sexta-feira, 28 de setembro de 2018

MOÇA BONITA


Desde o início dos anos 70 quando conheci a namorada do meu amigo Guilherme, trato-a carinhosamente por Menina ou por Maria Jô. Ela já me disse que prefere o primeiro. 
Muito bonita, inteligente, questionadora e tão provocadora que às vezes nos desconcerta. Tenho sempre ao alcance das mãos o livro "Estrela Breve" - Biografia da poeta Lupe Cotrim, que lembra muito a Maria Jô, mãe da Joyce que nasceu num 29 de setembro.

Um abraço Menina. 

Não sou uma vitória ou uma derrota
mas me conquisto sempre cada dia,
procurando essa forma mais remota
do que em mim nos instantes se perdia.
Nem um profundo mar, nem superfície,
nem vento ou pedra: leve, na existência,
balanço entre as montanhas e a planície
com asas no sentir, preso à consciência.
Tudo o que é meu anseia uma amplidão
de um céu inacabado a nostalgia.
É o peso desta terra em minha mão.
E enquanto espero o mundo na Poesia
enfim suprir, eu luto e mais persigo
esta ideia de mim, que não consigo.

Lupe Cotrim - Nem um Profundo Mar

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: