sábado, 7 de outubro de 2017

CANTINHO DA SALA

Max Beckmann
Matilde von Kaulbach, retratada, em 1934, pelo seu marido, o pintor alemão (1884/1950), pertente ao Museu Thyssen-Bornemisza localizado em Madrid.
Beckmann, perseguido pelos nazistas emigrou para Amsterdã, em 1937. Dez anos após, mudou-se para os EUA, onde foi professor da Universidade de Saint Louis.

Viver é Perigoso

CAMPO DE BATALHA


Discutir as questões em termos nacionais é interessante e fácil. Tratar dos assuntos locais e interessante e dificílimo. Nas pequenas vilas tudo se transforma em pessoal. E dentro de breve tempo constataremos que um dos grandes vilões que vêm abalando as comunidades, é o extraordinário, para o bem e para o mal, Facebook.

Todos, em princípio, relutam em participar. Tempos depois, cansados de ouvir comentários, resolvem aderir. Com pouco tempo se empolgam. Como é fácil curtir e mandar coraçãozinhos. Tais gestos acontecem, quase sempre, na busca da prestação de solidariedade. 

Em pouco tempo, acontece o esfriamento e na sequência, o afastamento da participação. Abrem, passam os olhos rapidamente e no máximo, um pêsames ali e um parabéns aqui.

Ninguém sai incólume. Uma raivinha ali, uma montada caprichada num porco, provocada por um comentário fora de hora e lugar ou uma curtida esperada que não veio.

O Facebook, principalmente no caso das cidades do interior, afastou as pessoas. Para que um telefonema, uma visita rápida, um abraço se basta conectar e digitar. E os olhos nos olhos ?

Aflorou o triste sentimento da inveja. Uma foto de um almoço nas Ilhas Gregas, com as crianças na Flórida, uma confirmação na área de embarque do Aeroporto de Guarulhos, ou uma foto com detalhamento discreto dos milagrosos resultados do último tratamento facial, ajudado certamente por recursos digitais. Tiram a fome.

Acreditem, pessoas chegam a policiar e ficar ressentidas, quando um "amigo" comenta favoravelmente, ou curte, uma postagem de um adversário ou inimigo delas !

Definitivamente, o Facebook é o último lugar no planeta para a publicação de uma nota ou um comentário irônico, mesmo que inteligente. De dez, a metade poderá não entender e aguardem encrencas. Tentar explicar é pior.

Mas a "Geni" do Facebook, sem nenhuma sombra de dúvida, são os políticos. Qualquer político. Desde o presidente até o vereador. Nesta semana, em Brasília, como sempre na alta madrugada, os senhores congressistas tentaram impor um tipo de censura nas publicações. Foi vetado, ainda bem.

É lógico que Face também proporciona o compartilhamento de  momentos felizes. Não sejamos radicais, mesmo já sendo.

Viver é Perigoso     

SÓ, NÉ MEU !

Viver é Perigoso