quinta-feira, 22 de agosto de 2019

CÉU DE BRIGADEIRO


Deu no Estadão:

Depois de três anos mergulhada em crise, a aviação executiva brasileira começa a respirar - ainda que com dificuldade.

A fabricante Helibras, por exemplo, vendia de 25 a 30 helicópteros por ano antes de 2015. Em 2016, auge da recessão, foram apenas 2. Segundo o presidente da subsidiária da Airbus, Jean-Luc Alfonsi, no primeiro semestre deste ano, a empresa vendeu quase o total de 2018, quando fechou contrato para 10 helicópteros. Começamos a ver sinais de recuperação.
 Nos últimos anos, no segmento civil, clientes desapareceram com o aumento dos juros de financiamentos do BNDES. A taxa de juro do banco de desenvolvimento já foi de 3,5%, hoje está entre 10% e 12%.
Com o recuo das vendas a Helibras adequar o seu tamanho. O número de funcionários, que chegou a 850, hoje é de 500.

Blog: Notícia boa de ler sobre a retomada do mercado. Mas agora, juros subsidiados de 3,5% do BNDES, creio que nunca mais. Temos lido nos últimos dias em jornais e sites severas críticas ao financiamento com essa taxa de juros de 134 jatinhos. Claro que os helicópteros também foram comercializados com financiamentos do BNDES na mesma base.  

Viver é Perigoso

Um comentário:

Anônimo disse...


Ao Perlustrador da Mantiqueira. Post Agora Vai.
Sobre a postagem da possível incineração do lixo, essa foi uma das justificativas para concentrar aqui o lixo de 15 cidades: queima p/ geração de energia.Aceitamos o lixo e ficou por isso mesmo. Como sempre, promessas, promessas, promessas......