sexta-feira, 5 de julho de 2019

FERNÃO DIAS


Diminui muito, mas passei uma boa parte da vida nas estradas. Sinto-me bem dirigindo, exceto, desde sempre, na Rodovia Fernão Dias. Isso, desde as priscas eras da pista única.

Raríssimas as idas de ônibus para São Paulo. Até que seria razoável, mas as paradas obrigatórias em Santa Rita do Sapucaí e Pouso Alegre quebram a viagem. E pior, devem ser fundamentais para a empresa, no caso, a Santa Cruz, uma vez, que sei lá porque, o ônibus sai quase vazio de Itajubá e lota em Pouso Alegre. 

Ontem aconteceu uma dessas ocasiões. Tomei o ônibus das 06:00 horas para São Paulo (fui buscar um carro). Mesmo sendo politicamente incorreto, comecei achando muito festiva a placa do veículo.

Pois bem. Um acidente comum acontecido com uma carreta na serrinha de Camanducaia interrompeu o trânsito por 2:30 horas. Sabe lá o que é ficar esse tempão todo sentado, sem nada para ler, celular sem bateria e escutando conversas de todos os naipes dos passageiros em seus celulares ?

Não foi culpa do ônibus. Caso estivesse de carro o tempo de espera seria o mesmo. A questão vem a ser a Rodovia Fernão Dias. Rodovia improvisada e atendimento precário.

São Paulo ? Vá por Brasópolis, Santo Antonio do Pinhal e Carvalho Pinto. Oferecem mais alternativas.

Viver é Perigoso  

2 comentários:

Anônimo disse...

Nunca faça uma viagem longa sem um powerbank ...

Luciano

Anônimo disse...

E têm uns horários que entra em Bragança também.