terça-feira, 17 de abril de 2018

ARRECUA OS ARFES PARA EVITAR A CATASTRE


Enquanto isso na terrinha:

Time acostumado a jogar no ataque, quando é obrigado a se defender é uma tragédia. Ausência de coberturas, faltas desnecessárias, balão para todos os lados, defensores se trombando, discussões internas com pedidos sucessivos de substituição com alegações diversas.

Segundo  João Saldanha, o folclórico Neném Prancha teria proferido essa frase lapidar, ao ver a vitória de seu time ameaçada: "Arrecua os arfes para evitar a catastre (recuem os alfes - como eram chamados os jogadores do meio do campo, numa corruptela do inglês half - para evitar a catástrofe', em linguagem menos inculta)".

Viver é Perigoso   

DANÇOU ?


Convém prestar atenção na reportagem do jornal O Estado de Minas. O alerta foi dado por um amigo do "viver é perigoso". Na terrinha aconteceram mudanças significativas. Cuidado pessoal.

Criada para permitir aos parlamentares a troca de legenda em ano eleitoral, a janela partidária, aberta em março e abril, atraiu mais gente do que podia. É que, apesar de em 2018 as mudanças serem legais somente para deputados estaduais e federais, vários vereadores aproveitaram o momento para deixar as atuais legendas e migrar para outras pelas quais pretendem concorrer a vagas na Assembleia Legislativa ou na Câmara dos Deputados. 

Todos estão na mira do Ministério Público Eleitoral (MPE), que pode tirar o mandato de quem não conseguir provar que houve uma razão incontestável para a troca.

Pela Lei 13.165/15, os detentores de mandato podem se desfiliar sem justa causa “durante o período de 30 dias que antecede o prazo exigido em lei para concorrer à eleição majoritária ou proporcional, ao término do mandato”. Segundo o coordenador das promotorias eleitorais de Minas Gerais, promotor Edson Resende, a legislação é clara ao dizer que a janela vale somente para quem está em fim de mandato. “Portanto, neste ano, a janela é somente para os deputados estaduais e federais, não vale para vereadores”, disse.

Segundo Resende, esse entendimento foi repassado a todos os promotores eleitorais do estado e a orientação é para que eles remetam as notícias de filiação para o procurador regional eleitoral Ângelo Giardini, que vai avaliar a hipótese de propor representação pela perda do mandato de quem trocou de legenda ilegalmente. “Os vereadores que se valeram da janela vão se sujeitar a procedimento de perda do cargo que pode ser desencadeado pelo partido, pela parte interessada (o suplente, no caso) ou pelo próprio Ministério Público”, afirmou o promotor.
O procurador regional eleitoral Ângelo Giardini confirmou que a lei não abriu janela de trocas para vereadores, mas afirmou que há duas exceções nas quais o procedimento é válido. Segundo ele, são consideradas por “justa causa” as trocas motivadas por mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário ou grave discriminação política pessoal.
O Estado de Minas
Viver é Perigoso

TUDO É PERIGOSO


Já dizia, ou não, um antigo compositor baiano:

"Atenção
Tudo é perigoso
Tudo é divino maravilhoso
É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte
Atenção para as janelas no alto
Atenção ao pisar o asfalto, o mangue
Atenção para o sangue sobre o chão
É preciso estar atento e forte
Não temos tempo de temer a morte"

Muito difícil viver no setor público durante um período de transição. Uns poucos percebem as mudanças. A maioria não.

Quem tem a sensibilidade para perceber o momento enfrenta grandes ondas e sai surfando nas cristas. 

Quem não tem, segue deixando correr livre, leve e solto cercado de assessores incapazes de desagradar, de apontar riscos e vivendo de aplaudir. Dá no que está dando. 

Acontecendo nessa era de solicitações de informações negadas, denúncias oficializadas, investigações demoradas e indiciações bombásticas,  perfis são levados de roldão com o agravante da provocação de desgastes que serão carregados por uma vida.

E o mais comum dos enganos: Quem culpar ? Vereadores independentes e operantes ? Não, pois são poucos e estão cumprindo suas funções. A imprensa escrita e falada ? Como se conta com uma raríssima exceção ? Forte política  opositora ? Como, se seria formada por entregadores de bolas de futebol   e meia dúzia de gatos pingados invejosos e aposentados?

Apenas um episódio fortuito ? Sabemos que não. Muitos outros capítulos estão em andamento.

 A saída é uma só: Explicar, justificar, admitir falhas, corrigir e seguir adiante com cuidado e transparência total.

Claro que não é nada fácil, ainda mais num ano eleitoral.

É a vida...

Viver é Perigoso