domingo, 29 de setembro de 2019

CONTRA ATAQUE


Agradecendo aos amigos o carinho das mensagens recebidas pelos meus 72 anos, ouso tentar atingi-los com uma escrita meio sem pé e sem cabeça.

"Contento-me com pouco, mas desejo muito."

Miguel de Cervantes

Meu pai, como todos os meus tios, exceto, creio eu, o querido Tio Geraldo, que teve a possibilidade de estudar um pouco mais e foi ser bancário no Banco Hipotecário e Agrícola de Minas Gerais, fundado em 1911 e com agência na Rua Nova.

Convocado para a 2ª Guerra Mundial e servindo na Guarda Costeira no nordeste do País, voltou para casa e para casar, em 1945, com o bonita telefonista Izaldina, que todos tratavam por Dina.

Na época, a segunda-feira era sagrada pelos padeiros. Dia de folga geral e pão, só de ontem.

Foi numa segunda-feira, 29 de setembro de 1947, que eu cheguei na chamada Vila Riera, hoje Rua Jayme Martins Riera, na Boa Vista, é claro. Tempo em que as crianças chegavam diretamente nas casas com o providencial auxílio de uma parteira do bairro.

O João Riera Lima, com quem passamos este 29 de setembro e que comemora seus 11 anos, nasceu em Mogi Guaçu, também numa segunda-feira.

A data de 29 de setembro é celebrada pelos cristãos, judeus e muçulmanos como uma homenagem ao arcanjo São Miguel, o "anjo do arrependimento e da justiça".

Para encher linguiça e completar o texto, mais uma vez confesso a minha admiração pelo personagem da literatura Dom Alonso Quijano, mais conhecido como Dom Quixote de La Mancha.  Meu personagem favorito.
Obra extraordinária do espanhol Miguel de Cervantes Saavedra, também nascido numa segunda-feira, dia 29 de setembro de 1547.

O livro "Dom Quixote de La Mancha" teve sua primeira edição publicada em 1605, sendo o segundo livro mais traduzido no mundo. O primeiro é a Bíblia.

No capítulo VIII do livro há um episódio emblemático em que Dom Quixote, ao chegar a uma planície, confunde cerca de trinta moinhos de vento com gigantes, decidindo enfrentá-los sozinho. Sancho, seu escudeiro, ainda tenta alertá-lo da ilusão, mas Quixote insiste e parte para o ataque a um dos moinhos, sendo derrubado juntamente com seu cavalo Rocinante por uma das pás. Em seguida, Sancho vai ao socorro do seu mestre e o questiona sobre como como pôde cometer tamanho engano. Esse episódio é a origem da expressão "lutar contra moinhos de vento", no sentido de atacar inimigos imaginários ou de realizar esforços em vão.

É o que tenho feito.

Curiosidades:

É bem notória a coincidência das datas de morte de dois dos grandes escritores da humanidade, Cervantes e William Shakespeare, ambos com data de falecimento em 23 de abril de 1616.  Sabe-se que Albert Einstein lia Dom Quixote. Era o romance que levava em suas viagens e sempre o tinha em sua mesa de cabeceira.

Viver é Perigoso

2 comentários:

ANSELMO disse...

Parabéns, Zelador!!!
Saude e Felicidade!
Abs

Anônimo disse...

Parabéns zelador! Como sempre texto gostoso de ler. observador da cena