domingo, 22 de dezembro de 2019

CANTINHO DA SALA

Xeo Chu 
Xeo Chu - Menino vietnamita com 12 anos. Exposição em NY e obra vendida por US 150 mil.

"Pode-se dizer que qualquer criança poderia fazer um desenho como Twombly apenas no sentido de que qualquer tolo com um martelo poderia fragmentar esculturas como Rodin , ou qualquer pintor de casa poderia respingar tinta, assim como Pollock . Em nenhum desses casos seria verdade. Em cada caso, a arte não reside tanto na delicadeza da marca individual, mas na orquestração de um conjunto de "regras" pessoais anteriormente não codificadas sobre onde agir e onde não, quão longe ir e quando parar, em tais circunstâncias. de uma maneira como o namoro cumulativo do caos aparente define um tipo de ordem híbrido original, que por sua vez ilumina um sentido complexo da experiência humana que não é expressa ou deixada marginal na arte anterior."

Blog: Raramente o "Cantinho da Sala", no Viver é Perigoso, posta uma obra sem ser enquadrada no surrealismo ou no cubismo.
Sempre presentes Miró, Kandinsky, Malevich, Mondrian, Willian de Kooning, Volpi, Antonio Bandeira, Pollock, Twombly, Gris, Oiticica, Dali, Magrite, Frida Kahlo, Picasso, Basquiat, entre outros admirados.

A vida me deu oportunidade de conhecer muitos museus na Europa e Estados Unidos. Lembro-me sempre onde estão expostas as obras que gostaria de ver pessoalmente.

Confesso que lágrimas me vieram aos olhos, quando de frente para o quadro "A persistência da Memória" - Salvador Dali, no Metropolitan, em Nova Yorque. A segunda vez, quando de frente para o Guernica - Picasso, no Reina Sofia em Madri. E em outra oportunidade,  no mesmo Reina Sofia, admirando o "Mulher na Janela" do Salvador Dali (1925).

A emoção aflorou em 2006, na Pinacoteca de São Paulo, ao ficar um tempão admirando um móbile do seu criador Alexander Calder.

Viver é Perigoso

2 comentários:

Anônimo disse...


A PERSISTÊNCIA da memória!

Edson Riera disse...

Memória

Falha. Grato.

Abraço,

Zelador