terça-feira, 11 de dezembro de 2018

VAMOS A LA PRAIA !


Portaria 843/2018

Considerando a restrição nas projeções econômicas e financeiras do município, bem como a necessidade do controle dos gastos para fins de pagamento e equilíbrio fiscal, além de necessidade de fechamento dos demonstrativos contábeis relativos ao ano de 2018;

Art. 1º - Estabelecer Ponto Facultativo do dia 17 de dezembro de 2018 (segunda-feira) ao dia 24 de dezembro de 2018 (segunda-feira) e do dia 26 de dezembro de 2018 (quarta-feira) ao dia 04 de janeiro de 2019 (sexta-feira) para os servidores da Prefeitura Municipal de Itajubá.

Blog: Ao contrário da iniciativa privada, onde dificuldades exigem mais trabalho, na administração pública, menos.

É a vida...

Viver é Perigoso

SOB A LUZ DE VELAS



"Não foram os anos
que me envelheceram –
longos, lentos, sem frutos.
Foram alguns minutos."


Cassiano Ricardo

Viver é Perigoso

DIPLOMAÇÃO

Viver é Perigoso

O PORTA - VOZ !


“Paulo Maluf não tem nem nunca teve conta no exterior.” São dezessete sílabas, o mesmo número das do haikai, a forma clássica da poesia japonesa. 

A oração virou o mantra do malufismo defensivo. Há dezenas de anos, Adilson Laranjeira, assessor de imprensa do Paulo Maluf, calcula ter pronunciado a frase umas mil vezes. 

“A frase é imprescindível”, contou o assessor numa tarde na sede do Partido Progressista em São Paulo.  Adilson Laranjeira despachava em uma sala claustrofóbica, no Bexiga, com paredes de tinta gasta, uma janela tão pequena que lembra um basculante, e uma televisão que vive ligada. Sobre a mesa jazem jornais amarfanhados, vidros de xarope expectorante e um telefone celular antigo. 

“Toda semana é uma acusação, mas papel provando as denúncias nunca apareceu nenhum”, disse Laranjeira, antes de emendar, escandindo cada sílaba, talvez pela milésima primeira vez: “Paulo Maluf não tem nem nunca teve conta no exterior.”

A frase-mater foi usada pela primeira vez em 2000, durante a campanha de Maluf à prefeitura. 

Ele fala de jornalismo com autoridade. Foi chefe de reportagem da Folha de S. Paulo. Laranjeira era um chefe à primeira vista atemorizante: enorme, sarcástico, entediado e cheio de perguntas pertinentes e destrutivas aos jovens repórteres que voltavam da rua certos que tinham uma boa matéria. Só levantava da cadeira para discutir a primeira página com o diretor de redação, Boris Casoy. 

Em 1994, quando estava na Folha da Tarde, veio o convite de Paulo Maluf. 

Perguntado se não haveria apenas dois terráqueos – ele próprio e a Sra. Sylvia Maluf – a acreditar no que diz o ex-prefeito, Laranjeira foi, mais uma vez, profissional. “De jeito nenhum. Muita gente acredita!”, bradou. “Olha, converso com o Paulo mais do que falo com a minha mulher. Se o cara esconde algo, uma hora ele se trai. E, em todos esses anos, ele nunca, nunca escorregou em nada”. (dados da Piauí)

A célebre frase pode muito bem figurar na lápide do acusado: “Aqui jaz Paulo Maluf, que não tem nem nunca teve conta no exterior.”

Nos últimos tempos tem chamado a atenção de todos, a ligeireza com que a assessoria do Aécio Neves tem se apresentado na mídia, imediatamente quando o ex-governador mineiro é citado em algum rolo (e são tantos) ou é mencionado em alguma operação da Polícia Federal. O mantra difere um pouco: " O Senador Aécio Neves sempre esteve a disposição das autoridades para prestar qualquer esclarecimento"

É a vida...

Viver é Perigoso

NA ESTRADA NOVAMENTE



Caros amigos,

De volta na estrada.

Viver é Perigoso

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

SÓ BLUES



Viver é Perigoso

DESERTA ?


No mínimo curioso e de chamar a atenção, uma vez que imagina-se tratar de uma oportunidade comercial que costuma interessar a todos os bancos. Lembrando, que o contratado, até então em vigor, era com a Caixa Econômica Federal, rompido unilateralmente pela Prefeitura de Itajubá.

Ata de classificação do Pregão Presencial nº 108/2018, promovido pela PMI, para contratação de instituição financeira pública ou privada para a prestação de serviços de gerenciamento e processamento da folha de pagamento dos servidores públicos do município de Itajubá.

A pregoeira faz constar que a presente licitação foi declarada DESERTA.

Por falar nisso, será que saiu o famoso empréstimo aprovado pela Câmara Municipal, de R$ 20 e poucos milhões, junto ao setor bancário com garantias de recebíveis ?  

Viver é Perigoso

JOÃO SÓ


Doravante só João Teixeira de Faria.

Viver é Perigoso

CAMINHONEIROS

Viver é Perigoso

NÃO ESCAPA UM !


Como dizia, em alto e bom som, uma Professora do Grupo Escolar Rafael Magalhães, na Boa Vista: 

- Não escapa um ! Quem passou por cargos políticos, inevitavelmente, tomou conhecimento, chegou a presenciar, em alguns casos compartilhou, ou ainda fingiu não perceber a existência de esquemas não republicanos. Resumindo: corrupção.

O País não terá novos rumos jogando o lixo dos últimos 20 anos para debaixo de um gigantesco tapete.  Providencias são esperadas e com certeza serão tomadas pela gente nova no poder. Com o instrumento das denúncias muitos, inimaginavelmente, cairão.

Daí advirá um tempo de certezas.

Enfim... a profissão mais promissora no mercado  é a de advogado criminalista. Ou melhor, bom advogado criminalista.

Viver é Perigoso 

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

GRRRRRR...AU,AU,AU....

Viver é Perigoso

SÓ PARA CONTRARIAR

Claro que todos nós ficamos felizes com as melhorias e os investimentos privados que vêm acontecendo em Itajubá. Bem vindo um Supermercado Atacado/Varejo que poderá significar novas oportunidades para o consumidor. Da mesma forma que um conjunto de salas de cinema, também possível por um investimento privado e com o amparo da população que cedeu uma área nobre para a sua construção.

Como também, todos nós ficamos tristes e preocupados com as notícias das dificuldades atravessadas pelo grande empregador Frivasa e outros ainda não confirmados. Seguida da da constatação da incapacidade da Administração Municipal, nos últimos 6 anos, de promover a criação de um mínimo de novas oportunidades de trabalho na cidade.

O impacto causado por bombásticos anúncios das modernidades do cinema "sustentável" em todas as mídias, acaba deixando em segundo plano a necessidade de sustentação dos empreendimentos, que, desde antigamente, vem sendo conseguida com a presença de usuários com recursos advindos dos empregos.

Interessantes as informações na imprensa sobre o moderno cinema em construção na cidade. Segundo as autoridades, estaremos diante de uma das unidades de cinema mais modernas do mundo. Da América Latina, com certeza.

Para aqueles que têm carros elétricos, um conforto: no estacionamento do cinema terão acesso a carregadores de bateria.

No caso da enorme maioria, aventura mesmo será deslocar-se do bairros até o cinema, localizado no Parque Municipal. No mínimo dois ônibus.Um até o centro da cidade e outro até o Distrito Administrativo.

O futuro chegou na terrinha.

Viver é Perigoso

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

CANTINHO DA SALA

Henri Matisse -  O Palhaço 1943 - MoMa NY.
Viver é Perigoso

O QUE SERÁ ISSO ?


Atenção senhores prestadores de serviços de qualquer natureza:

Publicado hoje o Edital de Licitação, 112/2018, na modalidade de Pregão Presencial, da Prefeitura de Itajubá  para "contratação de licenciamento de uso temporário de sistema para a modernização da Administração Tributária Municipal, com  a finalidade de controlar a arrecadação e gerir o imposto sobre serviços de qualquer natureza".

Blog: Curiosidade: como é feito o controle hoje ? 

Viver é Perigoso


MOMENTOS MÁGICOS



Viver é Perigoso

JUÍZO MOÇADA !


"Fale, explique e ganhe a confiança das pessoas. Sem isso fica difícil."

FHC

Blog: De forma alguma, significa para o responsáveis pela Administração Pública, uma humilhação ou sinal de fraqueza. Pura manifestação de grandeza, de responsabilidade e uma obrigação. Tudo simples. 

Viver é Perigoso

ADVOGADO DE DEFESA

Viver é Perigoso

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

ROCK E BLUES



Viver é Perigoso

LIBEROU GERAL

A Câmara dos Deputados aprovou ontem uma espécie de “relaxamento” para aos prefeitos de municípios que não tem cumprido com os requisitos da Lei de Responsabilidade Fiscal. 

O Projeto de Lei Complementar 270/16, veda sanções a quem ultrapasse o limite para a despesa total com pessoal nos casos de queda de receita. 

A medida já havia sido aprovada no Senado em abril de 2016 e como foi aprovado na Câmara sem alterações no texto agora segue para sanção do presidente Michel Temer.

Viver é Perigoso

TEMPOS COMPLICADOS

Cristiane Brasil e seu pai, Roberto Jefferson
Viver é Perigoso

NINGUÉM É DE FERRO


Numa hora dessas a gente fica sabendo do Pregão Eletrônico Nº 115/2018, da Prefeitura Municipal de Itajubá, para compra de aparelhos de ar condicionado e cortina de ar (sim, isso mesmo !) para atender a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo e dá um frio...

Logicamente, terão o cuidado de comprar aparelhos quente/frio, afinal...

Tomara que tenham uma justificativa.

Viver é Perigoso

VERGONHA !

Viver é Perigoso

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

EM CARTAZ !


Sou do tempo em que os padres cantavam e oravam em igrejas e praças públicas. De graça, com graça e para a graça. 
Promovido pela Associação Comercial de Itajubá. Ah ! no teatro da cidade.
Segundo informado, a comprovação de compras, no comércio local, no valor de R$ 2 mil, daria direito a um ingresso para o Show do padre cantor.
A ACIEI poderia dar um presente para os admiradores do Padre Melo, promovendo um segundo show num local aberto.

Na internet, alguns desistentes estão oferecendo ingresso por algo em torno de R$ 150.

Viver é Perigoso

SALDÃO



Deu na Coluna Esplanada:

Encalharam nas livrarias de Brasília duas biografias de nomes nacionais do cenário político que caíram em desgraça (eleitoral e judicial). O preço de “A vida quer é coragem”, sobre história de Dilma Rousseff, caiu de R$ 39,90 para R$ 2,99. Já “Aécio Neves: Quando a política vale a pena” (será?) teve baixa de R$ 29,90 para R$ 4,95.

Convenhamos, ter uma história sobre a sua vida colocada à venda por menos de R$ 5,00, é dose. Enfim, consegui achar duas boas sugestões para presentear alguns inimigos secretos.

Nada contra, mas jamais cheguei perto de um livro de poesias do José Sarney, e de livros escritos pelo Paulo Coelho e Chico Buarque. Continuo gostando das músicas do Chico compostas quando ele ainda tinha juízo e das letras do Paulo Coelho para as músicas do Raul Seixas.

Viver é Perigoso

ROU, ROU, ROUBOU...MAS O GILMAR, SO, SO, SOLTOU

Viver é Perigoso

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

LEI DO SILÊNCIO ? ERRAMOS !

 

Tomamos conhecimento que o Vereador independente, Marcelo Krauss, convidado, foi entrevistado na Rádio Itajubá AM pelos excelentes Elaine Romão e Roberto Calado.
Reconhecimento ao Vereador, também independente, diretor da emissora, Dr. Zambrana.

Abrir espaço para independentes, praticamente em todos os espaços da terrinha, é quase suicídio.

Viver é Perigoso

PHOTOGRAPHIA NA PAREDE

Fidel Castro
Viver é Perigoso

ATOS INSTITUCIONAIS E COMPLEMENTARES


A moçada muito fala nos Atos Institucionais, num total de 17, baixados pelo poder executivo no período de 1964 a 1969, regulamentados por 104 atos complementares. As normas, editadas pelo Presidente da República, com respaldo dos Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, estavam acima da Constituição. O objetivo, segundo os governos da época, era combater a corrupção e a subversão. 

O mais terrível de todos foi o Ato Institucional - 5, publicado no dia 14 de dezembro de 1998. Será muito comentado na imprensa quando dos seus 50 anos. 

Resumindo:

AI-1 - Foi editado em 9 de abril de 1964.- Dava ao governo militar o poder de alterar a constituição, cassar leis legislativas, suspender direitos políticos por dez anos e demitir, colocar em disponibilidade ou aposentar compulsoriamente qualquer pessoa que tivesse atentado contra a segurança do país, o regime democrático e a probidade da administração pública. Determinava eleições indiretas para a presidência da República. 

AI-2 - Instituiu a eleição indireta para presidente da República, dissolveu todos os partidos políticos existentes desde 1945, aumentou o número de ministros do Supremo Tribunal Federal de 11 para 16, reabriu o processo de punição aos adversários do regime e estabeleceu que o presidente poderia decretar estado de sítio por 180 dias sem consultar o Congresso. Também poderia o presidente intervir nos estados, decretar o recesso no Congresso, demitir funcionários por incompatibilidade com o regime e baixar decretos-lei e atos complementares sobre assuntos de segurança nacional.

AI-3 - Editado em 5 de fevereiro de 1966, que estabelecia que os governadores e vices seriam eleitos indiretamente por um colégio eleitoral, formado pelos deputados estaduais. Também estabeleceu que os prefeitos das capitais seriam indicados pelos governadores, com aprovação das assembleias legislativas. 

AI-4 - Editado em 7 de dezembro de 1966, convocou ao Congresso Nacional o estabelecimento de uma nova carta constitucional - a Constituição de 1967 - que revogaria de forma definitiva a Constituição de 1946.

AI-5 - Concedia ao Presidente da República, dentre outros, os poderes de cassar mandatos, intervir em estados e municípios, suspender direitos políticos de qualquer pessoa e, o mais importante, decretar recesso do Congresso e assumir suas funções legislativas no ínterim. O AI-5 também suspendeu o Habeas Corpus para crimes políticos. Por consequência, jornais oposicionistas ao regime militar foram censurados, livros e obras "subversivas" foram retiradas de circulação e vários artistas e intelectuais quiseram se exilar no estrangeiro.

AI-6 - Foi editado em 1 de fevereiro de 1969, reduziu de 16 para 11 o número de ministros do STF. Estabeleceu também que os crimes contra a segurança nacional seriam julgados pela justiça militar e não pelo STF.

AI-7 - Foi editado em 26 de fevereiro de 1969, suspendendo todas as eleições até novembro de 1970.

AI-8 - Foi editado em 2 de abril de 1969, estabelecendo que estados, Distrito Federal e municípios com mais de 200.000 habitantes poderiam fazer reformas administrativas por decreto.

AI-9 - Foi editado em 25 de abril de 1969. Seguindo a esteira dos atos institucionais anteriores, estabeleceu regras para a reforma agrária cuja doutrinação tinha cunho estritamente conservador. Dava poder ao presidente para delegar as atribuições para a desapropriação de imóveis rurais por interesse social, sendo-lhe privativa a declaração de zonas prioritárias. 

AI-10 - Foi editado em 16 de maio, determinava que as cassações e suspensões de direitos políticos com base nos outros atos institucionais acarretariam a perda de qualquer cargo da administração direta, ou indireta, instituições de ensino e organizações consideradas de interesse nacional.

AI-11 - Foi editado em 14 de agosto de 1969. Estabeleceu novo calendário eleitoral, fixando a data das eleições gerais para prefeitos, vice-prefeitos e vereadores - as quais estavam suspensas. 

AI-12 - Foi editado no dia 30 de agosto de 1969. Face aos sintomas de trombose cerebral apresentados pelo Presidente Costa e Silva, estabeleceu que uma junta militar composta pelos ministros militares assumiria o poder e não o vice-presidente Pedro Aleixo, como mandava a constituição. 

AI-13 - Estabelecia o "banimento do território nacional de pessoas perigosas para a segurança nacional", 

AI-14 - Ato Institucional Número Quatorze ou AI-14, que estabelecia a modificação do artigo 150 da constituição, com a aplicação da pena de morte nos casos de comprovada participação em atos de terrorismo que resultasse em morte e também em "guerra externa, revolucionária ou subversiva"

AI-15 - O Ato Institucional Número Quinze, ou AI-15, foi editado no dia 9 de setembro de 1969 fixando as eleições nos municípios sob intervenção federal para 15 de novembro de 1970.

AI-16 - O Ato Institucional Número Dezesseis, foi editado em 14 de outubro de 1969. Declarou vagos os cargos de presidente e vice-presidente da República, marcando para o dia 25 seguinte a eleição presidencial indireta pelo Congresso Nacional, em sessão pública e por votação nominal. Fixou também o fim do mandato do presidente eleito em 15 de março de 1974, e prorrogou os mandatos das mesas da Câmara e do Senado até 31 de março de 1970.

AI-17 - O Ato Institucional Número Dezessete, ou AI-17, também editado em 14 de outubro de 1969, autorizava a junta militar a colocar na reserva os militares que "tivessem atentado ou viessem a atentar, comprovadamente, contra a coesão das forças armadas". Uma forma encontrada para conter a oposição encontrada pela indicação de Médici.

Viver é Perigoso


SEMPER FIDELIS


A imagem de Sully, o cão do ex-presidente George H.W. Busch, de vigia junto ao seu ataúde.

Emociona.

Viver é Perigoso

VINHO NACIONAL (DOS BRASILEIROS)


Condenado por lavagem de dinheiro e cumprindo prisão domiciliar em São Paulo, o deputado federal cassado Paulo Maluf colocou sua adega à venda.

Trata-se de uma das mais célebres adegas do País.

Maluf é tido como o maior colecionador de Romanée-Conti do Brasil. E das melhores safras, ou seja, as de 1961, 1966, 1971, 1978, 1985 e 1990. 

Aliás, o mais caro dos vinhos oferecidos é uma garrafa magnum (de 1,5 litro) do Romanée-Conti, safra 1971. Maluf pede por esse néctar da Borgonha US$ 66,8 mil, o equivalente a R$ 258 mil.

Informações dão conta que estão disponíveis para a comercialização, 862 garrafas das melhores safras dos grandes vinhos da Borgonha. 

Quem se interessar, vai pagar um total de US$ 3.889 milhões (cerca de R$ 15 milhões).

Os negócios serão fechados com pagamentos em dinheiro vivo.

É a vida...

Viver é Perigoso

O "X" DA QUESTÃO !


Juízo Moçada ! 

Após sete anos sem fazer licitação para varrição de ruas a cidade de São Paulo pode pagar R$ 171 milhões a menos por ano pelo serviço na cidade. 
A redução de cerca de 20% do preço do serviço em relação ao valor de referência da licitação em andamento na Prefeitura é o cenário que surgiu das melhores propostas das empresas classificadas. 
O contrato assinado em 2011, na gestão Gilberto Kassab, vem sendo prorrogado anualmente, amparado nos chamados "acordos emergenciais". (deu no Estadão).

Como segue o contrato de limpeza pública na terrinha ?

Viver é Perigoso

E PARA ELES NADA ?

Viver é Perigoso

domingo, 2 de dezembro de 2018

SOB A LUZ DE VELAS


Toda unanimidade é burra.
Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar.

Nelson Rodrigues

Viver é Perigoso

COISA DE CINEMA


Ouvido ontem na Boa Vista, é claro :

Pessimista - Tenho visto na internet o Prefeito e Secretários empolgadíssimos com as obras do cinema municipal. Afirmam que as quatro salas de exibição serão inauguradas ainda este ano. Sei não...com essa crise toda e tanto desemprego na cidade.  

Otimista - Primeiro, não se trata de um cinema municipal. Embora as autoridades estejam acompanhando dia a dia o cronograma de obras e até a aquisição de materiais e o assentamento de tijolo por tijolo, trata-se de uma iniciativa privada. A prefeitura entrou só com a área de 8.000 m2 e a paisagem. E tem mais, nada melhor do que um cineminha para distrair entre a entrega de um currículo e outro. Seguindo o seu raciocínio de desemprego, público é que não irá faltar.

Viver é Perigoso 

PORQUE HOJE É DOMINGO



Viver é Perigoso

VELHINHOS

Viver é Perigoso

FAHRENHEIT 451


Fahrenheit 451 é um romance escrito por Ray Bradbury e publicado, pela primeira vez, em 1953. O romance apresenta um futuro onde todos os livros são proibidos, opiniões próprias são consideradas antissociais e hedonistas, e o pensamento crítico é suprimido. 

O personagem central, Guy Montag, trabalha como "bombeiro" (o que na história significa "queimador de livro"). O número 451 é a temperatura (em graus Fahrennheit da queima do papel, equivalente a 233 graus Celsius.

Em setembro de 1966 foi lançado o filme com o mesmo nome. Uma adaptação do livro de Ray Bradbury, com a direção de François Truffaut, com Oskar Werner e a belíssima Julie Christie. 

Impressionante a cena da mulher no meio dos livros que os bombeiros queimam e a frase da rebelde, subversiva personagem interpretada por Julie Christie ao bombeiro Montag.

– “Do you ever read the books you burn?”

“Você alguma vez lê os livros que queima ?”

Por causa dessa pergunta, Montag vai passar a ler os livros que antes apenas queimava.

Viver é Perigoso

LÁ, COMO AQUI !


Diferente do que ocorre no Brasil, os juízes da instância máxima do Poder Judiciário sueco não têm direito a carro oficial com motorista e benefícios extra-salariais como auxílio-saúde, auxílio-moradia, gratificação natalina, verbas de representação, auxílio-funeral, auxílio pré-escolar para cada filho, abonos de permanência e auxílio-alimentação.

No antigo palacete que abriga a Suprema Corte sueca, próximo ao Palácio Real de Estocolmo, imensas pinturas a óleo retratam nobres representantes da corte no passado, como marcas de um tempo em que havia lacaios e a aristocracia era predominante no Poder Judiciário. Nos pequenos escritórios dos juízes, não há secretária na porta, nem assistentes particulares.

No sistema sueco, os magistrados contam com uma equipe de assistentes que trabalha, em conjunto, para todos os 16 magistrados da corte. São mais de 30 profissionais da área de Direito, que auxiliam os juízes em todos os aspectos de um caso jurídico.
O tribunal conta ainda com uma equipe de cerca de quinze assistentes administrativos, que auxiliam a todos os juízes. Ou seja: nenhum juiz tem secretária ou assistente particular para prestar assistência exclusiva a ele, e sim profissionais que lidam com aspectos específicos dos casos julgados pela corte.

E nenhum juiz - nem mesmo o presidente da Suprema Corte - tem direito a carro oficial com motorista.

O período máximo de férias a que os juízes suecos têm direito é de 35 dias por ano. 

Presentes a juízes, também são inaceitáveis. Ninguém ofereceria a um juiz coisas como dinheiro, viagens de cruzeiro ou mesmo garrafas de bebida. Isso simplesmente não acontece. 

Não há foro privilegiado para juízes e desembargadores.

Afirma o Juiz sueco Carsten Hellend

"Um sistema de justiça deve ser justo. As Cortes de um país são o último posto avançado da garantia de justiça em uma sociedade, e, por essa razão, os magistrados devem ser fundamentalmente honestos e tratar os cidadãos com respeito. Se os juízes e tribunais não forem capazes de transmitir essa confiança e segurança básica aos cidadãos, os cidadãos não irão respeitar o Judiciário. E, consequentemente, não irão respeitar a lei. É simplesmente impossível, imaginar a aprovação de benefícios extra-salariais a juízes na Suécia.
Temos um sistema democrático, que regulamenta o nível salarial da categoria dos magistrados, assim como dos políticos. E temos uma opinião pública que não aceitaria atos imorais como a concessão de benefícios para alimentar os juízes às custas do dinheiro público.
Um Judiciário que perde o respeito da população pode provocar uma explosão de desordem na sociedade. Quando o sistema de justiça de um país não é capaz de obter o respeito dos cidadãos, toda a sociedade é rompida pela desordem. Haverá mais crimes, haverá cada vez maior ganância na sociedade, e cada vez menos confiança nas instituições do país. Juízes têm o dever, portanto, de preservar um alto padrão moral e agir como bons exemplos para a sociedade, e não agir em nome de seus próprios interesses". 

Extraído da BBC-Brasil

Viver é Perigoso



MOÇA BONITA



Odile Marie-Josèphe Léonie Bérard, simplesmente, Odile Rodin. O Rodin foi assumido devido a beleza do seu corpo, numa analogia ao famoso escultor francês Auguste Rodin.

Nascida em Lyon em 1937, atuou em dois filmes, com Brigitte Bardot e Danielle Darrieux.

Odile, Casou-se aos 17 anos com o playboy Porfirio Rubirosa . Após a morte do marido num acidente de carro em 1965, passou a morar no Rio de Janeiro, onde se casou com o empresário carioca Paulo Marinho.

Separados, ela teve um relacionamento com Alexandre Onassis e segundo informações, ela vive hoje em New Hampshire casada com um americano.

Também importante na história o seu ex-marido carioca, Paulo Marinho, 13 anos mais novo que Odile.

Paulo Marinho, que hoje é uma das figuras mais próximas do presidente eleito, Jair Bolsonaro, também foi casado com a atriz Maitê Proença, com quem viveu por 13 anos e tem a filha Maria.

Paulo Marinho é amigo de poderosos. Desde Zé Sarney até Zé Dirceu. Foi eleito suplente de senador, pelo Estado do Rio de Janeiro, do filho do Bolsonaro.

É a vida...

Viver é Perigoso 

sábado, 1 de dezembro de 2018

CANTINHO DA SALA

Gerhard Richter - 1976.
Viver é Perigoso

ROTEIRO DE CINEMA


ÀS FAVAS COM OS ESCRÚPULOS - Marcelo Rubens Paiva

Vale a pena ler. Triste episódio da história nacional, que completará 50 anos nos próximos dias 13/14.

Tudo começou com o Ato Institucional Número 1 (AI-1), baixado pela Junta Militar em 9 de abril de 1964. Cem personalidades, entre militares, deputados, governadores, economistas, políticos, jornalistas, que trabalhavam para o governo deposto, foram presos, exilados e cassados.

O País teria eleições gerais em 1965. Castelo Branco prometeu cumprir o calendário. Sabia-se por uma pesquisa do Ibope não divulgada que Juscelino Kubitschek ganharia com folga. Baixaram o AI-2: mais cassações, partidos políticos extintos e intervenção no Judiciário. Em 1966, o AI-3: eleições para governadores, prefeitos das capitais, estâncias e cidades de segurança nacional canceladas. O AI-4 revogou a Constituição de 1946 e proclamou outra. Até o golpe final, o AI-5, que faz 50 anos.

Em setembro de 1968, um quebra-quebra na UnB entre polícia e estudantes sobrou para deputados da oposição, que foram ao Congresso denunciar. Em 2 de setembro, o deputado Márcio Moreira Alves, Marcito, perguntou se Exército era um “valhacouto de torturadores?”. Foi almoçar. Voltou e, em referência a Lisístrata, de Aristófanes, que assistira no Teatro Ruth Escobar, comédia grega em que mulheres de várias cidades, cansadas de perder maridos e filhos numa guerra de mais de 20 anos, organizaram uma greve de sexo, sugeriu que brasileiras que se relacionassem com militares as imitassem.

O repórter de Brasília Rubem Azevedo Lima achou inusitada a comparação e publicou nota na Folha de S. Paulo. Deputado carioca bon vivant abriu uma crise no governo. O ministro Gama e Filho pediu que o Congresso abrisse processo contra o deputado. Em 11 de dezembro de 1968, por 216 a 136, votou contra.

O governo fechou o Congresso, e deputados tiveram que atravessar um corredor polonês de soldados com baionetas. Marcito partiu para o exílio com a mulher. Às 3 da tarde de 12 de dezembro de 1968, presidente Costa e Silva, chamado de “molengão” pelo ministro do Interior, general da linha-dura Albuquerque Lima, chegou ao Palácio das Laranjeiras e convocou o Conselho de Segurança Nacional.

Na noite de quinta-feira do dia 12 de dezembro de 1968, escutou relatos do general Garrastazu Médici, do SNI: uma luta armada estava em andamento; um sem-número de assaltos a bancos foram comandados pela ALN, de Marighella; em junho a VPR lançou um carro-bomba contra o quartel-general do 2.º Exército; na Cobrasma, em Osasco, 10 mil trabalhadores cruzaram os braços; a morte do estudante secundarista Edson Luís num confronto com a polícia provocou a Passeata dos Cem Mil; comunistas promoveram quebra-quebra no comício do governador Abreu Sodré (SP); em Ibiúna 920 foram presos num congresso clandestino da UNE.

Então, listou casos de indisciplina na tropa: em setembro, sindicância apurou que o brigadeiro Burnier usaria o Para-Sar para atentados políticos; capitães reclamaram de salários baixos e lançaram manifesto em novembro. Médici quer a decretação do estado de sítio. Costa e Silva diz: “Poder é como salame, toda vez que você o usa bem, corta só uma fatia, se usa mal, corta duas, mas se não usa, cortam-se três, e, em qualquer caso, ele fica sempre menor”.

Souberam do editorial duro escrito por Julio de Mesquita Filho, Instituições em Frangalhos, que o Estadão rodaria na madrugada. Uma operação militar foi desligar as rotativas do jornal. No dia 13 de dezembro, o jornal é impedido de circular.

À noite, Costa e Silva viu em Laranjeiras um faroeste com ministros mais íntimos. Soube que o general, comandante da Vila Militar, João Dutra de Castilho, estava rebelado. Na madrugada e durante todo o dia 13 de dezembro, no bucólico palácio, foi concebida a ditadura na ditadura, o golpe no golpe.

Na manhã do dia 13, Gama e Silva revisou as cinco páginas do AI-5. Generais foram à tarde ao QG do ministro Lira Tavares. General Muricy, chefe do Estado Maior do Exército, achava que “precisavam começar tudo de novo”. General Muniz de Aragão: “Se o presidente está vacilante, que seja atropelado”. Decidiram que Orlando Geisel, chefe do Emfa, iria a Laranjeiras expor a situação.

Geisel chegou com comandante do Primeiro Exército, Syseno Sarmento. Costa e Silva não os recebeu, subiu para o primeiro andar e se trancou. Ficou ouvindo música, esperando o vice, Pedro Aleixo. Às 16h, desceram para a reunião no grande salão e leu o AI-5. “Ou a revolução continua ou se desagrega”, disse. Pedro Aleixo discordava do ato. O ministro do Exército Lyra Tavares falou da grande tensão no País. Magalhães Pinto, chanceler, falou que o direito do cidadão deveria ser resguardado. Delfim Neto, plenamente de acordo com o Ato, disse que não era suficiente e deveria se estender para a economia. Jarbas Passarinho chamou a reunião de histórica e disse a frase que a marcou: “Às favas todos os escrúpulos de consciência”.

O locutor da Agência Nacional, Alberto Curi, o leu na TV. Lacerda, JK, Sobral Pinto foram presos, 66 professores, como Caio Prado, FHC, Florestan Fernandes, foram expulsos das universidades, Marília Pêra foi trancada num mictório de quartel, Caetano e Gil foram presos em São Paulo, tiveram suas cabeças raspadas e foram expulsos do País. Chico Buarque, Vinicius de Moraes, Raul Seixas, Geraldo Vandré, os diretores de teatro Augusto Boal e Zé Celso se exilaram. O Congresso Nacional ficou fechado até 21 de outubro de 1969.

Um homem só, o general, poderia intervir no Congresso, Assembleias, Câmaras de Vereadores, Poder Judiciário, Estados e municípios, suspender os direitos políticos de qualquer cidadão, cassar mandatos eletivos, decretar o confisco de bens e o estado de sítio. Instituiu censura e o fim do habeas corpus.

Escrevi essa sinopse de um longa há três anos, baseado em Elio Gaspari, claro, e muita pesquisa. Não saiu do papel. O Brasil não conta a sua história. Não fez um filme que retratasse a ditadura, digno do Oscar, como História Oficial, Segredo dos Seus Olhos, No, Missing, Estado de Sítio, Uma Noite de 12 Anos, entre outros. Não por outra, alguns a querem de volta. - Marcelo Rubens Paiva

Viver é Perigoso

NO MÉXICO, O CRIME COMPENSA


Tomando posse hoje a novo presidente do México. O esquerdista Andrés Manuel López Obrador, que mudou substancialmente duas importantes promessas de campanha.

Decepcionou os seus eleitores ao anunciar, depois de eleito, que perdoaria os corruptos do país para que se pudesse começar do zero.

Os escândalos de corrupção se acumulam, em um país onde 95% dos crimes ficam impunes.

Obrador também prometeu uma anistia para narcotraficantes.

Como disse Porfirio Díaz, ex-presidente do México, que dominou a política do País, de 1894 até 1911: 

"Pobre México. Tão longe de Deus e tão perto dos Estados Unidos."

Viver é Perigoso

PARA UM GRANDE AMIGO



Viver é Perigoso

AGORA A FESTA É NOSSA !

Jair Bolsonaro participa de formatura de sargentos da Aeronáutica em Guaratinguetá  

Viver é Perigoso

OUTROS TEMPOS


No final dos anos 90, foi divulgado nas colunas sobre economia dos grandes jornais, a intenção da empresa petrolífera americana, Pennzoil, de Houston (Texas) de produzir óleos lubrificantes para automóveis no Brasil, tendo como parceira no País, o grupo financeiro Brasilinvest, dirigido então, pelo empresário Mario Garnero. 

O projeto era de se construir uma grande unidade produtiva no Rio de Janeiro e outra de porte médio no interior do País.

Não sei como chegamos lá, mas numa manhã estavamos, o Prefeito Chico e eu, então Secretário de Ciência e Tecnologia de Itajubá, na sala do Sr. Mario Garnero, num grande prédio da Av. Faria Lima, em São Paulo.

A intenção era de colocar Itajubá dentre as cidades a serem estudadas para receber o investimento. A conversa esticou e, talvez com a agenda livre, prosseguiu sobre assuntos outros até a hora do almoço, entre um telefone e assinaturas de documentos feitas pelo empresário.

Lógico, que havíamos estudado muito sobre os outros interesses, inclusive familiares do Sr. Garnero.

Fomos convidados para almoçar. Talvez o Sr. Garnero tenha ficado surpreso com a nossa petulância.

Interessante: Mario Garnero, dedicou um bom tempo da conversa para falar de sua amizade e da vida do seu grande e amigo e parceiro em negócios, George H. W. Busch), ex- presidente dos EUA de 1989/1993, e um dos donos da Pennzoil.

Informações para lá e para cá, que não deram em nada, em termos de negócios.

Sinceramente ? Pensávamos um pouco alto demais naquela época.

George H. W. Busch, tomou o barco hoje, com 94 anos de idade. 

Viver é Perigoso




TENTATIVA DE FUGA

Viver é Perigoso