sábado, 4 de novembro de 2017

LUISLINDA, QUEM ?

Após críticas, a ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, anunciou que desistiu do pedido feito ao governo para acumular o salário na pasta com o de desembargadora aposentada, o que lhe garantiria um vencimento bruto de R$ 61,4 mil por mês. Se não lhe parece suficiente a remuneração limitada ao teto constitucional, de R$33,7 mil, a ministra poderia pedir demissão.

Viver é Perigoso

12 comentários:

Anônimo disse...

Edson:
Acho que as pessoas, de tão sofridas e espoliadas pelo governo, estão começando a exagerar. A Ministra conquistou o direito a aposentadoria pelas regras do sistema. Contribuiu com a previdência dos servidores para isso. Ela tem o direito de receber os 31 mil como servidora inativa. Se o salário é muito ou não, é outra discussão. Mas ela passou em concurso público e ganhou honestamente o direito aos benefícios que recebeu. Ela não inventou nada. Agora, o salário de um ministro gira em torno de outros 31 mil. Se ela pedir pra sair e entrar outra pessoa que não seja aposentada, essa pessoa irá receber integralmente esse salário. Ou seja, a ministra Luíslinda está trabalhando por um salário em torno de R$3.200,00, quase dez vezes menor do que o salário dos outros colegas ministros. A mesma imprensa que fez matérias especiais exaltando a mulher,negra e de origem pobre, que chegou a desembargadora e ministra agora quer execrar essa mesma mulher publicamente, querendo que ela renuncie ao fruto do seu trabalho (a aposentadoria) e seja ministra de graça. Pergunto: você, na mesma situação aceitaria trabalhar mais pra receber o mesmo salário? Certo é que a explicação que ela deu (batom, roupas, etc...) foi absolutamente idiota. Mas não vejo sentido em não reconhecer que o que ela recebe como desembargadora aposentada não se pode confundir com a remuneração dela como ministra. Quem trabalha tem o direito de receber. Quem rouba o povo deveria ir pra cadeia. Estamos invertendo a pirâmide de valores. Advogado do Diabo.

Edson Riera disse...

Advogado do Diabo,

Faz sentido. Levaram o País a uma situação de Caça às Bruxas (sem indiretas). Com o apoio da mídia e porque não, entre nós, dos próprios blogs, etc.

Deve ser legal a situação da Ministra. Exige-se porém dos dirigentes (direitos humanos) algo além do legal. Uma colocação destrambelhada é amplificada e com 13 milhões de desempregados ecoa por todos os cantos.

Zelador

Anônimo disse...

Caramba! E a gente ainda tem q ler alguém defendendo uma coisa absurda desta! Este nosso pais nunca vai dar certo pela qualidade de nosso povo! Faz favor....

Edson Riera disse...

Faz Favor,

Pior é que estamos discutindo absurdos legais. É legal o judiciário ter 2 meses de férias/ano, salários elevados engordados por "x" auxílios extras, como Residência, mudança, escola e o diabo a quatro. Legal, mas pega.
E as mordomias dos políticos ? Também legal.

Mas nada disso ético !

Zelador

Anônimo disse...

Realmente o q importa é ser legal agora se é imoral não faz mal ! Tudo bem só q a legalidade é feita através da imoralidade muitas vezes . 😱

Edson Riera disse...

Muitas Vezes,

As leis são propostas, votadas e publicadas por representantes do povo. No frigir dos ovos, a responsabilidade cai sobre o povo, ou seja, nós.

Zelador

Anônimo disse...

Na maior parte das vezes quem reclama das mordomias é porque não as tem. Se arrumar uma boquinha, sai correndo atrás. Claro, há exceções, cada vez mais raras. No caso da ministra, eu duvido que alguém aceitaria a função dela pra receber um salário de R$3.200,00. E eu acho que ela aceitou sem se dar conta que ia receber essa merreca pra aguentar essa bucha. Agora, não pode sair porque vai manchar a biografia dela, ainda mais, depois da pataquadas que falou. O episódio só mostra o quão estão despreparados os membros do judiciário que não conseguem defender, de maneira coerente, o direito de receber em a remuneração pelo seu trabalho, sem falar besteira. Como pretendem decidir a vida dos brasileiros? Advogado do Diabo.

Edson Riera disse...

Advogado do Diabo,

Ministro, qualquer um que seja, recebe uma série de mordomias, além da sensação de poder. Casa na península, com dezenas de caseiros, não têm despesas, as compras dos alimentos é feita com cartão corporativo, carros á disposição, jatinhos da FAB para deslocamentos, segurança, carga de trabalho espaçosa, direito de nomear uma série de amigos e parentes, etc...

Tudo próprio de um trabalho escravo.

Eu jamais apreciei ser servido pelo Senhor do cafezinho/e água. Sempre preferi eu mesmo me servir. Está certo que poucas vezes tive acesso a isso.

Zelador

Anônimo disse...

Edson: Como eu disse... Uma coisa não justifica a outra. Esse pacote que você chamou de "mordomias" chama-se salário in natura ou salário utilidade. Qualquer trabalhador ao nível de um executivo de grandes empresas, recebe este tipo de benefícios, como tentativa da empresa de burlar os encargos patronais e, o empregado, escapar da mordida do leão. O grande erro é que os valores pagos aos nossos dirigentes são muito altos e são pagos com o dinheiro de tributos que poderiam ser melhor aplicados em segurança, educação, saúde, enfim...
Mas ninguém atacou os benefícios que ela recebe do cargo. É, apesar dos benefícios ela não recebe o salário. É esse o meu ponto. Se trocar a ministra por você, por exemplo, você vai receber a sua aposentadoria (não importa o valor dela) e o salário de ministro. Tem que cortar as mordomias desse povo, claro. Ela só falou bobagem, na tentativa de receber o salário dela, claro. Mas temos que separar claramente o que é lei do que é moral, embora as duas tenham um pequeno espaço de intersecção. Sob pena, de não o fazendo, criarmos uma instabilidade jurídica ainda mais monstruosa do que a que vivemos, pois nossas condutas passarão a ser julgadas de acordo com os critérios morais de que estiver no poder. A lei que oferece mordomias pra essa cambada é ruim? Vamos mudar as leis. Os legisladores não querem mudar porque se beneficiam delas? Vamos votar melhor. O problema é que o voto do brasileiro é vendido ao candidato, em sua maioria. E, depois, querem reclamar do excesso de mordomias de A ou de B. Você foi candidato e sabe do jogo na época das eleições: da verdadeira mendicancia por emprego, cimento, areia, justificada porque "lá em casa tem X votos". A Ministra poderia recusar as "mordomias", a título de exemplo. Mas que tem o direito ao salário, tem. E o pior: O grande responsável por ela ter esses direitos é o povo brasileiro, que elege aqueles que criam leis dessa natureza, em troca de quinquilharias na eleição. Advogado do Diabo.

Edson Riera disse...

Advogado do Diabo,

Ok. Você está com a razão.

Mas entenda, o povo está irritado e com razão e pensando bem, temos muitas maneiras legais de tirar proveito.

Grato,

Zelador

Anônimo disse...

Edson:Eu não quero ter razão. Quero ser feliz. Advogado do diabo

Edson Riera disse...

Advogado do Diabo,

Como disse João Saldanha, eu não brigo para vencer. Eu brigo porque tenho razão.

Zelador