sábado, 9 de dezembro de 2017

A QUEDA DO GENERAL


Antes de elogiar ou lamentar sobre um possível desprendimento seria bom pensar:

O General Antonio Hamilton Mourão irá para a reserva em março do próximo ano. Teria tempo para se filiar a um partido e sair candidato a algum cargo.

Em setembro passado o General já tinha provocado alguma turbulência ao mencioar o possibilidade de uma intervenção militar. Assanhou o pessoal da extrema- direita.

Não foi punido publicamente.

Na última quinta-feira, declarou o General Mourão:

"Nosso atual presidente,Michel Temer, vai aos trancos e barrancos, buscando se equilibrar, e, mediante o balcão de negócios, chegar ao final de seu mandato".

Hoje, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, confirmou que o presidente Michel Temer deverá assinar na segunda-feira o ato de exoneração do General Mourão.

Qualquer de nós podemos fazer o mesmo comentário sobre o governo Temer e não estaríamos falando inverdade. Nós podemos.

O General pode até pensar e cochichar entre os seus pares. Mas não pode se manifestar publicamente.

Nessa questão, exala um certo cheiro (ou seria aroma) de Bolsonaro no ar.

Veremos.

Viver é Perigoso

MOMENTOS MÁGICOS



A maioria das músicas originais de Grateful Dead são colaborações Hunter / Garcia, onde Jerry Garcia compôs a música e Robert Hunter escreveu as letras. 

Garcia já descreveu Hunter como "o membro da banda que não aparece no palco conosco

Ripple - é a sexta música no álbum Grateful Dead American Beauty - Robert Hunter escreveu a letra em 1970, em Londres. A música estreou em 18 de agosto de 1970 em Filmore West em San Francisco. Jerry Garcia compôs a música para a letra de Hunter. 

Várias linhas ao longo da música foram comparadas ao Salmo 23 da Bíblia Sagrada.

Viver é Perigoso

É A VIDA...


Em GoodWiew, um reino muito distante, o entediado rei resolveu fazer uma longa viagem. Cercado dos seus melhores conselheiros partiu numa missão técnica em busca de tecnologia para desenvolver a têmpera dos metais das espadas e armaduras.
Por dominar diversas línguas e ter o dom da comunicação, surpreendentemente, o Vice-Rei, nobre cavaleiro da melhor estirpe, também foi convocado para a missão. Partiram num domingo ensolarado.

Assumiu provisoriamente o reino, o fidelíssimo primeiro-ministro, que na segunda-feira, às 06:00 da manhã já estava à postos. Sentado, não no trono, mas na cadeira real, aguardava consultas.

Deu nove horas e nada. Sequer uma consulta ou um pedido de audiência. Ansioso, levantou-se, entre-abriu a pesada porta e sondou os corredores. Tudo normal, com serviçais e súditos diversos caminhando de lá para cá. Como sempre, com algum pergaminho nas mãos e demonstrando preocupação. Normal nos castelos.

Quase 10:00 horas e nem a pajem do cafezinho tinha passado. Providências teriam que ser tomadas. Chacoalhou a sineta real. Demorou um pouco mas a pajem apareceu.
- Alguma coisa Senhor ?
- Sim, um cafezinho.
Foi servido e o silêncio voltou a reinar.
Preocupado, levantou e deixou a porta apenas encostada. Escutava o ruído externo, mas nada de ser procurado.
Mesmo sentado, esticou a perna, e com o bico da sapatilha abriu a porta mais um pouquinho. E nada.

Deu meio-dia e ainda invicto, desceu para almoçar no amplo refeitório do castelo, imaginando que teria dificuldades para selecionar qual dos conselheiros receberia a honra de almoçar em sua mesa. Todos os comensais riam e conversavam com o som nas maiores alturas. Sua descida pela escada em curva, degrau por degrau, sequer foi percebida.

Ninguém para servi-lo. Foi de self service e a atendente não abriu mão sequer de receber o ticket alimentação real. Acenos com as cabeças ao longe. Educados e frios. Nada mais.

Bom, 14:00 horas e agora o expediente vai pegar para valer. Por via das dúvidas, portas democraticamente abertas. Pergaminhos espalhados pela mesa, caneta tinteiro de pena de pavão real nas mãos, movimentos preocupados, e nada.

Já nervoso : Ninguém virá pedir nada ? Nem um súdito da imprensa para uma entrevista?  Não precisaria ser na página 7. Uma pequena nota na primeira página já bastava.  

Uma semana. Cornetas e clarins anunciam o retorno de sua majestade. Uma rápida cerimônia de devolução do cargo. Sem fotografias.

Saiu como entrou. Totalmente pagão.

É a vida...em Goodwiew, of course.

Viver é Perigoso 

DIFERENCINHA BÁSICA


Aécio Neves teve uma participação importante nos últimos tempos da política nacional. Deputado Federal, presidente da Câmara, governador bem avaliado por duas vezes, candidato a Presidente da República com enorme votação.
Revelou-se tristemente numa conversada gravada com um conhecido corruptor. Caiu em desgraça política com impressionante rapidez.

Hoje:

O Senador Aécio Neves foi hostilizado neste sábado na convenção nacional do PSDB, em Brasília.
Aécio ouviu vaias e gritos de "fora!".
O locutor do encontro tentou contornar a situação. O mineiro não foi chamado para sentar à mesa montada no palco da convenção e, na sequência, deixou o evento. Ele ficou no local durante 40 minutos.

Lula da Silva foi eleito e reeleito Presidente da República. Aos trancos e barrancos e surfando sobre uma economia estabilizada por seu antecessor, aproveitando o boom do mercado externo, alguns interessantes programas sociais, conseguiu empurrar goela abaixo dos brasileiros uma despreparada sucessora, desalojada do poder.
Lula é um condenado pela justiça. Tudo indica que mais condenações o esperam por ter permitido e participado de falcatruas inimagináveis. Conseguiu quebrar moralmente o País.

Hoje:

O Senhor Lula da Silva, vem participando de estranhas caravanas pré-eleitorais ( ou seria despedida da liberdade de proferir besteiras), acompanhado por um séquito de políticos denunciados e claques à soldo, pregando coisas sem nexo. Aplaudido por pequenos grupos e acompanhado por olhares extasiados de admiradores, ou seriam seguidores, ou seriam enfeitiçados . Dentre eles, ditos intelectuais, artistas e gente estudada.

Talvez a diferença não esteja nos líderes, mas nos seguidores.

Viver é Perigoso
    

CANTINHO DA SALA


Joe Light - 1988 - Young Museum, San Francisco, California.
Joe Light nasceu em 1934 em Memphis, no Tennessee.Trabalhou em uma fazenda, durante a maior parte de sua juventude. Alistou-se no exército em 1951, convertendo-se depois ao judaísmo.Tomou o barco em 2005. 
Suas obras estão expostas nos grandes museus americanos.

Viver é Perigoso 

ENQUANTO ISSO...


Deu no site do Itajubá Notícias e no site www.vilautopia.com.br, a revista eletrônica de Itabira.

Os professores Dair José de Oliveira, diretor do campus da Unifei/Itabira, e Márcio Tsuyoshi Yasuda, diretor-adjunto, renunciaram aos mandatos no último dia 7 de dezembro. Mandatos, que só expirariam em 21 de junho de 2019.

Os professores divulgaram uma carta aberta expondo os motivos da renúncia – e se posicionando sobre a crise instalada entre o campus de Itabira e a reitoria da Unifei.

Resumindo:

"Como dissemos no início, sabíamos que enfrentaríamos muitas dificuldades, e, de fato, as enfrentamos. Neste relato, vamos nos ater a algumas das principais dificuldades entre tantas outras que marcaram os últimos anos.

"Tentamos buscar informações a respeito de se ter um curso de medicina em Itabira: pontos positivos, implicações, demandas e cuidados que deveríamos ter antes de dar prosseguimento ao projeto. Não fomos autorizados.

"No início deste ano, três picapes S-10 seriam levadas para o campus sede, sem nenhuma tratativa com a direção do campus, somente um comunicado para agendar a transferência. Foram levadas duas caminhonetes. A terceira permaneceu no campus em função do argumento que apresentamos de que a transferência estava em desacordo com uma cláusula do convênio com a Vale."

"Outro fato muito importante é a maneira como vem sendo conduzido o estudo sobre a possível divisão da unidade acadêmica do campus em mais unidades. Temos uma posição muito clara sobre o que consideramos ser a melhor opção, mas o ponto principal nem sequer se refere ao fato da divisão ocorrer ou não, mas sim à forma e à urgência com que o assunto, de relevante importância para o cumprimento da Missão do Campus, vem sendo tratado. 
Nesse processo, é natural que a assembleia da unidade acadêmica, o Conselho do Campus e outros segmentos da nossa comunidade queiram participar de forma mais efetiva e tenham oportunidade de ser ouvidos e melhor esclarecidos; a nossa interpretação é que esta atitude de buscar um diálogo mais esclarecedor e uma busca de mais e melhores informações e estudo/análise de modelos, constitui uma obrigação nossa e não um desrespeito à comissão constituída pelo Consuni ou ao próprio Consuni. (Conselho da Unifei )"

"Nesse sentido, o Conselho do Campus, ao qual presidimos, decidiu fazer uma consulta pública à comunidade acadêmica, aprovando o encaminhamento feito por um de seus conselheiros e da própria comunidade acadêmica. 
Lamentavelmente, essa consulta foi proibida pela reitoria e tratada como desrespeito à comissão e ao Consuni. O que nunca foi o nosso objetivo ou, sequer, intenção. Pretendíamos, tão somente, ouvir a opinião de uma maior quantidade de pessoas para melhor fundamentarmos a nossa atuação nas mais diversas instâncias nas quais o assunto vem sendo institucionalmente estudado e submetido às instâncias de decisão apropriadas."

"A situação demonstra claramente a dimensão da crise vivida no campus da Unifei em Itabira, com profundas divergências políticas, ideológicas e administrativas entre os grupos locais que até então estavam no poder – e os que gravitam em torno da reitoria de Itajubá."

Concluem, citando Barack Obama:

“A mudança não virá se esperarmos por outra pessoa ou outros tempos. Nós somos aqueles por quem estávamos esperando. Nós somos a mudança que procuramos.”

Observação:

Uma outra crítica deve incluir o abandono do projeto universitário de Itabira tal como foi concebido pelo ex-reitor Renato Aquino, que previa a instalação de um parque tecnológico no próprio distrito industrial, anexo ao campus universitário.

Viver é Perigoso

ROUPA NOVA, HEIN ?

Dialogo acontecido no Alvoradão, na Boa Vista, é claro;

- Pois é Camarada, dessa vez teremos novidade na abertura do natal comercial da cidade que acontece com o tradicional desfile na Rua Nova.

- Sorteio de brindes ? Conjunto de sertanejo universitário ? queima de fogos ?

- Nada disso. Os dirigentes empresariais e autoridades municipais, participantes da pioneira comitiva a São Francisco, devem abrir o desfile, na chamada "Comissão de Frente", trajando a última moda de camisetas e jaquetas trazidas dos States.

- É...faz sentido.


Viver é Perigoso

A GRANDE PERNADA


Creio que a história começou no final dos "50" e terminou rapidinho no início dos "¨60". Claro, foi em Itajubá.
No primeiro ano foi um sucesso sem precedentes. Quem não participou se arrependeu e ficou "chupando o dedo".
Falo das famosas cestas de natal. Duas marcas concorriam no mercado local. Cestas Amaral e Cestas Columbus.
Eram vendidas no início do ano, com carnet para pagamentos mensais, com direito ainda a sorteios de prêmios diversos.
Normalmente tinham uns três modelos ou séries, como chamavam. Diamante, ouro e prata. Variava o sortimento, que ia de uísque Drurys, conhaque Dreher, compotas, uvas passas, panetone, etc, etc.
Itajubá inteira comprou se preparando para o natal. Eram entregues nas vésperas direto na casa do cliente. Eram bonitas e de vime. Depois do natal a utilizavam para guardar o enxoval da moçada.
Resumindo: As empresas sumiram e ninguém viu cesta nenhuma.
E a vergonha de fazer alguma queixa? Virou gozação na cidade.
Foi o segundo grande "chapéu coletivo" que assolou Itajubá. 
O primeiro, como a história conta, foi a coça levada pelos itajubenses dos Delfinenses, quando tentaram, em comitiva,  buscar a imagem da Padroeira em Delfim Moreira, na época, a cidade vizinha era chamada de Itajubá Velha.

Ninguém gosta de falar do assunto.

Viver é Perigoso

SELFIE

Viver é Perigoso