quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

O ÚLTIMO QUE SAIR APAGA A LUZ


Dirão que a culpa é do nosso pessimismo que vem sendo demonstrado desde 2013. Um desastre como esse não acontece de uma hora para a outra. Vem acontecendo.

A atual Administração, não adotou como prioridade a geração de empregos. Os números não mentem e são coletados e publicados para análise e correção de rumo.

Continuarão a bater nas teclas de fontes luminosas, pedalinhos, foguetório, shows caipiras, cinema com estacionamento com carregador de baterias para carros elétricos, etc.

Investimentos importantes, sem dúvida, mas com ordem de prioridade questionável.

Agora já era. Vamos correr e buscar meios para facilitar o deslocamento dos nosso moradores até o Parque Industrial de Pouso Alegre e juntar esforços para não perder mais nenhum posto de trabalho.

Leiam, pensem e chorem:     

De acordo com o dados do Caged, divulgados ontem, pelo Ministério da Economia, o mercado de trabalho brasileiro criou 529.554 empregos com carteira assinada em 2018.
O primeiro resultado positivo anual depois de três anos de retração no emprego também é o melhor desempenho desde 2013, quando foram gerados 1,138 milhão empregos na série com ajustes.

Porém, a geração de empregos nas 10 maiores cidades do Sul de Minas caiu 69,6% em 2018 em relação a 2017. Ao todo, os maiores municípios da região registraram saldo positivo de 1.140 novas vagas de emprego no ano passado contra 3.760 em 2017.

Em 2018, o destaque da geração de empregos ficou com Pouso Alegre, que gerou 1.572 novas vagas contra 829 em 2017. 

Além de Pouso Alegre, registraram geração positiva em 2018 os municípios de Três Pontas (+415), Lavras (+209), São Sebastião do Paraíso (+65) e Varginha (+49). 

Já as cidades de Alfenas (-12), Passos (-16), Poços de Caldas (-117), Três Corações (-309) e Itajubá (-716), registraram fechamento de vagas no ano passado.

Viver é Perigoso

2 comentários:

Anônimo disse...

Trabalhar pra quê ?
Eu quero é deitar na rede , ir no pedalinho, frequentar o classe A .
Trabalhar pra quê ?
Já tenho bufunfa, já tenho Unimed , vou é caminhar no BPS e nadar no Itajubense.
Trabalhar pra quê ?
Meu carrão tá na garagem, meus filhos são doutor e não to nem aí prá esse seu choro chato com dó de quem não tem nem nunca terá.


Anônimo disse...

Mais uma constatação. Números são mortais para quem só fica no blá, blá,blá. E aí a mídia oficial e os aspones vão dizer o que? Cadê o melhor dos últimos 50 anos?