sexta-feira, 24 de novembro de 2017

DISSERAM :


Nós, da imprensa, somos uns criminosos do adjetivo. Com a mais eufórica das irresponsabilidades, chamamos de "ilustre", de "insigne", de "formidável", qualquer borra-botas.

Nelson Rodrigues

VEJA DESTA SEMANA


Deu no "Viver é Perigoso" no dia 18 de novembro de 2013

"Caso mensalão. Muito falado e comentado porque até então, a impunibilidade aos "poderosos" era regra.
Pensando bem, tudo dentro da quase normalidade. 
Sob críticas, tão somente a demora no julgamento e a utilização das inúmeras protelações permitidas pela Lei.
Erraram, foram denunciados por um dos condenados (Roberto Jefferson), julgados com direito a assistência da mais nobre casta de advogados do país e sentenciados por um Juiz destemido.
Quem foram os grandes ganhadores ?
Justamente. Os grandes escritórios de advogados do país. Valores que ultrapassam dezenas de milhões de reais.
Pagos sabe lá por quem, uma vez que, exceto alguns privilegiados, todos condenados declaram ter um estilo espartano de vida.
E os admirados defensores não estão satisfeitos. Querem mais. Acenam para os condenados com possibilidades infinitas de argumentos e chances de tratamento diferenciado no cumprimento da pena.
Mais grana.
Nunca serão de conhecimento público os valores recebidos e muito menos a origem.
E se for estendida a temporada de "caça aos corruptos", os estrelados advogados estarão diante de um filão. "

É a vida.

Viver é Perigoso

PHOTOGRAPHIA NA PAREDE

Frida Kahlo e Diego Rivera, 1933.
Viver é Perigoso

PANORAMA VISTO DE CIMA


Não está fácil não. A Prefeitura vai adquirir um Drone - Veículo Aéreo Não Tripulado, para atender a Guarda Municipal.
Acontecerá através do Pregão Presencial nº 109/2017, no dia 04/12/2017, ás 14:00 horas.

Bom combinar com a Helibrás, senhora dos nossos ares há séculos.

Comentou um invejoso da Boa Vista, é claro, possivelmente a absurda tragédia argentina tenha provocado a suspensão dos estudos sobre mini-submarinos para o lago.

Viver é Perigoso 

FUNCIONÁRIO PADRÃO !


Viver é Perigoso

ADRIANA VAI ÀS COMPRAS

Viver é Perigoso

VENTOS DE GUERRA


Como sempre, decisões tomadas em Belo Horizonte, podem provocar mudanças na terrinha. Eleições deverão acontecer na Federação das Indústrias de Minas Gerais, entre fevereiro e maio de 2018.
Desta vez, segundo comentários publicados nos principais jornais da Capital, a disputa será acirrada. Faz sentido. 

O sistema Fiemg (incluindo o sistema S) tem orçamento anual de R$ 1,2 bilhão. Sendo R$ 600 milhões em receitas próprias e o restante em repasses e convênios com a Confederação Nacional da Indústria, além de parceiras com diversas instituições. O colégio eleitoral tem 139 votos, representando sindicados pequenos a grandes de variados setores e que congregam 80 mil empresas registradas na Junta Comercial de Minas Gerais.

Comentam-se sobre dois candidatos: Alberto Salum, situacionista e ex-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Pesada de Minas Gerais e Flávio Rosco e presidente do Sindicato da Indústrias Têxteis de Malhas de Minas Gerais.

O racha na Fiemg começou justamente quando o Presidente Olavo Machado quis candidatar-se pela terceira vez. Os associados tiveram que votar para mudar o estatuto, permitindo o terceiro mandato. 

O candidato da situação, Alberto Salum, lembrou que, na ocasião, apoiou Olavo Machado quando ele quis mudar o estatuto da Fiemg para candidatar-se a um terceiro mandato, mesmo não concordando com a medida.

Flávio Roscoe coordenou a oposição à alternativa. Conseguiu derrubar Machado nas urnas com maioria dos votos, o que o fortaleceu como candidato oposicionista. 

O candidato Salum passa uma mensagem aos outros presidentes de sindicatos com direito a voto: participaram da gestão anterior e têm compromisso com ela. Seria o caso do Sindicato da Indústria Metalúrgica de Itajubá.

O candidato Roscoe passa uma mensagem que está na moda no Brasil: o de mudança, oxigenação, descontinuidade.

Se não ocorreu nenhuma alteração de bastidores, o quadro é esse aí.

Viver é Perigoso

VANGUARDA DA UNIFEI


Deu no Facebook, no Grupo Fala Itajubá, postado pelo Administrador, Crhistian Marcel Santos.

Um aluno do curso de gradução em Administração da Universidade Federal de Itajubá defendeu o projeto de conclusão de curso de sua equipe vestido de drag queen, no último sábado.
O projeto consiste em uma plataforma marketplace voltada para drag queens e foi desenvolvido pelos alunos Bruno Costa, Luana Duarte, Paula Garrido e Rafaela Ribeiro.
Para o TCC do curso de Administração da UNIFEI os alunos devem prototipar uma startup inovadora, e é a segunda vez na história do curso que o público LGBT é contemplado em um projeto.
“Minha realização pessoal está não só em ter um projeto elogiado e aplaudido pelos professores e colegas, mas em trazer para os âmbitos acadêmico e corporativo essa temática que muitas vezes é negligenciada”, declara Bruno em entrevista ao Awebic.
O modelo de negócio chamado “Glamazon” tem como público alvo as drag queens, centralizando a venda de todos os produtos que elas precisam para compor seus figurinos em um único lugar — perucas, saltos, maquiagem, roupas, lentes de contato e acessórios.
Drag queens de todo o Brasil ajudaram na validação da plataforma, que os alunos desejam conseguir tornar realidade em breve:
“O investimento inicial gira em torno dos R$ 69.000, e esperamos atrair investidores para colocar nosso MVP no ar”, diz Luana.
Bruno, que se declara um grande fã da arte drag queen, diz ter se interessado pelo assunto após conhecer o reality show americano RuPaul’s Drag Race, declarando-se um grande fã de drag queens nacionais como Pabllo Vittar, Gloria Groove, Lia Clark, Aretuza Lovi e Ikaro Kadoshi.
“Fico muito feliz que essa categoria de artistas mega talentosos, que antes figurava num espaço underground, tenha começado a invadir o mainstream e dominar a música, a televisão e a moda.”

Viver é Perigoso

FELIZ CAIXA 2

Viver é Perigoso