terça-feira, 13 de agosto de 2019

OBEDIENTE ESFORÇO SUPREMO


Impressionante o procedimento dos vereadores Sampaio, Bão, Renato, Bananeiro e  até do Fabrício Machado, responsáveis pela Comissão de Obras da Câmara Municipal de Itajubá.

Com a maior desfaçatez do mundo apresentaram a Emenda nº 27 para o Projeto de Lei 4358 que aprova o Plano Diretor.

Sutis como elefantes dançando valsa em uma loja de louças,  insistem na proposta de autorizar o famigerado aterro de módicos  52.000 m2 na Várzea do Ribeirão Piranguçu, na tentativa desafinada de insinuar uma preocupação ambiental comparando com o aterro proposto inicialmente pelo Prefeito, de 160.000m2.

Lojinha de indianos, com todo o respeito, pedem 160 e acabam fechando por 52.

Chegam a justificar na proposta um pedido de aterro que teria sido feito pela empresa Mahle há 15 anos para a construção de uma "despropositada" área de lazer para os seus funcionários. Absurdo !

Ah ! concluem que a agressão ambiental em questão, "atende uma demanda prioritária município que é disponibilizar áreas de grande potencial econômico (sic) para a implantação de novas empresas e geração de empregos, garantindo desenvolvimento responsável re real para nossa cidade"  

Considerando as áreas existentes no município, a nulidade total e absurda desse governo nos últimos sete anos na geração de empregos, o histórico empresarial do terreno e a pirraça inexplicável para com a Mahle, maior arrecadadora e empregadora do município, tão somente Franz Kafka e Salvador Dali  para definir o absurdo e surreal.

E o triste: vai ser aprovada pela maioria obediente.

E aguardem: nenhuma surpresa se a área a ser agredida, ou melhor aterrada, por falta de recursos públicos municipais para desapropriação, ser trocada por outra mais interessante num futuro próximo. O que não falta na terrinha e gente de bom coração.

Como diziam na Boa Vista, é claro, esse troço aí é do dia 7 de agosto/2019

Viver é Perigoso 

ESPECIARIAS


Sempre fui um curioso com relação as grandes viagens e descobertas de rotas marítimas. Confesso que não entendia na época (não das viagens, mas do aprendizado) a principal justificativa apresentada pelos livros. Busca de especiarias.

Sair pelo desconhecido, mares bravios e nuncas dantes navegados, guiados pelos astros atrás de cravo, canela, pimenta do reino, cominho, noz moscada, baunilha e etc. sempre foi muito para o meu entendimento.

Talvez, já em priscas eras, não era politicamente correto divulgar que espanhóis e portugueses se aventuravam pelos mares em busca de conquista de terra, ouro, prata, pedras preciosas e...a captura de escravos.

Tudo bem. Não consigo imaginar doce-de-abóbora sem cravo e tão pouco arroz doce sem canela. 

Viver é Perigoso




YO NO CREO...

Viver é Perigoso

NENHUMA DÚVIDA SOBRE O TEMA


Ouvido hoje em uma Padaria em São Paulo:

A admiração dos brasileiros de bem, com a coragem e determinação do Procurador Deltan Dallagnol na caça de "autoridades" corruptas, vem também da reconhecida ojeriza e descrédito pelos seus acusadores.

Com destaque para os elementos:

Renan Calheiros, Gilmar Mendes, lulistas em geral, Lewandovski, Marco Aurélio Mello, Tóffoli e etc.
Nenhum brasileiro equilibrado tem dúvida. Trata-se de um enfrentamento do bem contra  "rabos presos" do mal "

Viver é Perigoso