terça-feira, 13 de agosto de 2019

ESPECIARIAS


Sempre fui um curioso com relação as grandes viagens e descobertas de rotas marítimas. Confesso que não entendia na época (não das viagens, mas do aprendizado) a principal justificativa apresentada pelos livros. Busca de especiarias.

Sair pelo desconhecido, mares bravios e nuncas dantes navegados, guiados pelos astros atrás de cravo, canela, pimenta do reino, cominho, noz moscada, baunilha e etc. sempre foi muito para o meu entendimento.

Talvez, já em priscas eras, não era politicamente correto divulgar que espanhóis e portugueses se aventuravam pelos mares em busca de conquista de terra, ouro, prata, pedras preciosas e...a captura de escravos.

Tudo bem. Não consigo imaginar doce-de-abóbora sem cravo e tão pouco arroz doce sem canela. 

Viver é Perigoso




2 comentários:

Anônimo disse...

Questão de perspectiva...
Hoje você quer canela, pimenta, etc. Vai no supermercado e compra!

Na época, valia mais que ouro e prata, no velho (hoje) continente.
colega de 87

Anônimo disse...

Já há historiadores que defendem que as as grandes viagens que proporcionaram as descobertas foram fruto, como você disse, da necessidade econômica. Como também na definição das cruzadas, que teriam como objetivo libertar a Terra Santa, na verdade era para romper o caminho por terra para o extremo oriente e Ásia bloqueado pelo árabes.