terça-feira, 10 de outubro de 2017

PASTEL DE ANGU É A VÓ !


É do conhecimento geral, que um abnegado grupo de "nacionalistas" mineiros, vem lutando para que o nosso querido pastelzinho de milho seja tombado pelo patrimônio histórico e lhe seja reservado um lugar de honra na tradicional culinária mineira e quiça, brasileira.
Neste momento de luta, vêm os paulistas na maior "cara de pau" e desrespeito, e passam a chamar a nossa jóia, de pastel de fubá.
Como diria o José Tipica, da Boa Vista, é claro: De fubá é a Vó !

Na Administração do Dr. Jorge, a Prefeitura de Itajubá, por meio da Secretaria de Cultura e Turismo, licitou e contratou uma empresa de Belo Horizonte para realizar a elaboração do Dossiê de Registro do Bem Cultural Imaterial "Pastel de Milho", junto ao Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, como bem cultural imaterial do município, que foi amparada pela Lei de Proteção do Patrimônio Cultural Municipal.
O bem, já havia sido registrado como patrimônio cultural do município através do decreto municipal 4.283 de 14 de dezembro de 2010, visa sua proteção, preservação, divulgação e valorização.

Na histórica Itabirito, cidade localizada na região central de Minas Gerais, os moradores não titubeiam ao dizer que a cidade tem o melhor e mais autêntico Pastel de Angu do Brasil.
A receita do pastel- que é feito com fubá, polvilho e recheado geralmente com carne moída, seria datada do século XIX.
Segundo os moradores da cidade, por volta de 1851, ainda na época de Itabira do Campo, duas escravas, Maria Conga e Philó, foram as primeiras a usar sobras de angu recheadas com guisado de umbigo de banana. A mistura fez com que a massa ganhasse liga.

Pois é... considerado patrimônio cultural e imaterial de Pouso Alegre desde 2010, a cidade realiza anualmente a sua edição da Festa do Pastel de Milho. 
O pastel de farinha de milho é uma receita que passou de geração para geração. Um dos primeiros fabricantes do quitute foi o senhor Aurélio Coutinho Rezende, que vendia o pastel no Mercado Municipal já em 1928. Outro precursor foi o senhor Oliveira José Floriano.
Tornou-se um Patrimônio Imaterial e Cultural da Cidade.

Já o pessoal de Brazópolis, afirma que...

O pessoal de Delfim Moreira, antiga Itajubá, diz que o Padre Lourenço da Costa foi quem...

Viver é Perigoso

2 comentários:

Anônimo disse...

No Vale do Paraíba temos o bolinho caipira, registrado como patrimônio da região e símbolo de São Jose dos Campos. A massa é idêntica ao do pastel de milho, só que em formato de bolinho e bem mais saboroso.

Edson Riera disse...

Bolinho,

Como o chamam ? Bolinho de milho ou bolinho de angu ? Na década de 70 ia muito a SJC onde morava o meu concunhado. Morava em Santana, onde 101% dos moradores eram do sul de minas. Bons Tempos.

Zelador