segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

SER POLÍTICO


Ser político é engolir sapos e não ter indigestão. 

É aprender a sofrer humilhações todos os dias, em pequenas doses, até ficar completamente imune à ofensa global.
 
É esvaziar a tragédia atual com uma demagogia repetida de tragédia antiga.

É ver o que não existe e olhar, sem ver, a miséria existente.
 
É não ter religião e por isso mesmo cortejar a todas. 

É no meio da mais degradante desonra, encontrar uma saída honrosa. 

É nunca pisar nos amigos sem pedir desculpas.
 
É correr logo para a bilheteria quando a alguém grita que o circo pega fogo. 

É flexionar a espinha, a vocação e a alma em longas prostrações ante o poder como preparação do dia de exercê-lo. 

É recompor com estoicismo indignidades passadas projetando para história uma biografia no mínimo improvável. 

É tentar nobremente a redistribuição os bens sociais, começando, é natural, por acumulá-los, pois não se pode distribuir o pão disperso.

E assim, por conhecer profundamente a causa pública e a natureza humana, estar sempre pronto a usufruir diariamente o gozo de pequenas provações e a sofrer na própria pele insuportáveis vantagens.

Millôr

Viver é Perigoso