segunda-feira, 1 de julho de 2019

CAINDO NA REAL


Entrevista do excelente ator Pedro Cardoso, que marcou época na televisão brasileira como o Agostinho - Grande Família.

Estranhou quando se mudou para Portugal, há quatro anos e percebeu que o novo país não oferecia algumas facilidades encontradas por aqui. 

No Brasil, não é estranho que os serviços domésticos do lar sejam feitos por pessoas contratadas. Segundo ele, “O Brasil é um país tão pobre que sempre tem alguém mais pobre que é pago para limpar a casa.”

Ao chegar em Portugal, o ator concluiu que ter empregados domésticos não fazia muito sentido por lá. “É moralmente deselegante". 

A solução foi pendurar o pano de prato no ombro e botar a mão na louça suja, arrumar a cama, lavar a roupa. Todos os dias, gasto três horas para cuidar da casa. Tudo isso me faz respeitar ainda mais as mulheres.” 

A agenda doméstica também molda a relação com Graziella, sua mulher. “Quando queremos ir ao cinema, eu vou em uma sessão e ela vai em outra, para que alguém fique com as crianças.

(Estadão)

Blog: Situação absolutamente normal

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: