segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

LEI DO SILÊNCIO ? ERRAMOS !

 

Tomamos conhecimento que o Vereador independente, Marcelo Krauss, convidado, foi entrevistado na Rádio Itajubá AM pelos excelentes Elaine Romão e Roberto Calado.
Reconhecimento ao Vereador, também independente, diretor da emissora, Dr. Zambrana.

Abrir espaço para independentes, praticamente em todos os espaços da terrinha, é quase suicídio.

Viver é Perigoso

PHOTOGRAPHIA NA PAREDE

Fidel Castro
Viver é Perigoso

ATOS INSTITUCIONAIS E COMPLEMENTARES


A moçada muito fala nos Atos Institucionais, num total de 17, baixados pelo poder executivo no período de 1964 a 1969, regulamentados por 104 atos complementares. As normas, editadas pelo Presidente da República, com respaldo dos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, estavam acima da Constituição. O objetivo, segundo os governos da época, era combater a corrupção e a subversão. 

O mais terrível de todos foi o Ato Institucional - 5, publicado no dia 14 de dezembro de 1998. Será muito comentado na imprensa quando dos seus 50 anos. 

Resumindo:

AI-1 - Foi editado em 9 de abril de 1964.- Dava ao governo militar o poder de alterar a constituição, cassar leis legislativas, suspender direitos políticos por dez anos e demitir, colocar em disponibilidade ou aposentar compulsoriamente qualquer pessoa que tivesse atentado contra a segurança do país, o regime democrático e a probidade da administração pública. Determinava eleições indiretas para a presidência da República. 

AI-2 - Instituiu a eleição indireta para presidente da República, dissolveu todos os partidos políticos existentes desde 1945, aumentou o número de ministros do Supremo Tribunal Federal de 11 para 16, reabriu o processo de punição aos adversários do regime e estabeleceu que o presidente poderia decretar estado de sítio por 180 dias sem consultar o Congresso. Também poderia o presidente intervir nos estados, decretar o recesso no Congresso, demitir funcionários por incompatibilidade com o regime e baixar decretos-lei e atos complementares sobre assuntos de segurança nacional.

AI-3 - Editado em 5 de fevereiro de 1966, que estabelecia que os governadores e vices seriam eleitos indiretamente por um colégio eleitoral, formado pelos deputados estaduais. Também estabeleceu que os prefeitos das capitais seriam indicados pelos governadores, com aprovação das assembleias legislativas. 

AI-4 - Editado em 7 de dezembro de 1966, convocou ao Congresso Nacional o estabelecimento de uma nova carta constitucional - a Constituição de 1967 - que revogaria de forma definitiva a Constituição de 1946.

AI-5 - Concedia ao Presidente da República, dentre outros, os poderes de cassar mandatos, intervir em estados e municípios, suspender direitos políticos de qualquer pessoa e, o mais importante, decretar recesso do Congresso e assumir suas funções legislativas no ínterim. O AI-5 também suspendeu o Habeas Corpus para crimes políticos. Por consequência, jornais oposicionistas ao regime militar foram censurados, livros e obras "subversivas" foram retiradas de circulação e vários artistas e intelectuais quiseram se exilar no estrangeiro.

AI-6 - Foi editado em 1 de fevereiro de 1969, reduziu de 16 para 11 o número de ministros do STF. Estabeleceu também que os crimes contra a segurança nacional seriam julgados pela justiça militar e não pelo STF.

AI-7 - Foi editado em 26 de fevereiro de 1969, suspendendo todas as eleições até novembro de 1970.

AI-8 - Foi editado em 2 de abril de 1969, estabelecendo que estados, Distrito Federal e municípios com mais de 200.000 habitantes poderiam fazer reformas administrativas por decreto.

AI-9 - Foi editado em 25 de abril de 1969. Seguindo a esteira dos atos institucionais anteriores, estabeleceu regras para a reforma agrária cuja doutrinação tinha cunho estritamente conservador. Dava poder ao presidente para delegar as atribuições para a desapropriação de imóveis rurais por interesse social, sendo-lhe privativa a declaração de zonas prioritárias. 

AI-10 - Foi editado em 16 de maio, determinava que as cassações e suspensões de direitos políticos com base nos outros atos institucionais acarretariam a perda de qualquer cargo da administração direta, ou indireta, instituições de ensino e organizações consideradas de interesse nacional.

AI-11 - Foi editado em 14 de agosto de 1969. Estabeleceu novo calendário eleitoral, fixando a data das eleições gerais para prefeitos, vice-prefeitos e vereadores - as quais estavam suspensas. 

AI-12 - Foi editado no dia 30 de agosto de 1969. Face aos sintomas de trombose cerebral apresentados pelo Presidente Costa e Silva, estabeleceu que uma junta militar composta pelos ministros militares assumiria o poder e não o vice-presidente Pedro Aleixo, como mandava a constituição. 

AI-13 - Estabelecia o "banimento do território nacional de pessoas perigosas para a segurança nacional", 

AI-14 - Ato Institucional Número Quatorze ou AI-14, que estabelecia a modificação do artigo 150 da constituição, com a aplicação da pena de morte nos casos de comprovada participação em atos de terrorismo que resultasse em morte e também em "guerra externa, revolucionária ou subversiva"

AI-15 - O Ato Institucional Número Quinze, ou AI-15, foi editado no dia 9 de setembro de 1969 fixando as eleições nos municípios sob intervenção federal para 15 de novembro de 1970.

AI-16 - O Ato Institucional Número Dezesseis, foi editado em 14 de outubro de 1969. Declarou vagos os cargos de presidente e vice-presidente da República, marcando para o dia 25 seguinte a eleição presidencial indireta pelo Congresso Nacional, em sessão pública e por votação nominal. Fixou também o fim do mandato do presidente eleito em 15 de março de 1974, e prorrogou os mandatos das mesas da Câmara e do Senado até 31 de março de 1970.

AI-17 - O Ato Institucional Número Dezessete, ou AI-17, também editado em 14 de outubro de 1969, autorizava a junta militar a colocar na reserva os militares que "tivessem atentado ou viessem a atentar, comprovadamente, contra a coesão das forças armadas". Uma forma encontrada para conter a oposição encontrada pela indicação de Médici.

Viver é Perigoso


SEMPER FIDELIS


A imagem de Sully, o cão do ex-presidente George H.W. Busch, de vigia junto ao seu ataúde.

Emociona.

Viver é Perigoso

VINHO NACIONAL (DOS BRASILEIROS)


Condenado por lavagem de dinheiro e cumprindo prisão domiciliar em São Paulo, o deputado federal cassado Paulo Maluf colocou sua adega à venda.

Trata-se de uma das mais célebres adegas do País.

Maluf é tido como o maior colecionador de Romanée-Conti do Brasil. E das melhores safras, ou seja, as de 1961, 1966, 1971, 1978, 1985 e 1990. 

Aliás, o mais caro dos vinhos oferecidos é uma garrafa magnum (de 1,5 litro) do Romanée-Conti, safra 1971. Maluf pede por esse néctar da Borgonha US$ 66,8 mil, o equivalente a R$ 258 mil.

Informações dão conta que estão disponíveis para a comercialização, 862 garrafas das melhores safras dos grandes vinhos da Borgonha. 

Quem se interessar, vai pagar um total de US$ 3.889 milhões (cerca de R$ 15 milhões).

Os negócios serão fechados com pagamentos em dinheiro vivo.

É a vida...

Viver é Perigoso

O "X" DA QUESTÃO !


Juízo Moçada ! 

Após sete anos sem fazer licitação para varrição de ruas a cidade de São Paulo pode pagar R$ 171 milhões a menos por ano pelo serviço na cidade. 
A redução de cerca de 20% do preço do serviço em relação ao valor de referência da licitação em andamento na Prefeitura é o cenário que surgiu das melhores propostas das empresas classificadas. 
O contrato assinado em 2011, na gestão Gilberto Kassab, vem sendo prorrogado anualmente, amparado nos chamados "acordos emergenciais". (deu no Estadão).

Como segue o contrato de limpeza pública na terrinha ?

Viver é Perigoso

E PARA ELES NADA ?

Viver é Perigoso