quarta-feira, 14 de junho de 2017

CORONEL SANTO ANTONIO

Ontem foi comemorado o dia de Santo Antonio e talvez, a informação abaixo seja novidade para caros amigos:

Santo Antonio era português e faleceu em Pádua - Itália, em 1231.
Além das patentes militares conseguidas em Portugal, foi membro das forças armadas brasileiras, recebendo soldos (alguém recebia por ele). Na Bahia chegou a Tenente Coronel, em Goiás a Capitão e em São Paulo foi Coronel.
Major em Santa Catarina, Tenente Coronel no Rio de Janeiro e Capitão em Minas Gerais.
Na Paraíba ficou só como soldado raso.
As patentes foram cassadas com o advento da República.

Leiam:
Em Portugal, sua terra natal, e em outros países de língua portuguesa, a devoção ao santo atingiu tal intensidade que era invocado mormente em ocasiões de batalhas e guerras. Com isso, mereceu ser promovido a soldado, intervindo em 1595, e a Capitão da Fortaleza da Barra (Salvador-Bahia) pelo governador da época D. Rodrigo da Costa, em 16 de julho de 1705. Dom João V, em carta régia de 7 de abril de 1707, confirmou a promoção a capitão .
Mais tarde, o príncipe regente, Dom João, futuro rei Dom João VI, por decreto de 13 de setembro de 1810 e carta patente de 4 de fevereiro de 1811 promove o santo ao posto de Sargento-mór, por atribuir à intercessão do santo a proteção celeste recebida, abençoando seus esforços para “salvar a Monarquia da grande e difícil crise” a que esteve exposta, durante as invasões francesas em Portugal.
Finalmente, aos 25 de dezembro de 1814, Dom João, ainda Príncipe Regente, assinou no Palácio da Real Fazenda de Santa Cruz (Rio de Janeiro) um decreto promovendo o Sargento-mór Santo Antônio ao posto de Tenente-Coronel de Infantaria.
Em 22 de outubro de 1816 é expedida a carta patente da promoção do Santo a tenente-coronel já assinada pelo Rei Dom João VI. Ei-la:

“Faço Saber aos que esta Minha Carta Patente virem: Que tendo por Decreto de treze de setembro de mil oitocentos e dez concedido a patente de Sargento Mór ao Glorioso Santo António, que se venera na Cidade da Bahia, e a quem o Povo da mesma Cidade Consagra a mais viva Devoção: Sou ora servido elevá-lo ao Posto de Tenente Coronel de Infantaria, cujo soldo lhe será pago na mesma forma que até aqui o tem sido da anterior. Pelo Que mando ao Conde dos Arcos, Governador e Capitão General da dita Capitania, que assim o tenha entendido, e o soldo se lhe assentará nos Livros a que pertencer para lhe ser pago aos seus tempos devidos." 

Viver é Perigoso

MORENO, MORENO !


Tomou o barco o jornalista Jorge Moreno. Um dos mais respeitados repórteres políticos do Brasil, Moreno nasceu em Cuiabá e viveu em Brasília desde a década de 1970. Morava no Rio de Janeiro há 10 anos.

Com mais de 40 anos de carreira, Moreno era dono de uma invejável agenda de fontes, que inclui os principais políticos e os grandes nomes do mundo artístico do país. Destacou-se pelo relacionamento e quantidade de "furos" de reportagem que apresentou ao País. Noticiou a nomeação do General Figueiredo para a Presidência da República e a compra do Fiat Elba que acelerou a derrubada do Collor de Melo.

Venceu o Prêmio Esso de Informação Econômica de 1999.

Moreno foi o autor do imperdível livro "A história de Mora - a saga de Ulysses Guimarães", que mesclando realidade e ficção, traz episódios em torno da figura de Ulysses contados pela Dona Ida Maiani de Almeida, carinhosamente apelidada de Mora, esposa do Dr. Ulysses.

Viver é Perigoso

A CARNE É FRACA


Gilmar também mordeu !

Clarin da Boa Vista

FALTA UM !

Viver é Perigoso