domingo, 5 de agosto de 2018

LINHA CORTADA


Deu no jornal "OTempo" de hoje, na coluna da Rachel Faria :

"Na CNI, a entidade nacional em Brasília, Flávio Roscoe, presidente da Fiemg, não deve estar com boa entrada, apesar de presidente mineiro Robson Andrade.
É que Roscoe se elegeu em oposição ao grupo aliado de Robson. E uma das primeiras medidas na Fiemg foi devolver à CNI um laboratório tecnológico que vinha sendo implantado em Itajubá pela entidade mineira com recursos da nacional. O projeto, além de bilionário, é a menina dos olhos de Robson. "

Blog: Uma parte boa e outras nem tanto.

Boas

a) O projeto não foi cancelado. Foi apenas devolvido a CNI  
b) O Sr. Robson (CNI) está à frente de importante e tradicional indústria localizada no município.
c) O empenho das autoridades municipais unidas pelo desenvolvimento

Outras não muito boas: 

a) A Fiemg estaria em rota de colisão com a direção da CNI. 
b) O termo "vinha sendo construído". 
c) Os valores altíssimos envolvidos. 
d) A obrigatoriedade de novas licitações e longas negociações e mudanças nos contratos. 
e) A situação econômica do País e a necessidade de realocar investimentos de acordo com novas prioridades. 
f) As mudanças políticas que certamente ocorrerão após as eleições. 
g) A necessária subestação (em andamento) seria de responsabilidade da Cemig, que certamente providenciará a alteração do cronograma de construção. 

Oremos

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: