sábado, 6 de maio de 2017

ASSUNTO RESOLVIDO


Considerando a benevolência comprometida dos Senhores Mendes, Toffóli, Lewandowski, e outros, que possivelmente manifestarão as sua devidas complacências com prevaricadores de comprovada monta, ficam liberados todos os "mãos grandes" citados, investigados, denunciados, recolhidos, condenados, com foro privilegiado ou não, com mandatos em vigor ou não, a circular livremente a partir desta data.
Sem acompanhamentos, sem tornozeleiras, sem questionamentos processuais e sem multas.
Poderão circular com toda a liberdade, com acesso a internet e se relacionar com qualquer dos envolvidos em falcatruas diversas.
Desde que passem a residir, definitivamente, na aprazível região montanhosa, localizada na Vila Povoação, na freguesia de Água Retorta, na Ilha de São Miguel - Arquipélago dos Açores - Portugal, conhecida, data vênia, como Cu de Judas.

Assim, cumpra-se.

República de Curitiba

Viver é Perigoso
 

VEM DE LONGE...


Calixto Peixoto, funcionário de pequeno porte de Bela Cruz do Cariré, depois de devastar duas garrafas da famosa Vai em Frente que é Mole, desandou em confidências.

Com o ouvido do seu compadre Gervão de Souza às ordens, passou a dizer:

- Não tem, Gervão velho, coisa mais calhada para abrir verdades da gente do que uma talagada de cachaça. O sujeito fica liberado de tudo. Sem aguardente na entranha não passo de Peixotinho dos Impostos, mais serviçal que um capacho. Nas minhas águas, sou outra prosopopeia. Sou Peixotão das Mulatas, doutor Calixto de Souza e Athayde com ipsilone ! Com ipsilone, compadre Gervão ! Que diz na cara do prefeito Zacarias do Monte que ele não passa de um ratão velho, que só não leva a pedra fundamental da prefeitura para casa porque está enterrada no barro.
Sem calibrina, no meu natural mentiroso, digo o contrário, sou serviçal de tudo que é graúdo da terra. Até artigo de louvor andei derramando nas colunas da Comarca quando esse animal de tração que é Zacarias do Monte inaugurou quarenta de furtos e roubos na jurisdição de Bela Cruz do Cariré. Lhe digo uma coisa, compadre Gervão, se baixar nesse ninho de Ali-Babá uma inquisição do governo, não fica ninguém do lado de fora. Entra todo mundo. Vai ser um processo de cem metros. Vão ter que mandar vir reforço de papel até do estrangeiro, que o material nacional não vai dar. E eu entro também, compadre, porque nas horas vagas, na hora em que não estou bebido de gambá, meto a mão nos impostos, que não sou besta. Já trabalhei muito para o progresso do município.
O que quero agora, amigo Gervão, é tirar proveito do meu reconhecido espírito público. Fazer como o compadre muito bem fez quando era gerente da falecida Fábrica de Tecidos União. Dilapidou a firma de alto a baixo, de não deixar uma chita para ninguém. Viva o compadre Gervão !

José Cândido de Carvalho

Viver é Perigoso