sexta-feira, 17 de novembro de 2017

SOU, MAS QUEM NÃO É ?


O filósofo Bertrand Russell escreveu em 1933 que "O problema fundamental do mundo é que os estúpidos estão seguros de si mesmos e os inteligentes, cheios de dúvidas!" A frase pertencente a um ensaio intitulado "O triunfo da estupidez" segue sendo usada para ilustrar um fenômeno que documentou mais de cem estudos desde então e que presenciamos diariamente nas redes sociais. É conhecido como efeito Dunning-Kruger, uma distorção cognitiva que leva as pessoas com escassa habilidade a se sentirem superiores a outras pessoas mais preparadas.

O fenômeno só recebeu esse nome em 1999 pelas mãos dos psicólogos David Dunning e Justin Kruger, que demonstraram que tendemos a superestimar nossa própria capacidade. Sim, eu e você, inclusive.

São achados que desafiam toda lógica: é impossível que a maioria das pessoas estejam acima da média. E no entanto, repetem-se estes padrões em disciplinas tão variadas como o razoamento lógico, gramática, economia (nem se fala), política (muito menos ainda) matemática, inteligência emocional e inclusive a ética. Mas que leva a nos qualificar tão favoravelmente com tanta frequência?

O efeito Dunning-Kruger assinala que as pessoas são mais propensas a valorizar suas habilidades quando rendem, precisamente, abaixo da média. Isto é, quanto mais incompetente é uma pessoa em um área em particular, menos qualificada está para avaliar a habilidade de outras pessoas nessa área e, do mesmo modo, para avaliar sua própria habilidade.

Sim, o efeito Dunning-Kruger também funciona ao inverso: as pessoas mediamente informadas sabem o suficiente para entender que há muitas coisas que não sabem, enquanto os que são experientes sabem tanto de uma matéria que tendem a ser conscientes do bem informados que estão, mas cometem o erro de supor que todos os demais estão igualmente informados. Sabe aquele professor que enche o quadro de funções e equações que deixa toda a classe estupefata de oca aberta? Sabe aquele amigo que fala com tanta profundidade sobre um assunto que dá a impressão que está falando chinês?

Por desgraça, o efeito Dunning-Kruger é invisível para quem experimenta-o, e é uma distorção que afeta a todos. Afinal de contas, todos somos incompetentes em muitas áreas. Mas é algo que podemos evitar seguindo certas pautas. Em primeiro lugar, tomar menos decisões em base a uma auto-avaliação de nossa capacidade. Pedir a outras pessoas sua opinião e escutar o que pensam sem que entre por um ouvido e saia pelo outro, por mais absurdo que pareça.

Mas, sobretudo, não deixar de aprender. Não é uma frase motivacional à toa: quanto mais você sabe sobre um assunto, menos provável será que superestime seus próprios conhecimentos. Como diz o próprio David Dunning :

- "Ao discutir com um tonto, primeiro assegure-se de que a outra pessoa não esteja fazendo o mesmo."

Metamorfose Digital

Viver é Perigoso

Nenhum comentário: