quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

MOÇA BONITA

Virna Lisi
Viver é Perigoso

MOMENTOS MÁGICOS



Viver é Perigoso

SOB A LUZ DE VELAS


Não precisamos de muita coisa. Só um dos outros.

Carlito Maia

Viver é Perigoso

INTERFERÊNCIA EXTERNA


Sabe-se lá o motivo e quais os recursos utilizados, mas o "viver é perigoso" sofre interferências técnicas externas. Questão em análise.
Um suspeito.

Viver é Perigoso

MANDRAKE MINEIRO


O Banco do Brasil entrou em uma nova disputa contra o governo de Minas Gerais ao cobrar do Estado aproximadamente R$ 1,5 bilhão para o pagamento de resgates dos depósitos judiciais.
Em comunicado à Justiça mineira, o banco disse que o dinheiro "exauriu-se" porque o Estado teria usado o fundo de reserva destinado a esse pagamento.

Por outro lado, o Gabinete Militar do governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, está comprando mais dois helicópteros, ao custo de R$ 21,8 milhões, em meio à “calamidade financeira” decretada pelo Estado. 
O governo alega que os modelos Airbus AS350 B3e, já encomendados, serão adquiridos para missões de segurança pública e defesa civil. Não há impedimento para que também transportem o petista.

Apenas lembrando, em decreto publicado em outubro, o governador Fernando Pimentel, regulamentou o uso de aeronaves públicas por autoridades do Estado. A medida restringiu voos do vice e de secretários, mas não impôs limites às viagens do petista. A justificativa da restrição ao uso das aeronaves foi a crise financeira no Estado.

Viver é Perigoso

MANAUS, UM ABRAÇO


Ficaria chocado se o absurdo acontecido no Presídio de Manaus ocorresse em qualquer parte do mundo. O ocorrido em Manaus me tocou muito. Cidade onde vivemos por cinco anos, fomos muito bem recebidos e celebramos perenes amizades.
Nosso filho Pedro nasceu em Manaus. Nossas filhas estudaram no Colégio Christo Rei. Trabalhei num escritório na Eduardo Ribeiro e no Distrito Industrial. Torci pelo Rio Negro e gostava muito do São Raimundo.
Moramos no Vieira Alves. Frequentamos a Ponta Negra, o Teatro Amazonas, a Palhoça e o Canto da Peixada, o Encontro das Águas e o Porto Flutuante. .
Grandes amizades. A família Dau, com o Sr. Robert, Sr. Felipe, Dona Amine e o Jorge. Chico Preto, Jalser, Paulo Leão, Fernando Bonfim, Pastor Caio Fábio e seu filho Caio Fábio Junior, que me apresentou o ainda Diplomata, Arthur Virgílio Neto.
Conversei algumas horas com o mítico Gilberto Mestrinho, quando de sua volta à política, que aliás, esteve em Itajubá visitando a colônia de estudantes amazonenses que aqui vieram estudar. Na comitiva estava a Hermengarda Junqueira, então, Miss Amazonas. Aconteceu um jantar no Club Bar, do saudoso Nelson Calvite. Como lembrança, permaneceu fixado na parede do restaurante, o famoso casco de tartaruga, magistralmente pintado pelo  João Luís, artista itajubense.    
O amazonense é um bravo cercado pela imponente natureza. Todos temos orgulho distante e um quase esquecimento da cidade que, no tempo da borracha, foi a mais rica do País.  
Lá conheci um mineiro que escreveu muito. Mário Palmério, do "Chapadão dos Bugres" e "Vila dos Confins". Os amazonenses, Márcio Souza, do "Galvez Imperador do Acre" e "Mad Maria". O poeta Thiago de Mello, do "Faz Escuro Mais Eu Canto".
Lembranças sempre vêm por acontecimentos alegres ou tristes. Desta vez, chegou pelo último.
É a vida...

Viver é Perigoso

NÃO SÓ MEU AMIGO...NÃO SÓ !


Viver é Perigoso