sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

MOMENTOS MÁGICOS



Viver é Perigoso

É ASSIM QUE FUNCIONA


O pessoal do Facebook ficou animado hoje com a presença de uma plêiade de políticos na área, onde há tempos deveria existir, o viaduto (ou algo assim) do Jardim das Colinas.
Estranhou-se por não ser ano de eleições.
Lá estavam o Prefeito, Vice-Prefeito, Deputado Bilaquinho e entre outros, o Superintendente do Dnit em Minas Gerais, Advogado Fabiano Cunha.
Deve também ter estado presente o Diretor da Regional de Pouso Alegre, Sr. Rogério Freire, responsável direto pelas rodovias da nossa região.
As coisas funcionam assim, e tomara que a necessária e esperada obra, siga o roteiro tradicional, mesmo com as ausências de recursos financeiros por parte do governo federal e do Deputado Ulysses Gomes.
O Bilaquinho é do PR. O Ministro dos Transportes, Deputado Maurício Quintella Lessa (Alagoas) ao qual está submetido o Dnit, está no cargo por indicação do seu partido. 
Coincidentemente, o mesmo PR. É também do mesmo partido o Dep. Aelton Freitas. 
Ficaram de estudar o assunto.
Em tempo, o Ministro dos Transportes é o mesmo já condenado por questões de merenda escolar em Alagoas. Então...
Na fotografia, o Vereador Guadalupe, morador no Bairro Jardim das Colinas.

Oremos.

Viver é Perigoso

Em Tempo: A escorregada na maionese foi quando a comitiva informou que seguiria adiante até Piquete, para tratar com a Prefeitura local da duplicação da BR-459. 
Juizo Moçada !

A VOLTA DOS QUE NÃO FORAM


Dois assuntos diferentes:

Outro dia encontrei na Praça do Banco do Brasil, onde está instalado, há séculos, o pior piso do mundo, um importante secretário municipal. Amigo de tantos outros carnavais.
Como acontece com todos os outros assessores, quando os encontramos nas ruas e praças, por razões conhecidas, os cumprimentos são rápidos e os seus olhares giram em 360º procurando por possíveis testemunhas dos comprometedores cordiais e ligeiros cumprimentos.
Até entendo.
Outro dia, no saguão do Banco do Brasil, um deles falou-me baixinho:
- Camarada, não é por nada não, mas por gentileza, não faça nenhuma menção positiva ao meu nome e meu desempenho no "viver é perigoso". Passarei a constar da lista dos não confiáveis.
Já o Peter Rennó, que nunca escondeu o nosso respeitoso e bom relacionamento, ainda bem, volta hoje a ocupar o cargo de Secretário das Finanças. Um amigo de priscas eras. 
Interessante é que dentro dos padrões mágicos da atual Administração voltou sem nunca ter saído.
Explico: Publicada com data de ontem, a Portaria 173/2017 com sua nomeação. Mas, ao que tudo indica, não existe nenhuma portaria indicando o seu anterior afastamento. 
Seu nome, simplesmente, havia desaparecido do organograma da Secretaria.
Queres entender bem o que está acontecendo ? Não leia o site oficial.

Viver é Perigoso  

PRÁ PENSAR


O Supremo Tribunal Federal decidiu, em julgamento encerrado nesta quinta-feira, que qualquer brasileiro preso em cadeias degradantes faz jus a indenização do Estado. Justo, muito justo, justíssimo. De todos os imutáveis flagelos brasileiros o flagelo do sistema penitenciário é um dos mais nefastos. Mas não é o único. Se a Suprema Corte avalia que presos maltratados merecem reparação, o que dizer dos brasileiros submetidos a padecimentos hediondos nas filas e nas macas de hospitais públicos? 

Josias de Souza

Blog: E agora José ?

Viver é Perigoso

OSSOS DO OFÍCIO


Viver é Perigoso

TOMOU O BARCO


Tomou o barco em Itajubá um dos seus mais dedicados cidadãos. João Mauro Moraes. Um itajubense de Brasópolis. Amigo chegado há quase 60 anos. Jogamos futebol no Estrela Azul, quando ele já pendurava as chuteiras. Trabalhou uma vida no SAMDU, atendendo e salvando pessoas. Político íntegro e apaixonado pelas causas. Atuou com vereador e foi um farol na defesa do meio ambiente e da história de Itajubá. 
Trabalhamos juntos no Clube Itajubense nos anos 90. 
Certa tarde, o João, o Califa e eu, estávamos apreciando a Alameda em construção na sede campestre ligando o estacionamento ao campo de futebol. Foi praticamente levantada pelos braços do João Mauro, que inclusive, plantou uma a uma as árvores que a cercam. Combinamos: 
Aquele de nós três que tomasse o barco primeiro daria o nome para o belo caminho. Os dois que ficassem lutariam para que isso acontecesse.
O José Luis Chiaradia, o nosso Califa, foi na frente. E lá está o seu nome.
Não registramos nenhuma futura homenagem para os remanescentes.
Para mim, a partir de hoje, o nosso rio passa a ser "Sapucaí do João Mauro".
Um dos pioneiros na luta pela implantação da Faculdade de Medicina de Itajubá. Ambientalista, longe de ser chato, escreveu o livro "Rio Sapucaí. Vereda da visão de uma alvorada". 
Deixa a Dona Léa, filhos e netos bonitos, no mais amplo sentido.
Foi-se João, um dos maiores amigos. Uma das unanimidades de Itajubá, que ficou mais pobre hoje.

Viver é Perigoso