quarta-feira, 15 de novembro de 2017

CARTA QUE NÃO RECEBI

Itajubá, 15 de novembro de 2017

Sou a favor de remuneração simbólica. A nossa cidade que conhecemos e amamos, é nosso lar, logo atuar como vereador é uma forma de ajudar a fazer nossa vida ser melhor nela. 
Acompanhar obras Públicas, fiscalizar o orçamento, conversar com a população, pedir contas públicas para apreciação é uma contribuição não é nossa profissão. 
Ou seja, dá pra cumprir bem o papel social de cuidar de nossa cidade sem deixar nossa vida pessoal e parar de desenvolver nossas atividades normais remuneradas. 
Repito, Ser vereador não é profissão. Não se faz necessário gastar dinheiro pessoal para desenvolver as atividades efetivamente de vereador. 
Assim como presidentes, diretores e conselheiros de entidades sem fins lucrativos e tem responsabilidade civil e penal sobre seus atos e não são remunerados por que os vereadores precisam ser remunerados? 
Este é meu entendimento. Sou pela remuneração simbólica, R$1,00 ou, ser proibido remuneração. Sou por uma atuação de fiscalização efetiva, por uma representação essencialmente de servir a sua comunidade defendendo austeridade, eficiência e dedicação. E que de quatro em quatro anos outros cidadãos se candidatem e participem deste belíssimo serviço social sem remuneração. 

Bom dia.

Leandra Machado Santos

Blog: Faz todo o sentido o posicionamento da ex-vereadora Leandra. As mudanças tão necessárias ao País começam nos municípios. Um cidadão que dedica parte do seu tempo para a comunidade, voluntariamente, merece todo o respeito. 
Não se trata de questão econômica, mas de um gesto nobre que, colaborará para o resgate do respeito aos políticos, levados, pela maioria deles, ao nível mais baixo de consideração por todos os brasileiros.
Servirá de exemplo para todo o País, afinal, a nossa cidade já foi chamada no passado de Cidade Luz, na época, por se tornar vanguarda na abolição da escravatura.

O momento é oportuno, uma vez que foi apresentado, na reunião da Câmara Municipal de 13 de dezembro, o Requerimento nº 309, de autoria dos Vereadores Santi, Chico Marques e Ricardo Zambrana, solicitando à Mesa Diretora a realização de audiência pública para instruir o Projeto de Lei Nº 4237/2017, que fixa os subsídios dos vereadores.

Em tempo: Alcançamos o comentário da Leandra no Facebook.

Viver é Perigoso 

6 comentários:

Anônimo disse...

Zelador . Continuam discutindo bobagens e fazendo politicagem sobre este tema! Sabemos q para resolver isso é preciso rever os índices de repasse do executivo para o legislativo e naturalmente fazer um planejamento financeiro para que o legislativo possa atuar com os devidos 15 ou 17 senhores dedicados a cuidar do bem público ! Jamais será tratado assim pois descobriram um bom EMPREGO e uma maneira fácil de ganhar dinheiro ! É muita hipocrisia principalmente de que está fora e quer entrar e de quem ta dentro e não quer sair ! Nos poupem por favor ! Rodrigo

Anônimo disse...

Subsídio simbólico e a exemplo dos conselhos, ressarcimento de despesas inerentes a função da vereança. Sem maquiagem. Diárias por exemplo dentro do valor compatível coma pobreza do país.observador da cena

Edson Riera disse...

Rodrigo,

A política se tornou, em todos os níveis, um modo de sobrevivência. Muitos são atraídos pelos subsídios, diárias, etc.

Uma audiência pública só acontecerá se o Chefe do Executivo permitir. Ele tem a maioria sob controle. Mesmo acontecendo uma audiência pública e ocorrendo uma manifestação maciça da população, os resultados não serão considerados. Já aconteceu antes.

Esse PL para reduzir salário (da próxima gestão) é um artifício lançado, também com autorização superior. A proposta da realização de uma audiência pública, obrigará os vereadores dependentes votar contra, ocasionando um certo desconforto.
Por outro lado, com os independentes votando contra a redução (combinada) proposta, causará desconforto para os próprios.

Qualquer mudança, por mínima que seja, neste país, só acontecerá pela forte mobilização popular. O que concordamos, dificilmente acontecerá.

Mas não podemos entregar pacificamente os pontos.

Zelador

Edson Riera disse...

Observador de Cena,

Nada, mas nada mesmo, mudará a ideia que o povo faz dos políticos. Por responsabilidade dos próprios políticos. Exceto, uma mudança brusca e radical, como por exemplo, votar pela redução total das vantagens recebidas.
É um começo.
Quando estudante da nossa Escola, ainda funcionando no centro da cidade, costumávamos sentar nos bancos da Praça Theodomiro, nos intervalos das aulas. Ao passar um vereador, tínhamos o hábito de nos levantar em respeito. Lembro-me de muitos deles. Não recebiam nada.

Zelador

Anônimo disse...

Riera

Nada mais simples do que num primeiro momento , aprovar a proposta da redução proposta .
Uma vez aprovada tal redução , teremos 3 longos anos para voltar ao assunto .
A mesma situação aconteceu no caso da diminuição do número de vereadores .
A oposição precisa também ser pragmática e deixar de jogar só para a platéia .
Abraços

Alaor

Edson Riera disse...

Alaor,

Vindo dos políticos, o mal vem de uma vez só. O bem, viria em parcelas. Creio que precisamos de medidas de impacto. Salário simbólico resgataria a imagem dos políticos, no caso, dos vereadores.

Mas quer saber, não acredito em ações desprendidas, mesmo com efeitos somente para a próxima gestão.

Abraço,

Riera