terça-feira, 17 de julho de 2018

ESTÁ DIFÍCIL

Viver é Perigoso

DR. ALDIR BLANC


“Não alimento mais de jeito nenhum esse treco de ‘Ermitão da Muda’ etc. Tem muito folclore e até um pouco de maldade nisso. Eu saio de casa sempre que tenho vontade, o que é raro. Trata-se de uma opção minha. Gosto de ficar em casa, talvez pela vida que tive como médico e, depois, viajando pelo Brasil, apavorado com os aviões. Adoro ficar lendo em casa, e ninguém tem nada a ver com isso. Vivo a vida que escolhi. E aproveito para citar Noel Rosa: ‘Às pessoas que eu detesto, diga sempre que eu não presto…’ Defeco solenemente para a tal ‘visibilidade’ tão falada e que gera oportunismos hediondos. Não preciso disso.”

“Minha rotina é ler, ler, ler e escrever diariamente. Leio quase o dia e a noite inteiros. Então, durmo pouco, umas quatro horas pela manhã. Me dá muito prazer, além de ser uma atividade da minha vida profissional. Nada me deixa mais feliz que livros e leitura, a não ser as filhas, as netas e os netos — são cinco netos: três moças, dois rapazes. Fui avô de quatro deles antes dos 50 anos e tenho um bisneto de 4 anos. Espero ainda ter muitos outros. Quero destacar também a importância de convivência de 30 anos, feitos em março de 2018, com minha Suburbana (Mary Sá Freire). Sem ela não existo. É meu primeiro, único e último amor.”

“O momento do Brasil é merda pura: o ‘pibinho’ de 1,5% vai cair pra zero, a monstruosa e disfarçada quantidade de desempregados, a selva em nossas cidades, um sinistro da inçeguran$ia paspalhão, as mentiras sobre a ‘recuperação da economia’… Temereca é corrupto, sujo, mentiroso, crápula. Os tribunais são sacos de gatos, e aquelas duas casas de tolerância do Plabaixo, pobre povo brasileiro nas mãos de bandos organizados de criminosos impunes.”

Aldir Blanc

Viver é Perigoso