quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

RECORDAÇÕES


Fernando Collor de Mello foi presidente de janeiro/1990 até dezembro/1992.
 
Quando presidente, em maio/1990, nomeou o seu primo Marco Aurélio Mello para o cargo de ministro do STF. 

Na época, a oposição acusou o presidente Collor de Mello de nepotismo.

Viver é Perigoso






5 comentários:

Anônimo disse...

Zelador! Sabemos o quanto a país sofre as consequências das corrupções praticadas pelos nossos governantes em todos os seus níveis e de longa data.
Sabemos também que, o nosso judiciário foi e continua sendo conivente.
Mas, o atual momento da nossa justiça, muito me preocupa:
Fazem um teatro danado, mesmo sendo péssimos atores (parece que o que importa é o ibope);
Estão divididos em todas as decisões.
A prisão (não prisão) do Lula é um maior exemplo disso. A CF já tem 30 anos e eles estavam julgando sem saber se a prisão já deveria acontecer em 2ª instância ou não (e continuam sem saber) e o mais importante, de um modo ou de outro estão agradando alguém. Quando o Lula foi preso agradou quem era a favor de sua prisão. Naquela oportunidade um monte de gente foi presa também, que até então não poderiam ser. Agora, caso se confirmasse a soltura do Lula, muita gente também seria solta.
Onde vamos parar com isso?

Edson Riera disse...

Onde vamos parar com isso ?

O País foi assolado pela vaidade, incompetência e desonestidade. Raríssimas exceções no setor público.

Mas acredito nas mudanças. Muita gente ainda não se deu conta. Podemos estar às vésperas de tomadas de medidas extremas. Em princípio, até anti-democráticas, mas não terá outro jeito.

O que aconteceu ontem foi um descalabro de magnitude incalculável. Irresponsabilidade.

Zelador

Anônimo disse...

Pois é Zé um descalabro provocado por picuinhas de um ministro com 28 anos de casa! Nas mãos de quem estamos! que os novos ventos oriundos das urnas ilumine o resto do STF. oremos.observador da cena

Edson Riera disse...

Observador de Cena -

Oremos com fé.

Zelador

Anônimo disse...

Não há clima para uma saída autoritária.
Diferente do golpe de 1964, um golpe agora trará enormes consequências econômicas e internacionais. Sem contar que jogará o país numa guerra civil. Até mesmo porque o Exército está bastante sucateado. Perderia fácil a guerra para o narcotráfico.