quinta-feira, 10 de maio de 2018

MAIS UMA BANANA !


CADEIRAS VAZIAS, SAÚDE EM SOFRIMENTO

A Comissão Permanente de Saúde, Assistência e Promoção Social deveria receber nesta tarde, 09/05, o Secretário Municipal de Saúde, Sr. Nilo César do Vale Baracho e sua equipe, para explanar sobre os mais de R$ 800 mil (oitocentos mil reais) gastos com Ordens Judiciais e Multas por demora no atendimento em 2017.

Infelizmente, ninguém da Secretaria de Saúde compareceu, o que representa um desrespeito com a população e com a Casa Legislativa.

Nunca antes se gastou tanto na Saúde com ordens judiciais.

A má gestão, a falta de planejamento e a incapacidade de execução penalizam e trazem sofrimento à nossa população.

Vereador Dr. Ricardo Zambrana (Facebook)

Blog: Parece que os Administradores não aprendem nada e esquecem o que sabiam. Os vereadores independentes buscam esclarecimentos cumprindo as suas obrigações. O assunto saúde é crítico e de interesse da população. Mas pensando mal, talvez não tenham nada para dizer. 

Viver é Perigoso

13 comentários:

marcos antonio de carvalho disse...

Bumba-meu-boi entre nome e função.
Tratando de "saúde e promoção social" (que bicho é esse? como ele morde?) está implícito que têm que ser PERMANENTES (têm!!!).

Saúde, principalmente dos desvalidos, não pode nem poderia ter prazo de validade. "PERMANENTE", portanto fora do nome-título. Ou as comarcas vizinhas pensarão que não sabemos trazer por papel nossas já pobres intenções.

Comissão multando sem prestar contas: mau uso do dinheiro público e administração relapsa. Inquérito e processo nos caras. Não vão por bem, que sejam CONDUZIDOS.

Não comparecimento para dar explicações pros cidadãos, COVARDIA.
Gente assim, se desossada ('no intention', please), não dá pra fazer um pastel. Pressão dos cidadãos e exposição de nomes, pro jornal garatujar algumas linhas e continuar a posar de fiscalizador dos poderes publicos.

Tá na hora da onça beber água e essa " soi disant" COMISSÃO (especialidade de grupo criado para projetar o cavalo que acabou por criar um ornitorrinco - muitas emendas no projeto, vai ver...) atuante com suas artimanhas de bocóiós de argola.

De qualquer modo: lascados estamos.
Torcer prum futuro sem Comissões e cotoveladas com nomes, suas funções e significados.

NOTA FINAL: Salvos da má educação do signatário, uns pouquíssimos vereadore.

marcos antonio de carvalho disse...

Comissão???
PERMANENTE???
De Saúde???

Tem coisa sobrando aí.

Cuidados com a saúde com hora pra acabar não existe, logo, o "permanente" sobra ou fica implícito, aí sim, permantemente na função.
Coisa de acaciano de poucas luzes e excessiva vaidade. O diploma no gabinete imagino ser um folhão 0,5 x 0,5 M, devidamente enquadrado em estilo império, com carimbos e medalhões impressos em dourado.

Bocós.

E covardes, por fugirem de dar explicações sobre o uso do dinheiro publico.

Anônimo disse...

Zelador,
Estranho, por isso o nosso vereador ja passou e fez quando secretario da saude, alias nunca nem conversava com as pessoas, na realidade só mudou a mosca pois o "poblema"continua igualzinho como eram nas gestões anteriores, normal meu caro Zambra, agora não adianta usar isso para fazer politica porque ninhguem mais acredita; o que lamentamos é ver o sofrimento do povo (alias este povo que vota) nas filas, sem remédio, sem atendimento etc.e NÃO aprendem a votar.
Sabemos que o secretario é indicado do HE e quem manda é a adjunta que alias foi sua parceira, ou não? Aqui se faz aqui se paga. Acho melhor vc continuar a campanha das tampinhas de latinhas, dá mais resultado.
Boa sorte.

Edson Riera disse...

Boa Sorte -

A reunião foi para esclarecimento do absurdo valor dispendido em causas judiciais. Essa é a pauta. Ficar lembrando coisas que aconteceram, neste momento, não vai adiantar. É evidente a influência do HE na Administração Municipal e vice-versa. A Santa Casa que o diga.

Zelador

Luciano disse...

..."Talvez o problema seja o ..." !

Anônimo disse...

O país todo sofre as consequências da judicialização da saúde. Em Itajubá não seria diferente. Não entendi onde está o problema de o município pagar remédios obtidos através de ordens judiciais. Errado seria o contrário. Isso tudo, ao que parece, não passa de briguinha política entre o atual e o ex-secretário e ninguém está preocupado realmente com a saúde.

Anônimo disse...

Zelador,

o senhor é um pessimista. É preciso conversar somente com otimistas e não escutar as críticas. Se o senhor não serve para elogiar a prefeitura é inimigo do povo. É perseguição.
Aliás, o que importa se a saúde gastou mais de R$800 mil com multas ou cortou 70 medicamentos da lista de gratuitos? Temos um lindo parque, com um lindo banheiro (que custou 500 mil) e um lago espetacular, onde pode-se pescar na sexta-feira santa. Teremos também um cinema espetacular, com terreno doado pela prefeitura. Quem precisa de remédio quando se pode assistir Os Vingadores confortável em um terreno público?
O senhor é que é muito pessimista.

Edson Riera disse...

Saúde -

Sabemos todos da aceleração da judicialização da saúde em todo o Pais. Com certeza que o Vereador Zambrana sabe disso. O que está tentando obter e nisso cumpre fielmente a sua função, é ter informações sobre isso, inclusive sobre multas.

Tudo o que é questionado hoje na terrinha e no Brasil, alegam ser por razões políticas.

Simples: Não é público ? Então informem e ces´t fini. A não ser que não tenham informação para prestar.

Zelador

Edson Riera disse...

Pessimista -

Você conhece algum medicamento de ponta para o Zelador tomar, alterando, mesmo gradativamente, de pessimista para realista.

Remédio para alienação não é recomendado.

Zelador

Anônimo disse...

Nunca antes se gastou tanto na Saúde com ordens judiciais.

isso é no Brasil inteiro destes petralhas nojentos.ah vá.

Anônimo disse...

Zelador,

conheço um, mas foi cortado da lista de medicamentos gratuitos pela prefeitura.

Não convém gastar seu rico dinheirinho com ele. O jeito é continuar pessimista.


Pessimista

ANSELMO disse...

Zelador,

Não entendi a nota/notícia.

Foram 800 mil gastos em multas?
Ou 800 mil gastos em remédios (cuja compra foi determinada pela Justiça)?

Colocar os dois no mesmo balaio é complicado.

Vamos por partes...

800 mil de multa é muito.
Muito mesmo.
Não que multa judicial seja normal, mas pode eventualmente acontecer.
Agora 800 mil é alto.
Se foi 800 mil em multa cabe aos vereadores cobrar eficiência no cumprimento das decisões judiciais pelo executivo.

Por outro lado, 800 mil em remédio (que o Judiciário mandou comprar) é outra história.
Completamente diferente.
Faz parte do jogo.
Chegou a ordem de comprar um remédio, a prefeitura tem que comprar.
Se vai custar 100, 200 ou 800... fazer o quê?
Cabe ao executivo comprar (e tentar derrubar a decisão judicial).

Enfim, para entender se há um problema, é preciso individualizar os gastos (em multas judiciais e remédios).
Abs

Edson Riera disse...

Anselmo -

Perfeito. Agora, a reunião com a Comissão, na qual o cidadão comum (nós) podemos participar, seria justamente para a prestação de esclarecimentos.
Mas, tudo indica, que dar satisfações (obrigatórias) não consta do manual dessa Administração.

Abraço

Zelador