quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

CANTINHO DA SALA

Pablo Picasso -  Família de malabaristas, 1905.
Viver é Perigoso

TAPETE VERMELHO

Viver é Perigoso

PAPAGAIADA DO PT


Tomou o barco o Seu Vavá. Separações são sempre tristes, ou quase sempre. Mas é a vida. Trata-se de um direito do cidadão condenado e cumprindo pena ser liberado para participar de um encontro com os familiares e dar adeus.

No caso do preso Luís Inácio as coisas se complicaram. Primeiramente o seu partido político (pt) ter saído adiante para tentar tomar todas as providências. Como sempre, pleitos de advogados estrelados, rapapés e ameaças. Ofereceram avião e ensaiaram a montar palanque, convocar filiados e fazer do velório um comício.

A responsabilidade da Polícia Federal é enorme. Logística, segurança, transtornos e riscos diversos.

O pedido foi negado e como sempre recorreram ao bom e velho STF, que é apaixonado mas não é louco nem nada, através do Toffóli, deu uma segurada e só  liberou fora de prazo e mais, de forma inédita, recomendou que o caixão fosse levado até um local seguro (quartel) para o Vavá visitar o irmão preso. 

Sinceramente, a cúpula do pt não está nem aí para o sentimento do Sr. Luís Inácio. Estão é desesperados buscando alguma taboa, ou mesmo pau de fósforo, que passe na enxurrada para se agarrar.

Perguntar de sopetão para um dos chefes ou lideranças, tipo Gleisi, Haddad ou Pimenta, nem saberão o nome certo do falecido. Capaz de afirmarem: Vavá Lula da Silva.

É a vida

Viver é Perigoso   

50 ANOS - HOJE



Aconteceu no dia 30 de janeiro de 1969. Prestes a iniciar o meu curso de engenharia na nossa Escola. Em Londres, num frio de rachar, os Beatles se despediam como um grupo. No topo do prédio onde situavam os escritório da Apple Records, durante 42 minutos, apresentaram Get Back, Dont Let me Dow, I´re got a feeling e One after gog, da qual o Lennon não sabia a letra. Uma pessoa ficou com uma folha aberta na sua frente.

Mais curiosidades:

Chegaram a cogitar realizar o último show em cima de uma pirâmide.
George Harrison estreava uma guitarra personalidade dada pela Fender.
Os agasalhos usados por Lennon e Ringo eram de suas mulheres, Yoko e Maureen.
Os microfones estavam cobertos por meias de mulher.
O tecladista Billy Preston foi o verdadeiro quinto Beatles.
Lindsay-Hogg, encarregado de gravações/filmagens, era filho do Orson Welles.
A polícia interferiu na apresentação e limitou o tempo em 42 minutos.
Na ocasião, Lennon, indiretamente despediu-se dos companheiros.

É a vida. Meninos, eu me lembro.

Viver é Perigoso

PROCURADOS

Provocação do Pasquim
Na época do governo forte (vamos chamar assim), depois de 64 e mais próximo de 1968, as autoridades mandavam colar pelas paredes de prédios  públicos de todo o País, cartazes de "procura-se", com fotos, nomes e apelidos dos chamados "subversivos". Alguns eram perigosos e outros nem tanto.

Em Itajubá, era comum nas paredes da Estação Ferroviária, Rodoviária e Correios. Moços e moças iludidos com a possível troca de um regime de direita por um de esquerda. Deu no que deu.

De forma sutil, em âmbito municipal, ainda sem a necessidade de cartaz nas paredes, mas está voltando. Quer arriscar ?

Questione alguma medida tomada ou não tomada pela Administração Municipal. Faça algum comentário público (pode ser na Câmara Municipal), no jornal "O Sul de Minas", ou mesmo em reuniões reservadas. Tenha a suprema coragem de observar a ordem e prioridade dos investimentos públicos. (no blog anônimo ainda pode)

Adeus viola.

Se tiver algum comércio, um negócio qualquer ou exerça uma profissão autônoma, prepare-se. 

Virá uma Brumadinho em cima de você. Fiscalização de higiene, alvarás do passado, assedio, relacionamentos pessoais, questionamentos fiscais,  etc. Muitos acham até que não vale a pena exercer mínimos direitos de cidadão e desistem. A maioria.

Uns poucos, levados por um força extrema (às vezes raiva mesmo) seguem adiante. Todos conhecem algum desses "procurados municipais". Sentem por eles até um pouco de solidariedade. Cumprimentam-os de longe, normalmente com um tímido aceno. Conversar e trocar ideias em vias públicas nem pensar. Eu mesmo, conheço oito.

Os admiramos pela coragem e quase irresponsabilidade demonstradas.

De uma coisa é certa. No caso de uma mudança brusca, confirmaremos ser amigos deles desde criancinhas.

É a vida...

Viver é Perigoso
  

QUESTÃO DE DIREITO


Escreveu, no Estadão, o competente jornalista Fernão Lara Mesquita:

"Cansado de ouvir baboseira em torno do desarmamento nos jornais e nas televisões, peço licença ao leitor para enfiar aqui este lembrete:

Bolsonaro e seus opositores não têm tocado no essencial da questão do desarmamento.

A discussão NÃO É em torno de saber se armar a população "resolve" ou não (é claro que não resolve, nem para melhor, nem para pior) o problema da segurança pública.

É o princípio que é inegociável pois se o Estado pode proibir o cidadão de defender a sua vida sob pena de prisão, como faz hoje no Brasil, nenhum dos seus outros direitos vale nada."

Blog: É o que estávamos tentando dizer.

Viver é Perigoso

O COORDENADOR POLÍTICO

Foto Aldo
Não é por criticar que o "viver é perigoso" irá morrer pagão. Hoje mesmo pela manhã, já foi identificado o Coordenador Político renomeado pela Prefeitura Municipal de Itajubá. Renomeado, pois já ocupava o cargo desde priscas eras. Deve ter dado aquela saidinha estratégica tão comum nos cargos públicos comissionados. É afastado, recebe uns piguás e voltou para a luta.

O Sr. Carlos Antonio Ribeiro, na realidade foi renomeado Coordenador Político da Administração que foi eleita em 2012 na cidade e conseguiu se reeleger. Já exercia o cargo e deve ter dado aquela saidinha estratégica tão comum nos cargos públicos comissionados. É afastado, recebe uns piguás e volta para a luta.

O coordenador não é da terrinha. É de Delfim Moreira, onde foi candidato a prefeito nas últimas eleições (não sabemos se pediu licença do cargo para a missão). Segundo comentário é ligado ao Deputado Bilaquinho, daí sua importante presença na equipe do atual prefeito de Itajubá. 

Um antigo morador da Boa Vista, é claro, dá a sua explicação para justificar a contratação por Itajubá do Delfinense Carlos Antonio:

Todos sabem que o Padre Lourenço da Costa, deixou Itajubá Velho (hoje Delfim Moreira), acompanhado de parte dos moradores, para fixar residência aqui na Boa Vista (sim, já era a Boa Vista). 

Um dia, o Padre resolveu ir buscar os livros e santos (imagens) pertencentes à paroquia que haviam ficado lá no arraial velho, hoje, o aprazível município de Delfim Moreira.

O acontecimento exigia solenidades e pompas. Para tanto, o Padre Lourenço lançou um convite ao povo da Boa Vista, convocando-o do púlpito para a histórica peregrinação à Capela Velha (Delfim Moreira).

Na madrugada de um domingo de agosto de 1832, depois da missa, a romaria seguiu para Delfim Moreira. Uma pequena tropa levava víveres. Mulheres e crianças seguiam a cavalo. Homens brancos e escravos acompanhavam a pé.

Como em todos os movimentos acontecidos no país, havia um espião e traidor. Esse elemento, seguiu na frente e avisou o pessoal de Delfim Moreira do perigo. Os delfinenses, armando-se de foices, clavinas, garruchas, varapaus, facas e chicotes, se posicionam camuflados na entrada da cidade.

Quando a comitiva do Padre Lourenço aproximou-se do pontilhão de madeira, na entrada da então Vila Velha, os defensores atacaram.

O pau quebrou feio.

Enquanto poucos heróis lutavam pela causa do Padre Lourenço, a grande maioria fugiu em debandada, em desabalada carreira. Pânico geral.

O local da peleja passou a ser chamado pelo nome de "Encontro". Segundo relatava o Sr. José Gomes Arruda, participante do episódio, "deve ter gente de Itajubá correndo até hoje".

Feridos e desmantelados, os heróis que lutaram, só pela madrugada dia seguinte (uma segunda-feira) é que foram chegando de volta.

Segundo dizem estudiosos entendidos no assunto, esse "waterloo itajubense" é uma das razões do baixo astral que insiste em permanecer nas redondezas.

Resumindo, deve estar aí, claro, a importância de ter um coordenador político de Delfim Moreira, contratado por Itajubá. Aparar as possíveis arestas ainda existentes.

Viver é Perigoso