terça-feira, 18 de setembro de 2018

NADANDO NO SEU DINHEIRO


A campanha do ex-presidente Lula registrou R$ 1,5 milhão em gastos eleitorais com o escritório de advocacia Teixeira, Martins Advogados, que defende o petista nos processos criminais da Lava Jato.

A despesa é descrita como "consultoria jurídica em processo eleitoral". Em nota oficial, a assessoria de imprensa da campanha afirmou que o escritório "prestou consultoria ao registro da chapa do Partido dos Trabalhadores".

Além dos gastos com o escritório Teixeira, Martins, a campanha do PT registra ainda despesas de R$ 900 mil com o escritório Aragão e Ferraro Advogados e R$ 150 mil com o escritório de Edilene Lobo, ambos especializados em direito eleitoral.
 
Não há registros de pagamentos diretos ao advogado Luiz Fernando Pereira, que liderou a defesa do registro de Lula no TSE.

Ao todo, a campanha já gastou R$ 26 milhões, e o site do TSE registra a transferência de toda a prestação de contas feitas por Lula para o registro de Fernando Haddad.

Alguns advogados especialistas em direito eleitoral avaliam que a assessoria jurídica no caso da ONU não pode ser computada como gasto de campanha, por se tratar de uma defesa individual de Lula. Segundo Resolução do TSE,  serviços de consultoria jurídica prestados durante as campanhas devem ser pagos com recursos da conta de campanha. Já os honorários advocatícios relacionados à defesa de candidato ou de partido político em processo judicial não caracterizam gastos eleitorais.

Do Fundo Especial de Financiamento, conhecido como fundão, em que R$ 1,7 bilhão do Tesouro Nacional foram destinados aos partidos para financiar as campanhas neste ano, o PT recebeu R$ 212 milhões e o diretório nacional repassou R$ 20 milhões para a campanha presidencial até agora. 

Neste ano, os gastos eleitorais para a campanha a presidente estão restritos a R$ 70 milhões. 

Em 2014, a campanha da ex-presidente Dilma Rousseff  informou ter gasto no total R$ 318 milhões. 

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: