sábado, 20 de janeiro de 2018

O QUE QUEREM PARA O BRASIL


Escreveu Francisco Toro/Washington Post:

Um amigo me enviou recentemente uma fotografia que conta uma poderosa história sobre a situação na qual os venezuelanos se encontram agora. É apenas uma foto borrada de lixo: detritos deixados para trás depois que uma loja foi saqueada em San Felix, no sudeste da Venezuela. Mas não consigo parar de pensar nisso, pois no meio do lixo havia pelo menos uma dúzia de notas de 20 bolívares, moeda com tão pouco valor que nem os saqueadores acharam que valia a pena recolhê-las.
Em teoria, segundo a taxa "oficial" de câmbio, que há muito perdeu a conexão com a realidade, cada uma dessas notas vale US$ 2. Na verdade, à medida que a Venezuela afunda cada vez mais na hiperinflação, as notas de bolívares passaram a valer cerca de US$ 0,0001 à taxa de câmbio atual, o que significa que é preciso ter 100 delas para igualar a um centavo. A hiperinflação desorienta.
Cinco ou seis anos atrás, os 500 bolívares no chão teriam comprado uma refeição para dois com vinho no melhor restaurante de Caracas. Hoje não compram nada.
Os preços crescem mais de 80% por mês. Os salários ficam defasados, deixando o país em meio a uma fome cada dia mais devastadora, que provoca saques.
Como os venezuelanos sobrevivem ? Uma coisa é clara: ninguém no governo está muito preocupado com isso.

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: