quarta-feira, 29 de novembro de 2017

CANTINHO DA SALA

"Quero incendiar a Escola de Belas Artes com meus vermelhos e azuis." Essas são palavras de Maurice de Vlaminck, pintor francês, nascido em 1876, que revolucionou uma época.

A obra Restaurant “La Machine” está no Musée d'Orsay - Paris.

Maurice de Vlaminck, ao lado de André Derain e Henri Matisse, é considerado um dos principais nomes do movimento fauvista, surgido no final do século XIX e desenvolvido no início do século XX, que tinha por características principais o uso exacerbado de cores fortes.

O Fauvismo, tinha temática leve, baseada na alegria de viver e nas emoções, e não tinha fundamentação ou intenção crítica nem política.

O termo surgiu de uma expressão pejorativa, utilizada pelo crítico de arte Louis Vauxcelles ao ver uma obra de Henry Matisse, em 1905, no Salão de Outono, em Paris. 
A expressão utilizada pelo crítico, “Les Fauves”, significa “os selvagens”. 

Apesar dos artistas seguidores e dos adeptos do movimento renegarem a nomenclatura, esta acabou ficando na história da arte.

Viver é Perigoso

EM BRASÍLIA, 19:00 HORAS


Romero Jucá e Kátia Abreu
“A minha expulsão foi determinada por uma figura conhecida do Brasil e dos brasileiros, conhecida desde os letrados aos iletrados, conhecida desde os mais simples aos mais abastados, conhecida esta figura por ser uma pessoa nociva à vida pública brasileira e ave de rapina da coisa pública.
Das mãos de onde veio [a expulsão] é um atestado de boa conduta para o meu currículo. Essas pessoas que me expulsaram não servem ao país, eles se servem do país em seus benefícios próprios. 
Romero Jucá, esse canalha, esse crápula do Brasil, esse ladrão de vidas e almas alheias.
“Por que me expulsaram? Por que tenho princípios? Por que tenho ética? Por que tenho coerência? Por que não sou oportunista? Por que não faço parte de quadrilha? Por que não faço parte de conluio? Por que não estou presa? Por que não uso tornozeleira? Por que não tenho apartamento cheio de dinheiro? Ou por que não apareceu nenhuma mala com dinheiro da senadora Kátia Abreu? Será que é por esses motivos que fui expulsa?”

Senadora Kátia Abreu - Hoje no Senado

Blog: E agora ? Nada. 

Viver é Perigoso

É A VIDA...



Viver é Perigoso

CERCANDO O PERU


Escreveu, Luiz Ruffato para o El País.

Em dezembro as pessoas rendem-se ao consumismo desenfreado e, obedientes às luzinhas chinesas e aos obesos papai-noéis, inundam as ruas como se estivessem entorpecidas. Torna-se, então, obrigatório ser feliz – como se a felicidade dependesse única e exclusivamente do nosso poder de compra.

Essa volátil sensação de euforia que nos arrebata nesta época do ano serve apenas para nos alienar momentaneamente da realidade. 

O costume de oferecer presentes de Natal, assim como ocorre hoje em dia, é uma tradição recente, e faz parte do calendário de datas que alavancam a economia – como o Dia das Mães, o Dia dos Namorados, o Black Friday. 

Segundo dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, realizada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, em outubro 61,8% das famílias brasileiras estavam inadimplentes – sendo que 10,1% delas declararam não ter condições de pagar os débitos. Dívidas com atraso de um ano atingem um terço das famílias e 24% do total das famílias endividadas gastam metade da renda para quitar contas e dívidas em atraso. O prazo de endividamento médio, ou seja, o tempo que as famílias levam para saldar suas dívidas, é de 63,8 dias.

Neste Natal, cerca de 13 milhões de pessoas estarão desempregadas – 63,7% do total são pardos ou pretos, segundo definição do Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas). De acordo com o Banco Mundial, 45,5 milhões de brasileiros vivem abaixo da linha da pobreza. No entanto, todos, empregados e subempregados, serão, em dezembro, bombardeados com a mesma mensagem: compre, senão você não será feliz. Ou, em outras palavras: felicidade se compra em até doze vezes, sem juros, no cartão de crédito.

Hoje, quase ninguém mais lembra que o Natal é uma celebração religiosa. O que menos importa neste dia é recordar o nascimento de Jesus Cristo.  Ao Natal sucede o réveillon, as férias de verão e finalmente o Carnaval. E quando entrar março, endividados, estaremos às vésperas da eleição presidencial. Implacável, a realidade arrombará a nossa porta...

Luiz Ruffato - (resumido) El País

Viver é Perigoso

DISSERAM:


"Nunca se esqueça que apenas os peixes mortos nadam a favor da corrente."

Malcoln Muggeridge 

Viver é Perigoso

FACTOIDE NA TERRINHA, HEIN ?


Factoide - Informação, verdadeira ou não, divulgada com sensacionalismo para gerar um impacto diante da opinião pública de forma à manipulá-la e atrair audiência, de acordo com aspirações pessoais ou de grupos que se utilizam de sua influência na mídia. Estes, em alguns casos estão, ou aspiram ao poder, utilizando de sua influência na mídia.
 
Viver é Perigoso

ATÉ QUE NÃO FICOU RUIM



Viver é Perigoso

PRENDAM OS XERIFES, SOLTEM OS BANDIDOS !

Viver é Perigoso