segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

CABIDE NACIONAL


Qualquer político que pregue a correção e a não utilização de esquemas de contratação de funcionários de gabinete, o dito só poderá acontecer daqui para frente. Anteriormente, todos, repetindo, todos, praticavam o errado.

Todos os deputados federais têm agregados em seus gabinetes, assessores que lá aparecem, ou não, anualmente. Muitos "dão apoio" nas chamadas bases dos políticos (cidades onde conseguem boa votação).

Alguns até, vez por outra, dão expediente em escritórios políticos regionais. Atendem algum eleitor e anotam reivindicações.

Quase sempre exercem outras atividades e sempre são simpáticos.  Seus salários não saem dos bolsos dos deputados e sim dos cofres públicos.

Nos próximos dias a mídia dará destaque à Nathália Queiroz, filha do já famoso vendedor de carros e assessor parlamentar, Fabrício Queiroz, que atuava em horário comercial como personal trainer no Rio de Janeiro.

Dona Nathália, durante quase dois anos, cumpria 40 horas semanais como assessora parlamentar do ex-deputado federal Jair Bolsonaro, sim, ele mesmo, lotada no gabinete do então parlamentar em Brasília.  

O gabinete de Jair Bolsonaro na Câmara dos Deputados atestou, durante quase dois anos, que a ex-assessora parlamentar Nathália Queiroz, filha de Fabrício Queiroz, cumpria 40 horas semanais durante o período em que trabalhou para o então deputado federal.

De acordo com os registros da Câmara obtidos pela Rede CBN, Nathália Queiroz não teve nenhuma falta sem justificativa e não tirou nenhuma licença durante os quase dois anos em que trabalhou no gabinete de Bolsonaro. As presenças foram atestadas mensalmente pelo gabinete do então deputado.

Melhor será, que  todos os senhores deputados federais (e também senadores e deputados estaduais) reconheçam o procedimento e doravante banquem de seu próprio bolso os chamados "assessores políticos".

Como sempre se tratou de um costume nacional, mais conveniente será que nenhum político seja obrigado a ressarcir as despesas ocorridas até hoje. Uma anistia geral causará menos danos.

Viver é Perigoso  

Nenhum comentário: