quarta-feira, 9 de outubro de 2019

ULYSSES NA OPOSIÇÃO


Depois de longos anos na situação, o deputado petista itajubense, Ulysses Gomes, ocupando a posição de líder da minoria na Assembleia Mineira, acompanhado de companheiros, protocolou  ontem, três representações contra o governador Zema.

1 - Possíveis irregularidades na cessão do Palácio das Mangabeiras para a realização da CasaCor 

2 -  Nomeação de Rodrigo Paiva para a presidência da Prodemge 

3 - Contratação, sem licitação, da empresa Rothschild & Co. Brasil para prestar assessoria financeira ao governo, a um custo de R$ 11,4 milhões, durante 24 meses.

Líder da minoria na ALMG, Ulysses Gomes (PT) criticou os lucros obtidos com a realização da CasaCor no Palácio. “Após dois dias de cessão do palácio para a Codemge, esta transfere por 42 meses a concessão do palácio, sem pagamento de aluguel, para a empresa CasaCor administrar e fazer celebrações. No primeiro evento que fez, a previsão era de 70 mil pessoas, com tíquetes vendidos a R$ 60. Só de entrada foram mais de R$ 4 milhões, fora as vendas internas. Ou seja, assusta a todos o privilégio que essa empresa tem”, afirmou.

No caso da presidência da Prodemge, o deputado diz que Rodrigo Paiva não deveria ter assumido o cargo, por ter sido candidato ao Senado em 2018. 

Já com relação ao acordo entre o governo e a Rothschild, firmado por meio da Codemge, o petista disse que o contrato social da estatal não prevê a possibilidade de se assinar um termo dessa natureza. “Quem está interessado em vender seu patrimônio e deve, talvez, contratar um estudo é o Estado, e não uma estatal vinculada”, afirmou.

Em tempo, o governo já deu respostas aos questionamentos.

Concluindo: Vida de opositor não é "bolinho". Mas o nosso conterrâneo cumpre o seu papel. Anda faltando se manifestar, mais incisivamente, sobre a política da cidade e as perspectivas do seu partido para as eleições municipais do ano que vem.

Viver é Perigoso

3 comentários:

Anônimo disse...

Correto Zelador, ele faz o seu papel de fiscalizador. Também correto dizer que é omisso quanto à política local, exceto quando apoiou Dr. Ricardo em 2016. Nunca soltou uma palavra respeito do aterro no Distrito Industrial e nem sobre a atrocidade cometida contra a Santa Casa.
O PT em Itajubá tem bons nomes, pessoas sérias, como Laudelino (que desistiu da política) e Célia Rennó, tirada da Câmara por um golpe da turma do prefeito. Que falta ela faz lá. Mas o partido na cidade se resume a isso só. Sem coligações para a eleição do ano que vem dificilmente conseguirão fazer um vereador.

Anônimo disse...

Correto Zelador, ele faz o seu papel de fiscalizador. Também correto dizer que é omisso quanto à política local, exceto quando apoiou Dr. Ricardo em 2016. Nunca soltou uma palavra respeito do aterro no Distrito Industrial e nem sobre a atrocidade cometida contra a Santa Casa.
O PT em Itajubá tem bons nomes, pessoas sérias, como Laudelino (que desistiu da política) e Célia Rennó, tirada da Câmara por um golpe da turma do prefeito. Que falta ela faz lá. Mas o partido na cidade se resume a isso só. Sem coligações para a eleição do ano que vem dificilmente conseguirão fazer um vereador.

Edson Riera disse...

Correto Zelador,

Correto comentarista. Realmente um silêncio ensurdecedor.

Zelador