quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

UM CASO DE AMOR


Vendo esta foto me lembrei que quando criança, aos sábados, era sagrado passá-los na casa de meus avós. 

Eu morava na AVENIDA e eles na Boa Vista, Rua Miguel Braga coladinho no "Restaurante Pinguim". 

Minhas tias solteiras, Tia Wanda e Tia Lourdinha. 

Dia de pagamento dos apanhadores de café que vinham trocar suas fichas por dinheiro, para a compra da semana. Dia de fazer o Mercado com minhas tias, voltávamos de charrete. De ir no Mané da barraquinha comprar algum aviamento para a minha vó. Buscar carne no açougue do Tio Gilberto. Compras no Seu Bertino e no Armazém do seu Hélio embaixo do Hotel Sion, no Armazém do Seu Guilherme Cardoso, pão na Padaria Boa Vista, verduras do pai do Carlinhos, no Bequinho. 
Algum remédio na Farmácia do Gérson. Licor de Cacau na ruazinha da casa do Dr. Adílio, em um depósito de bebida ( sei de quem é, mas esqueci o nome) e nesta mesma ruazinha, a Tinturaria juntamente com o Salão de beleza da Júlia japonesa. 
Já dizia o ditado que " Ajuda de criança é pouco mas quem desperdiça é louco"
Mas tudo isto para dizer que quando saia de casa para ir para a casa da minha avó, eu ia "bamboleando".
Voltei no tempo.......

Valdelice Lemos (2013)

Blog: Para quem é dá Boa Vista o texto é irresistível.

Viver é Perigoso

Um comentário:

Anônimo disse...

Acrescentaria um cafezinho no Café Hélio e complementos no Bazar Fukuiaima.A noite reprises de filmes no Para Todos. saudades