domingo, 11 de junho de 2017

BRAZILLLLLL !


Viver é Perigoso

RETRATO FALADO


A corrupção não é uma conduta exclusiva da espécie humana – comportamento semelhante já foi observado também no reino animal (chimpanzés, abelhas e formigas) – e tampouco restrita a uma classe social ou atividade profissional. Além disso, os números revelam o quanto esse tipo de atitude parece ditar um padrão comportamental entre grande parte dos políticos brasileiros.

De cada três integrantes do Congresso Nacional, pelo menos um é alvo de inquérito ou ações penais atualmente. Dos 64 mil políticos democraticamente eleitos no país, cerca de 23 mil eram fichas-sujas em 2012. Psicólogos e historiadores ouvidos pela reportagem tentam decifrar e explicar o que leva a essa realidade.

Falta de ética, mentira excessiva, vaidade, ausência de arrependimento, narcisismo e sentimento de impunidade podem significar algo muito além do mau-caratismo. Esses são alguns dos sintomas de quem costuma praticar atos corruptos, segundo a médica psiquiatra Dângela Lassi. Os chamados “psicopatas corporativos ou do colarinho” costumam sofrer de uma disfunção psiquiátrica denominada formalmente como transtorno de personalidade antissocial – que nada tem a ver com aqueles indivíduos que se isolam. A pessoa com esse tipo de transtorno interage, aparece bastante na sociedade, é bastante sedutor, mas é incapaz de se adaptar às normas sociais e de se colocar no lugar do outro.

A facilidade de manipular as pessoas vem do fato de eles terem sempre o discurso e as atitudes pautadas na racionalidade, e não na emoção. A explicação para tal comportamento é uma possível alteração na estrutura cerebral desses indivíduos: as áreas ligadas à emoção e empatia são mal desenvolvidas. Em geral, os prejuízos de quem tem esse transtorno vão além do trabalho e atingem também as relações pessoais. “O que observamos é que no meio político tem pessoas com traços de personalidade antissocial, sem nenhum limite moral ou civil. São pessoas que, em geral, têm pouca empatia pelo sofrimento do outro, por isso elas vão fazendo os atos ilícitos, tendem a contar mentiras e a viver delas”, afirma Dângela Lassi.

“O indivíduo com esses traços de personalidade tem maior dificuldade em procurar tratamento e de ser diagnosticado. São pessoas manipuladoras, que conseguem se safar bem dessas situações e não buscam ajuda”, afirma a psiquiatra.

Outro agravante, diz a médica, é que a pessoa com esse defeito de caráter pode acabar influenciando outras com as quais ela convive no mesmo meio. “Eles acabam convencendo os outros e mostrando uma certa ‘normalidade’ nos comportamentos disruptivos. É como uma fruta podre na fruteira”.

Estudos. A ciência também vem tentando desvendar o que ocorre no cérebro das pessoas corruptas e mentirosas. De acordo com um estudo feito pela neurocientista Tali Sharot, da University College de Londres e publicado na revista “Nature Neuroscience”, ao longo do tempo, o cérebro de quem conta pequenas mentiras se “acostuma” a elas. Ou seja, com o tempo, mentir faz o cérebro se adaptar à desonestidade.

Usando a ressonância magnética, os cientistas mostraram que o ato de contar essas mentiras provocava uma forte atividade na amígdala cerebelosa, região do cérebro associada à emoção. Apesar da sensação de culpa, a prática da desonestidade e da mentira em benefício próprio diminui a capacidade de reação do cérebro a essas atitudes e leva os participantes a se envolverem cada vez mais nesse tipo de comportamento.

“Os mentirosos costumam se lembrar de como pequenos atos de desonestidade foram aumentando ao longo do tempo e, de repente, eles se encontraram em meio a grandes crimes”, explicou Tali Sharot, em entrevista ao jornal britânico “The Guardian”. A predisposição à corrupção pode ser diagnosticada no consultório. É possível determinar a presença do distúrbio por meio do exame Pet Scan, ou tomografia por emissão de pósitrons.

Litza Mattos - O Tempo

Viver é Perigoso

PARIS É UMA FESTA !

Nadal - 10 vezes
Viver é Perigoso

ALGUMA COISA ESTÁ ERRADA


Serviço de concierge, manobrista para carros, piscinas de vários tipos, salas de spa e segurança ostensiva.
O cardápio de regalias nos condomínios de luxo paulistanos é extenso, podendo custar aos moradores mais que os R$ 18 mil pagos pela mãe de Aécio Neves no edifício em que vive, com vista para a praia de São Conrado, na zona sul do Rio.
É o caso do edifício Parque Alfredo Volpi, na zona oeste de São Paulo. Espaço zen, quadra de squash e uma pista de cooper estão entre seus atrativos, que custam em torno de R$ 28 mil por mês aos moradores, de acordo com a Imóvel A, imobiliária de alto padrão do grupo Lopes.

Deu na Folha.

Viver é Perigoso