sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

VENTOS DE GUERRA


Tudo a ver com a terrinha.

Reunião do conselho máximo da Fiemg nesta quinta-feira trouxe a BH os representantes de sindicatos industriais de todo o Estado e esquentou a disputa pela presidência da entidade. Apoiadores dos dois candidatos se lançaram à conquista dos sindicalistas que formam o colégio de 139 votos. Foram encontros e reuniões em série, que começaram na véspera.

O grupo do candidato oficial, Alberto Salum, depois de realizar um grande evento há dez dias, optou por conversas de bastidor e pequenas reuniões. Já a turma do oposicionista Flávio Roscoe, para fazer frente à mobilização anterior da situação, apostou em eventos públicos e grandiosos, o maior deles com “140 pessoas e 80 votantes” na contagem da coordenação.

Na sucessão na Fiemg está se desenrolando um segundo confronto, menos aparente, entre os dois ex-presidentes da entidade: Robson e seu antecessor Stefan Salej. Eles foram aliados e viraram desafetos. Ontem, enquanto Robson fazia corpo a copo para Salum, Salej agitava ao lado de Roscoe.

Raquel Faria - O Tempo

Blog: E o SIMMMEI, hein ? 

Viver é Perigoso

OH ! MINAS GERAIS


Ouvido agora cedo na Rua Nova:

- Ô Camarada, a tal de Zona Azul ainda nem começou e olhe só quantas vagas para estacionamento estão sobrando. Ou seria a chuvarada ?

- Penso que não. Com chuva sempre aumenta o número de carros nas ruas. Acontece que por ser sexta-feira, um número grande de pessoas pode estar viajando.

- Para São Francisco ? Faz sentido.

Viver é Perigoso 

PRÁ PENSAR

"Os políticos corruptos são parasitas, não têm vida própria. Um empresário consegue se reerguer. Mas o político sem poder morre de fome".

Juiz Marcelo Bretas

Viver é Perigoso

O FUNDO DO POÇO


Deu no Estadão:

...Vale reler a carta assinada no tempo de dom João VI pelo encarregado de negócios francês J.B.Maler sobre dom Fernando de Portugal, conde de Aguiar, no dia seguinte ao seu falecimento: 
"Depois de ter sido Governador-Geral em São Salvador e vice-rei no Rio durante treze anos, e primeiro-ministro nove anos, Aguiar morre sem legar uma choupana à viúva; sem deixar sequer uma mobília decente. Sei positivamente que não se achou em sua casa dinheiro suficiente para o custeio do funeral.
Tanta virtude, tamanho desprendimento seria formosíssimo em qualquer país, mas no Brasil, monsenhor, é admirável, é incrível".

Pedro Cavalcanti

Viver é Perigoso