terça-feira, 9 de janeiro de 2018

POR QUE ITAJUBÁ PAROU NO TEMPO ?

Foto Saulo Caridade
É o título do Editorial de jornal O Sul de Minas desta semana. Faz uma pergunta que leva milhares a fazer pouco caso e uns poucos parar para pensar.

Trata-se de uma triste constatação. Discordo da interrogação. Ficaria melhor uma afirmação.

Porque Itajubá parou no tempo !

Nem pessimismo e tão pouco otimismo. Realismo seco e comprovado por estatísticas oficiais e números.

Por alto é isso aí :

Simples: O afastamento e ausência desde há longo tempo de lideranças expressivas, como já tivemos no passado à frente da vida da cidade, em todos os setores. Repito, em todos os setores. Dispomos de esforçados e muito mais é necessário.

Lógico que fatores geográficos, acesso, proximidade com grandes centros, logística desenvolvida, estão a favorecer outros municípios. Aspectos, desde que visualizados a tempo, contornáveis. A capacidade de visualização de futuro, exceto o futuro próprio de cada indivíduo e de próximos, zerou de vez.

Há vários anos não temos representatividade federal. Bons tempos, quando ainda atuavam e dentro das regras, do Senador Arruda, Antonio Aureliano, Ambrósio Pinto, Prof. Paulo César. Fazer o que ?

Saudosismo ? Jamais.  O atual poder público municipal, que já vem há 5 anos, comodamente se atrelou aos deputados Bilac (que se tornou o guru máximo), Aelton e Dimas Fabiano, que em Brasília, vendem a alma em composições contrárias à vontade do povo, por aprovação de pequenas emendas que provocam grandes ecos nos municípios de sua área de votação.
Na área estadual, por outro lado, por razões eleitoreiras, entra em rota frontal de colisão com o Governador do Estado e os deputados Ulysses e Odair.

O bom relacionamento dentro do Estado é fundamental, imprescindível, para o desenvolvimento. Empresas investidoras passam diariamente pelos balcões de Belo Horizonte, buscando informações e orientações para se instalar no Estado. Precisam de orientação, financiamentos e incentivos. Na área, estamos como cegos, mudos e surdos.
Criação e manutenção de empregos na industria a ver navios. Distanciamento facilmente percebível.

Obras importantes: Conclusão do aeroporto (não que seja essencial, mas chegar onde chegou e parar é burrice) e o Trevo do Jardim das Colinas e nova ponte no local. Acidentes anunciados com antecedência.

E a harmonia local ? Beirando o caos. Exceto o heroico jornal O Sul de Minas, do alto dos seus 70 anos de vida, tem ousado a questionar: Sois Rei ?

Demais empresas de comunicação, proibidas, induzidas e/ou incentivadas ao silêncio, exceto quanto a leves registros de pé de página ou efusivos elogios e cumprimentos.

Perseguição política, sem sentido, que deixou fora da Câmara Municipal, dois vereadores legitimamente eleitos pelo voto popular, Célia Rennó e Chico Marques.  

Conselhos municipais lacrados, Câmara Municipal, em sua grande maioria, dominada e submetida a situações vexatórias. Entidades de ensino e empresariais, fingem estar sendo levadas no bico e apenas murmuram pelos corredores.

Sim, a implantação do restaurante popular foi muito boa. A reforma do calçadão, idem, embora prejudicada pelos questionamentos judiciais, ainda a serem esclarecidos.  O Teatro, criativamente, pela troca pelo prédio industrial da Cabelte, extraordinário. O Parque Municipal, em que pesem, os inúmeros questionamentos, se tornará numa boa opção de lazer para os cidadãos. As contas parecem que estão sob controle. Obrigação, que nesse período de vacas magras, merece elogio. 

A Zona Azul, depois de 5 anos de amadorismo puro, voltou a funcionar. Isso é bom.

Na saúde, dramaticidade total. Levar a Mahle ao rompimento com a gestão da Santa Casa foi inacreditável. Acompanhar de perto o galopante endividamento da Aisi, via Hospital Escola (em que louve a sua modernização) e a situação que levou a nossa Faculdade de Medicina a entregar o seu comando para importante grupo empresarial financeiro, dói. O Atendimento no Pronto-Socorro é massacrado na internet. E com muita razão. 

Por que não ?

Esclarecer claramente aos Senhores Vereadores todos os questionamentos feitos nos últimos 5 anos e devidamente engavetados. Apresentar relatórios sobre a nebulosa Operação Soledade. Liberar os órgãos de imprensa para comentarem em seus programas opiniões diferentes das oficiais. Liberar os Secretários para esclarecimentos e entrevistas com liberdade. Conceder (o Prefeito) entrevistas coletivas sem a habitual seleção de questionadores e temas.

Começar vida nova, ouvindo outros sons, senão aqueles que o cercam diuturnamente, com louvores, fofocas, murmúrios, rapapés e no popular, puxa-sacos.

Olhar para as mudanças que estão acontecendo no Brasil. Fechar os palanques municipais para aqueles que buscam reeleição para o mesmo cargo. Enxergar e entender a legítima rejeição popular, em níveis estratosféricos, que cerca todos os políticos brasileiros.

Humildade, muita humildade. Aceitar críticas, rebater com argumentos e aprender a conviver com elas e não tratar como inimigos mortais os seus autores.

Precisamos. todos os itajubenses, voltar a caminhar lado a lado.

É tudo tão simples.

Viver é Perigoso

10 comentários:

Anônimo disse...

hahaha...Zelador!
Itajubá parou no tempo!
No tempo em que União é marca de açucar, Boa Esperança é nome de fazenda, Soledade é só nome de santo, humildade virou umidade(mofo) e a ganância do Rei dos Reis o faz parecer mais com o antiCristo.
Enfim, estamos lascados!

Anônimo disse...

Diagnóstico preciso. Parabéns zelador. Oremos que alguém do poder instalado leia , aprenda, tire conclusões e mude. Conhecendo o passado da liderança,torço para acontecer, mas sou pessimista.observador da cena

Edson Riera disse...

Emfim, estamos lascados -

Devidamente.

Zelador

Edson Riera disse...

Observador de Cena -

Em termos políticos, tem dia que sou pessimista. Tem dia que sou otimista. Talvez o melhor seria que fosse alienado.

Zelador

Anônimo disse...

Zezinho seria bom rever as doses dos remédios que andamos tomando! Ta tudo meio isquisito não ? On q eu to? Onde cê ta? Ah...leia o Itakuba Morticias ! Ah...

Anônimo disse...

Excelente análise. Reflete perfeitamente o que se passa na terrinha.
Incluiria, apesar de o texto fazer referencias, ao autoritarismo coronelesco, ciúmes políticos, infantilidade, feudo hereditário e etc.

O pior é que esse estado de coisas, que inclui 80% da câmara municipal, esta fazendo escola e o resultado das ações de compadrio e troca-troca que os edis promovem sempre subservientes e de quatro ao executivo (decepção dos novos vereadores fantoches) fará em breve mais uma jogada com vistas as próximas eleições municipais: um ex-vereador tido como combativo, quando lhe convêm, anda meio sem publicidade nos afazeres executivos, quase um anônimo. Este irá trocar de lugar com o vereador que se julga o escolhido, aquele que vai salvar Itajubá dos males mundanos e precisa de exposição no executivo, pois é lá que quer um lugar ao sol!!

Aguardem as cenas, lamentáveis, dos próximos toma-lá-dá-cá!

Edson Riera disse...

Toma-lá,dá-cá -

Caramba ! Ainda pode piorar mais ?


Zelador

Anônimo disse...

Tomá-lá,dá-cá e Zelador
Pra que melhorar se pode piorar, né?!
Preparem-se para voltar a ver poses e sorrisos nas fotos.
Enfim, estamos lascados!

Anônimo disse...

É preciso destruir para renascerrrr.

Edson Riera disse...

Renascerrr -

É..., mais sai caro.

Zelador