sábado, 17 de junho de 2017

O CASO DOS IRMÃO NA(E)VES


O jornais começam a fazer menção no "Caso dos Irmãos Neves", acontecido em maio/junho de 2017, com a prisão de um dos irmãos e a forte perspectivas da prisão de outro. Andreia e Aécio. 
Aconteceu também com dois irmãos mineiros em Araguari, no ano de 1937. 
O caso dos Irmãos Naves foi um acontecimento policial e jurídico ocorrido na época do Estado Novo no Brasil (instauração do regime ditatorial de Getúlio Vargas - vive-se um grande caos no país, principalmente nas áreas da economia e dos direitos humanos). Dois irmãos (Sebastião e Joaquim Naves) foram presos e barbaramente torturados até confessar sua suposta culpa em um crime que não cometeram.
Esse caso é conhecido como um dos maiores erros judiciais da história do Brasil e um dos que tiveram maior repercussão, tanto que sua história serviu de inspiração para o filme "O Caso dos Irmãos Naves" de Luis Sérgio Person.
É a vida...
Viver é Perigoso

ÚLTIMAS PALAVRAS


- Pai, já que você vai ver Madeleine, diga para ela que ainda a amo !

- Você não podia dar o recado você mesmo ?

Eugène Labiche - Tomou o barco em 22/01/1888 em Paris, aos 72 anos.

Seria pouco dizer que as últimas palavras de Labiche parecem ter sido tiradas de uma de suas melhores peças. Ele foi o mestre do teatro cômico durante o Segundo Império. Seus vaudevilles, como "Um chapéu de palha italiano" ou A viagem do senhor Perrichon", são pequenas joias da fantasia, de nonsense e de extravagância que privilegiam as tiradas irônicas em detrimento dos voos líricos. E servem a uma obsessão: desmascarar a então babaquice burguesa. Dessa vez, é o seu próprio filho, André, viúvo havia pouco, que representa sem querer o papel do burguês imbecil: dando mostras não apenas de uma carolice idiota como também de um estranho desejo de ver seu pai já morto e, para piorar, de ainda fazê-lo trabalhar ! O dramaturgo responde ao seu modo misantropo e zombeteiro: sarcástico. Destruindo o absurdo mesquinho e ordinário com um absurdo ainda maior porque hilariante. Impecável.

Philippe Nassif

Viver é Perigoso

PRÁ PENSAR


Tudo passa - sofrimento, dor, sangue, fome, peste. A espada também passará, mas as estrelas ainda permanecerão quando as sombras de nossa presença e nossos feitos se tiverem desvanecido da Terra. Não há homem que não saiba disso. Por que então não voltamos nossos olhos para as estrelas ? Por quê ?

Mikhail Bulgakov

Viver é Perigoso