quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

BONS MENINOS


Tipo: Papai, sai, me diverti, economizei e ainda trouxe dinheiro de volta. Em seguida, felizes com o olhar de aprovação. 

Felizes, Molina, Joel, Sargento Pereira, Wilson do Povo e Zé Maria Bão, foram juntos comunicar ao Prefeito e Vice, a devolução de R$ 1.673.665,17, da Câmara Municipal de Itajubá, referente a recursos economizados pelo Legislativo.

Não apareceram na foto, O Kener, Vladimir Bananeiro, Zé Pequeno, Silvestre e surpreendentemente, o Renato Morais.

O recurso, segundo informado, será utilizado ao pagamento do subsídio da Santa Casa de Misericórdia e do Hospital Escola de Itajubá, compromissos já estabelecidos, com devolução ou não, dos recursos.

Ah ! e obras. Querer saber quais já seria demais. 

Viver é Perigoso

5 comentários:

Anônimo disse...

QUE VERGONHA! Eu heim. Os valores e i senso de ridículo e de incompetência deixa a gente abismado , pior é saber q eles acham que estão abafando! Pobre Itajuba q é representada pela incompetência . É Natal.

Anônimo disse...

Zezinho , cá entre nois , isso não acaba nunca, que merda né, é o fim da picada, até cheira mal.

Edson Riera disse...

Cheira Mal,

Fico imaginando os vereadores do passado posando numa fotografia dessas. Impossível.

Zelador

Anônimo disse...

Se vc fizer um levantamento de quanto a câmara devolveu nos últimos anos , peça si pra um vereador amigo seu fazer, vamos cair duro e concluir que não sabem administrar absolutamente nada, sao incompetentes, inocentes, ridículos com o dinheiro do povo, e NINGUÉM DIZ NADA, só , claro, o prefeito do momento é q fica feliz.incompetente.

Edson Riera disse...

Incompetente,

O que não tinha visto era "operação agrado" tão na cara. Mais correto seria estabelecer que a porcentagem para o legislativo fosse calculada sobre o valor direto obtido pelo município em cima dos impostos municipais iptu, iss, multas, etc, emfim, da renda própria, excluindo do total os repasses governamentais.
Como precisa de modificação da constituição, isso poderia ser antecipado fixando a porcentagem no valor de 4,5% do total arrecadado.

Zelador