R$ 425 mensais com cachorros. Com gatos a despesa mensal média é de R$ 295.

Interessante: a população de gatos vem aumentando e julgam que esse crescimento vem sendo creditado ao envelhecimento da população.

Em tempo, nada contra, mas não temos em casa, cachorros e nem gatos.

Fonte: Uol

Viver é Perigoso 

CLARIN DA BOA VISTA - MODA

O termo "Vale do Silício" foi usado a primeira vez em 1971, num artigo publicado na revista Eletronics News. Estive em San Jose em meados dos anos 90. O interesse era puramente comercial por um componentes utilizados em antenas parabólicas.

Confesso que não consegui entender muito o que já acontecia por lá, mas para quem chegou usando paletó e gravata, foi um certo choque.

Primeiro, nos empreendimentos industriais já não existiam escritórios fechados e aquele costume de hierarquia brasileiro. Salão despojado e todas as mesas instaladas no mesmo ambiente. Gostei e de volta ao Brasil, em empresas que trabalhei, o mesmo estilo foi empregado. Hoje, até a diretoria do Bradesco trabalha junta na mesma sala. Melhor, mais transparente e produtivo.

Ainda lá mesmo mudei o jeito de me trajar, o que vem me seguindo pela vida toda e dizem que virou mania. Mas não. Confortável, custos acessíveis e longuíssima duração. Quanto mais usado melhor.

Nos pés, sapato Rockport, simples e jeitoso, fabricado em Massachussetts desde 1971. Custa menos de US$ 100 e dura de três a cinco anos. Usam no trabalho, em festas e em velórios. Também nos pés, longe do trabalho, imprescindível o chinelo alemão Birkenstock, produzido desde 1774. Do mesmo, dura uns 5 anos e por ser importado (lá), sai em qualquer loja por US$ 80.

Camisas simples de algodão puro. Cores sóbrias (p&b), por US$ 20.

Foi o jeito que trouxe de vestir que trouxe de lá e serve em qualquer ocasião é local. Um relaxado chique.

Ah! consegui também fazer o negócio com  a peça eletrônica procurada.

Viver é Perigoso    

CANANIZAÇÃO

Viver é Perigoso