sexta-feira, 11 de maio de 2018

CARTA QUE ESCREVI


Itajubá, 11 de maio de 2018

Prezado Vereador Marcelo Krauss

Como cidadão itajubense, venho agradecer pelo seu correto desempenho na Câmara Municipal. Surpresa nenhuma. Conheço o seu preparo técnico, sua educação sólida, seu equilíbrio e o compromisso em lutar por mudanças na política, sem as quais afundaremos mais e mais.

Concordo inteiramente com o seu discurso, afirmando que o País começa nos municípios, onde os primeiros passos para a implantação dos novos tempos têm que ser dados.

Sabemos que não está sendo fácil. 

Dentre as obrigações dos nossos representantes no legislativo, nos dias de hoje, a principal vem a ser a fiscalização do Poder Executivo, tanto nos gastos como na determinação de prioridades, numa época de parcos recursos.

O caminho que vem sendo seguido pelo prezado vereador é corretíssimo. Primeiramente, se posicionar atento. Em seguida, solicitar informações para análise e eventualmente apresentar sugestões complementares. Na dificuldade, insistir na busca de detalhamento.

Lamentavelmente, em não conseguindo o acesso às informações e justificativas, o passo seguinte é a busca de socorro junto ao poder judiciário. É assim que funciona e é assim que o independente vereador tem feito.

Já temos provas suficientes, quando da Administração anterior, que pela reeleição se tornou a mesma,de que o estilo autoritário e fechado de governar dificultaria em muito o seu trabalho. Essa insistência inexplicável pela não transparência total, denota um desrespeito não só para com você, cumpridor de suas obrigações, mas de toda a Câmara Municipal. Mas isto é uma outra história.

Tomando conhecimento de tentativas de insultos dirigidos publicamente a sua pessoa, mesmo não citando diretamente o seu nome,  rogo que não se deixe abater e prossiga com  seu trabalho.

Mais cedo do que imaginam todos, inclusive a Administração Municipal, irão reconhecer que o seu desempenho não significa nenhum entrave para o desenvolvimento, muito pelo contrário.

Cordialmente

Viver é Perigoso    

DIA DOS NAMORADOS

Viver é Perigoso

NOSSA ESCOLA !


A Universidade Federal de Itajubá (Unifei), é a melhor instituição de educação superior do estado e a quinta melhor do país aos olhos da publicação inglesa Times Higher Education (THE), uma das mais respeitadas avaliações de ensino superior. 
Ela faz parte de um seleto grupo de 10 universidades brasileiras que aparecem no ranking das 800 melhores instituições do mundo. 
Atrás, está a Federal de Minas Gerais (UFMG), a maior universidade do estado. No recorte dos países emergentes, a Unifei se mantém como quinta colocada, enquanto a UFMG perde uma posição e vai para o sétimo lugar.

O THE avaliou as 1 mil melhores instituições do mundo. O ranking analisa as instituições individualmente, até a posição de número 200. A partir disso, deixa de considerá-las de forma única e passa a fazê-lo por grupos. Em 2016, a lista contava com 18 brasileiras entre as 800 melhores universidades. A Universidade de São Paulo (USP) segue como a primeira do país, em um grupo que está entre 251 e 300 melhores universidades e se mantém no mesmo pelotão do ano passado.

No topo da lista, estão instituições inglesas: universidades de Oxford e Cambridge. Empatadas em terceiro lugar, o Instituto de Tecnologia da Califórnia a Universidade Stanford. Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e Harvard aparecem em quarto e quinto lugares, respectivamente.

Unifei e UFMG estão no grupo que vai de 601 a 800. Outras duas mineiras são mencionadas: as universidades federais de Lavras (Ufla), no Sul de Minas, e de Ouro Preto (Ufop), na Região Central, estão na faixa que ultrapassa a 1.000ª posição. A Ufla já figurou ao lado da Federal de Viçosa (UFV) – que este ano nem aparece na lista –, no grupo que vai de 601 a 800.

Em outro levantamento, a publicação analisou o desempenho de 350 instituições de 42 países emergentes. A China roubou a cena, com cinco universidades entre as top 10. A melhor colocação do Brasil é com a USP, em 14º lugar. A Unifei se destaca em 98ª posição, enquanto a UFMG está em 150ª. A avaliação do THE considera aspectos de ensino, pesquisa, a transferência de conhecimento e internacionalização. De acordo com a publicação, os top 1 mil representam não mais que 5% das 20 mil instituições de ensino superior mundo afora.

Confira o resultado do levantamento internacional :

RANKING MUNDIAL

1º – Universidade de Oxford

2º – Universidade de Cambridge

251- 300 – Universidade de São Paulo (USP)

401-500 – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

501-600 – Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

601-800 – Universidade Federal do ABC (UFABC)

601-800 – Universidade Federal de Itajubá (Unifei)

601-800 – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

601-800 – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

601-800 – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) 


OS MELHORES ENTRE OS PAÍSES EMERGENTES

1º – Universidade de Pequim

2º – Universidade de Tsinghua

14º – Universidade de São Paulo (USP)

33º – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

61º – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC Rio)

92º – Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

98º – Universidade Federal de Itajubá (Unifei)

131º – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

150º – Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

153º – Universidade Federal do ABC (UFABC)

Fonte: Times Higher Education (THE)

Viver é Perigoso