quarta-feira, 4 de outubro de 2017

NÃO MAIS "AU REVOIR"




A Prefeitura e meio mundo na cidade está publicando uma Nota emitida pela empresa Airbus/Helibrás, esclarecendo sobre o comentado no Jornal O Tempo, de Belo Horizonte, sobre a possibilidade da empresa encerrar suas atividades industriais na cidade. Diz a Nota da PMI:

"Recebemos, na tarde desta quarta-feira (04), pela nossa Secretaria Municipal de Comunicação, um email da Helibras, por intermédio da Gerência de Comunicação (vide anexo), em que a Airbus Helicopters nega qualquer intenção em desativar sua unidade no Brasil.
Essa notícia (inverídica) circulou pelas redes sociais na data de ontem, mas trata-se de informação improcedente.
A Prefeitura de Itajubá compartilha a Nota Oficial da Helibrás e reforça o cuidado e a preocupação que temos que ter com as informações que são publicadas ou compartilhadas.
A consulta aos meios oficiais de comunicação é sempre a atitude mais prudente."

Nenhuma surpresa na Nota da empresa. 

Esclarecendo, a notícia foi publicada em uma coluna do jornal O Tempo, de Belo Horizonte. O fato desencadeou uma reação preocupada e imediata do Deputado Dalmo Ribeiro, aliado do governo municipal. 

A repercussão nas "redes sociais" foi absolutamente natural. Ninguém por estas bandas inventou nada. Tudo partiu de uma jornalista de conceituado diário da Capital, que deve ter lá as suas fontes confiáveis.

Se o Deputado Dalmo não consultou, sabemos lá quais meios oficiais de comunicação sugeridos, a "puxada de orelha" da Secretaria Municipal de Comunicação deve ser dirigida ao Gabinete do Deputado Tucano. Como parceiros, eles devem se entender. 

Que a empresa não deve estar satisfeita com o mercado, principalmente o estatal, está claro e querendo ou não, provocou-se na comunidade a reação esperada.

Resumindo, seria de bom alvitre que a Prefeitura mantivesse um relacionamento próximo, harmonioso e cooperativo, com todas as empresas instaladas no município. Só acompanhar e tomar conhecimento dos assuntos pelos jornais e pela tal de Rede Social é arriscado. Vide o caso da PK Cables do Brasil Ltda

Viver é Perigoso

4 comentários:

Anônimo disse...

Zelador! Onde há fumaça existe fogo! Claro q não iriam dizer a verdade neste momento! Aliás está empresa em nada contribui para o município e governo a não ser alguns empregos e um marketing interessante! Mas pode marcar aí em breve vamos nos decepcionar ! Ou melhor cair na real! ASA 10

Marco Antonio Gonçalves disse...

A coisa mais natural do mundo é o desmentido da empresa. Segundo a notícia, eles cogitam fechar a fábrica caso o contrato com as Forças Armadas não se realize. Isso é natural no jornalismo. Alguma fonte deve ter informado a colunista, que publicou. A empresa negou.
Agora, a Prefeitura mais uma vez demonstra sua incapacidade de lidar com comunicação. Caberia a prefeitura reproduzir que não há preocupação, pois a empresa nega que tenha intenção de sair da cidade. Ao invés disso, a Secretaria de Comunicação quer dar lições de moral e dá errado. Diz que não é para ouvir boatos que circulam pelas redes sociais. Ora, não foi um boato. Foi uma notícia veiculada em importante jornal da capital.
O pior é dizer para acreditarmos em "fontes oficiais". Esqueçamos, então, a imprensa. Confiaremos somente no site da prefeitura. Bom, então confio na informação oficial de que três empresa vem para o lugar da Siemens e que a prefeitura conseguiu R$1 bilhão para as barragens contra enchentes. Foram informações oficiais.

Edson Riera disse...

ASA 10,

O empregos são importantes. Devem empregar de 300 a 500 pessoas. Não conheço o enquadramento fiscal da empresa. Podem ter algum beneficio no ICMS. O imposto sobre serviços vindos, principalmente das manutenções, deve ficar em São Paulo, onde foi montado um setor específico, já há alguns anos. Devem pagar o Imposto de Importação e o IPI, além do IR.

Já estão aqui, são importantes para nós, etc, etc. Mas se a decisão da implantação fosse hoje, jamais viriam para a terrinha. Logisticamente não faz sentido. Devemos agradecer ao Dr. Aureliano Chaves e ao meu amigo e também colega de Escola, o ex-deputado Paulo Cesar Guimarães, que segurou a empresa na cidade, quando era líder do governo Newton Cardoso.

Zelador

Edson Riera disse...

Prezado Marco Antonio,

Triste realidade. A Administração conseguiu passar para os seus principais assessores, um clima ditatorial. As principais empresas e órgãos do planeta, têm hoje observadores constantes das redes sociais. É importante.
Tem coisas ruins e boas. Principalmente, para um bom entendedor, publicam-se, indícios.
O sonho de consumo desse pessoal no poder é a implantação da mordaça. Nas emissoras de rádio já conseguiram e com facilidade. Na internet, jamais conseguirão. Aqui não é China e nem Coreia do Norte. Talvez, já tenhamos uma pequena amostra da Venezuela, Cuba e outros menos votados.

Abraço,

Zelador