segunda-feira, 3 de setembro de 2018

PASSOU COMO UM METEORO


Em 1764, nas proximidades do Riacho Bendegó, no Interior da Bahia, o menino Domingos da Mota Botelho, achou num pasto o maior meteorito descoberto no Brasil, pesando 5,36 toneladas.

O Bendegó é o maior meteorito brasileiro conhecido até o momento. Se encontra na sala de meteoritos do Museu Nacional do Rio de Janeiro.

No dia 7 de setembro de 1887, quando era comemorado o aniversário da Independência, iniciou-se o trabalho de remoção do meteorito, com uma solenidade cívica às margens do riacho Bendegó. Mandou-se construir uma carreta que, engenhosamente, poderia andar sobre trilhos, ou sobre rodas, dependendo das condições encontradas no trajeto.

O meteorito chegou a ficar em exposição em Salvador durante 5 dias e continuou sua viagem num vapor. Só chegou no Rio de Janeiro no dia 15 de junho do ano seguinte, sendo recebido pela Princesa Isabel e entregue ao Arsenal de Marinha da Corte, onde foi estudado. Concluído o trabalho, o meteorito foi transportado em 1888 para o Museu Nacional, nessa época situado no Campo de Santana.

Conheci o Bendegó no início dos anos 60. O gigante ficava exposto logo na entrada do Museu Nacional na Quinta da Boa Vista. Fiquei encantado com a sua épica história, da Bahia até chegar no Rio de Janeiro, que durou 123 anos.

Pela sua constituição e pelo calor que atravessou ao chegar ao Brasil, certamente o Bendegó, irá sobreviver ao descaso dos homens públicos brasileiros que levou ao incêndio do Museu Nacional.

Uma vergonha.

Viver é Perigoso  


Nenhum comentário: