sábado, 2 de junho de 2018

É DISCO QUE EU GOSTO



Viver é Perigoso

ROLO ANTIGO DO GOVERNO PETISTA

Deu na imprensa hoje, 02 de junho de 2018

O governo brasileiro concedeu descontos ilegais de US$ 68,4 milhões nos juros de empréstimos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) a Cuba, segundo reportagem do portal UOL. O governo cubano usou o dinheiro para construir o Porto de Mariel, inaugurado em 2014 com a presença da então presidente petista Dilma Rousseff. De acordo com o Tribunal de Contas da União (TCU), estes descontos foram irregulares em pelo menos quatro operações de crédito a partir de 2010 com o BNDES. Para a realização do empréstimo, foi utilizado um mecanismo financeiro chamado Proex-equalização, que permite baixar os juros de um empréstimo a um paí s estrangeiro por até dez anos. O governo brasileiro decidiu, porém, conceder o benefício por 25 anos. Para o TCU, isso é ilegal.

Deu no Viver é Perigoso em 27 de maio de 2014 

PARA CUBA COM CARINHO

Um termo de classificação de informações produzidos há 2 anos pelo gabinete do então ministro do Desenvolvimento Econômico, Fernando Pimentel e obtido pelo site "congresso em foco" mostra alguns detalhes do empréstimo do BNDES para Cuba construir o Porto de Mariel.
Já foi repassado para a Odebrecht R$ 1 bilhão.
Para evitar "questionamentos desnecessários" governo e banco mantêm sigilo sobre o empréstimo total de US$ 692 milhões. Parte dos recursos foi transferida a "fundo perdido", isto é, sem nenhum ônus para o tomador.


Estamos lascados.

Viver é Perigoso

REUNIÃO QUE NÃO ACONTECEU


Senhores, convocamos esta reunião extraordinária para colocar em discussão uma questão fundamental. Como é do conhecimento geral, todas as nossas decisões têm sido tomada em regime de colegiado. Não sei se é virtude ou defeito, mas tenho por princípio discutir tudo abertamente. Todos aqui participaram da importante e histórica decisão da publicação do decreto de estado de calamidade pública. De certa forma isso foi bom. Estamos empatados, em termos de decreto de calamidade pública, com um ex-prefeito oposicionista que no ano de 2000, ao ver de muitos, precipitadamente tomou idêntica providência por ocasião da enchente.
Apreciaríamos sugestões legais de como sair dessa. 
Explico: hoje tudo se encontra normalizado como já estava antes e sempre esteve. Como sairemos dessa ? Como des-decretaremos o fim do estado de calamidade ? Como colocaremos um fim nisso ?
A minha sugestão é a que deveremos dar uma de "migué", quer dizer, deixamos as coisas irem se esfriando, o povo esquecendo, e o estado de calamidade ir sumindo devagarzinho.
Porém, por precaução determino que acompanhem as providências tomadas pelos nossos co-irmãos de Araçuaí, Piranga, Recreio, São Domingos das Dores, Mathias Lobato, Coronel Xavier Chaves, Vermelho Novo, Frei Inocêncio, Ipaba e outros que, em bom momento, tomaram medida idêntica a nossa.
Tenho dito.

Viver é Perigoso